fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

CINÉTICA DE SECAGEM DE KIWI (ACTINIDIA DELICIOSA VAR. HAYWARD)

CHAGURI, L.; PINA, A. G.; INTROPIDI, L.; MAEDA, V.;

Artigo:

O kiwi é uma fruta muito apreciada mundialmente, possui alto valor nutritivo e sua produção está em crescimento nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Por ser perecível e delicada, a secagem pode ser uma alternativa interessante para sua conservação. O objetivo deste trabalho foi determinar a cinética de secagem e algumas propriedades químicas do kiwi. A secagem ocorreu em estufa com ventilação forçada de ar, velocidade 1,9 m/s, a 50, 60, 70 e 90 °C. Os dados experimentais foram ajustados através dos modelos exponencial e Fick. Determinou-se o teor de sólidos solúveis, pH e acidez titulável. Um aumento da temperatura de secagem produziu uma diminuição do conteúdo de umidade. O modelo exponencial foi o que melhor se ajustou aos dados experimentais. Os coeficientes de difusão apresentaram valores entre 1,94∙10-10 a 6,94∙10-10 m2/s. A influência da temperatura no coeficiente de difusão foi realizada mediante a correlação exponencial. A amostra fresca apresentou conteúdo de umidade de 84,80 %, base úmida, pH 3,70, acidez titulável 0,97 % e sólidos solúveis 13,1 ºBrix. As amostras secas apresentaram algumas diferenças em termos dessas propriedades.

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-1499-18989-143204

Referências bibliográficas
  • [1] AOAC - Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis. 1995.
  • [2] ATARÉS, L.; SOUSA-GALLAGHER, M.J.; OLIVEIRA, F.A.R. Process conditions effect on the quality of banana osmotically dehydrated. J. Food Eng., v. 103, p. 401–408, 2011.
  • [3] BUCHWEITZ, P. R. Avaliação da pré-secagem osmótica de kiwi (Actinidia deliciosa) complementada por processos convencionais. Tese de Doutorado. UNICAMP, Campinas. 2005.
  • [4] CASTALDO, D.; VOI, A. L.; TRIFIRO, A.; GHERARDI, S. Composition of italian kiwi (Actinidia chinensis) puree. J. Agr. Food Chem., v. 40, p. 594-598, 1992.
  • [5] Área temática: Engenharia e Tecnologia de Alimentos 7CRANK, J. The mathematics of diffusion. Oxford. Claredon Press. 197
  • [6] DOYMAZ, I.; PALA, M. The thin-layer drying characteristics of thin layer carrots. J. Food Eng., v. 61, p. 359-364, 2004.
  • [7] FAOSTAT - Food and Agriculture Organization of the United Nations. 2011. Disponível em: Andlt;http://faostat3.fao.org/faostatgateway/go/to/download/Q/QI/EAndgt;. Acesso em: 02/01/2014.
  • [8] GABAS, A. L.; MENEGALLI, F. C.; TELIS-ROMERO, J. Effect of chemical pretreatment on the physical properties of dehydrated grapes. Dry. Technol., v. 17, p. 1215-1226, 1999.
  • [9] GERSCHENSON, L.N.; ROJAS, A.M.; MARANGONI, A.G. Effects of processing on kiwi fruit dynamic rheological behavior and tissue structure. Food Res. Int., v. 34, p. 1-6, 2001.
  • [10] GUINÉ, R.P.F.; RODRIGUES, A.E.; FIGUEIREDO, M.M. Modelling and simulation of pear drying. App. Math. Comp., v. 192, p. 69–77, 2007.
  • [11] JUNIOR, P. C. A.; CORRÊA, P.C. Comparação de modelos matemáticos para descrição da cinética de secagem em camada fina de sementes de feijão. Rev. Bra. Eng. Agr. Amb., v. 3, p. 349-353, 1999.
  • [12] KAYA, A.; AYDIN, O.; DINCER, I. Heat and mass transfer modeling of recirculating flows during air drying of moist objects for various dryer configurations. Num. Heat Trans. Part A: App. Int. J. Comp. and Meth., v. 53, p. 18-34, 2007.
  • [13] MOREIRA, R.; CHENLO, F.; CHAGURI, L; VAZQUEZ, G. Air drying and colour characteristics of chestnuts pre-submitted to osmotic dehydration with sodium chloride. Food Bio. Process., v. 89, p.109–115, 2011.
  • [14] MOREIRA, R.; CHENLO, F.; CHAGURI, L; FERNANDES, C. Diffusion of Water in Chestnut Fruits during Drying and Rehydration Processes at Different Temperatures. Def. Diff. Forum, v. 273-276, p.758–763, 2008.
  • [15] PAKOWSKI, Z.; MUJUMDAR, A. S. Basic process calculations in drying. Handbook of industrial drying. Nova York. Marcel Dekker. 1995.
  • [16] SENADEERA, W.; BHANDARI, B.R.; YOUNG, G.; WIJESINGHE, B. Influence of shapes of selected vegetable materials on drying kinetics during fluidized bed drying. J. Food Eng., vol 58, p. 277-283, 2003.
  • [17] SIMAL, S.; FEMENIA, A.; GARAU, M.C.; ROSSELLÓ, C. Use of exponential, Page’s and diffusional models to simulate the drying kinetics of kiwi fruit. J. Food Eng., v. 66, p. 323–328, 2005.
  • [18] STRUMILLO, C.; KUDRA, T. Drying: Principles, applications and design. Montreal. Gordon and Breach Science Publishers, SA. 1996.
  • [19] TRICHES, D; SEBBEN, M. Análise da cultura do kiwi e seu papel para o desenvolvimento da região de Farroupilha RS – 1990/2000. Rio Grande do Sul. 2004. Disponível em: http://www.ucs.br/site/midia/arquivos/IPES_TS_012_NOV_2004.pdf Acesso em 15/01/2014.
  • [20] ZENEBON, O.; PASCUET, N. S.; TIGLEA, P. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo. Instituto Adolfo Lutz. 2008.
Como citar:

CHAGURI, L.; PINA, A. G.; INTROPIDI, L.; MAEDA, V.; "CINÉTICA DE SECAGEM DE KIWI (ACTINIDIA DELICIOSA VAR. HAYWARD)", p. 4705-4712 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-1499-18989-143204

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações