fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÊSSEGOS OBTIDOS POR DIFERENTES MÉTODOS DE SECAGEM

BALKE, M. E.; OLIVEIRA, H. T.; STEFFENS, C.; VALDUGA, E.; SOARES, A. B. J.; STEFFENS, J.; SOARES, M. B. A.;

Artigo:

O objetivo do estudo foi analisar secagem convencional com ar quente em estufa, com Desidratação Osmótica (DO) seguido de secagem em estufa e liofilização com as cultivares de pêssego Chimarrita e Eragil na aceitação sensorial do produto. Para secagem em estufa, as fatias da fruta foram colocadas em bandejas na de circulação de ar a 60ºC permanecendo até apresentarem peso constante, onde Chimarrita apresentou 5,5h de secagem e 160g de massa; enquanto na Eragil obteve-se 196g em 7h. Na DO seguida de secagem por estufa, colocou-se os pêssegos das duas variedades por 2h em banho-maria a 30ºC com 45º Brix, e posterior emente colocou-se em estufa a 60°C, até peso constante. Com a variedade Chimarrita, o tempo de secagem foi 7h e 237g; enquanto Eragil foi de 6,5 h e 320g. Para a liofilização, as cultivares foram colocadas por 16h a -80ºC e posteriormente liofilizadas a -60ºC, onde permaneceram por 46,5h e ao final do processo, Chimarrita apresentou 120g, enquanto Eragil 191g. Pode-se verificar com relação a aceitabilidade, que a cultivar Eragil com DO seguida de secagem em estufa teve melhor aceitação sensorial em relação a outros processos, assim como preferência de compra. Palavras-chave: Desidratação, Liofilização, Secagem, Pêssego, Aceitabilidade.

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-1050-21362-171017

Referências bibliográficas
  • [1] ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS (AOAC). Official Methods of Analysis of AOAC International. 16. ed. Washington, v.1-2, 1995.
  • [2] BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – CNNPA n° 12, de 24/de julho de 1978. Disponível em: www.anvisa.gov.br acessado em 05/05/2014.
  • [3] CHAVES, M.C.V. et al. Caracterização físico-química de suco de acerola. Rev. Biol. Cien. Terra. Vol. 4. n2, 2004.
  • [4] CORNEJO, F. E; NOGUEIRA, R. I.; WILBERG, V. C. Secagem como método de conservação de frutas. Embrapa Agroindústria de Alimentos. Documentos 54, Rio de Janeiro, 2003.
  • [5] DI RIENZO, C. A importância das câmaras frias na horticultura. Tecnologia da Refrigeração, n. 5, p. 16- 22, 2001.
  • [6] FAO. Food and Agriculture Organization of the United Nations. FAO Statistical Databasis. Disponível em: Andlt;http:// www.todafruta.com.bAndgt;r. Acesso em: 12 março.2014.
  • [7] IAL -Instituto Adolfo Lutz -. Métodos Físico-Químicos para análise de alimentos. São Paulo, IV Edição 1. Edição Digital, 2008.
  • [8] MARZEC, A.; KOWALSKA, H.; ZADROŻNA, M. Analysis of instrumental and sensory texture Attributes of microwave–convective dried apples. Warsaw University of Life Science, Faculty of Food Sciences Department of Food Engineering and Process Management.ul. Nowoursynowska Warsaw, 2010. Disponível em: Andlt;http://www. onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1745-4603.2010.00234.x/pdf Andgt;. Acesso em 28 de dezembro de 2013.
  • [9] ORIKASA , T. et al. Impacts of hot air and vacuum drying on the quality attributes of kiwifruit slicesma Contents lists available. Journal of Food Engineering. 2013.
  • [10] Disponível em: Andlt;http:// www.elsevier.com/locate/jfoodeng.Andgt; Área temática: Engenharia e Tecnologia de Alimentos 7 Acesso em: 16 dezembro 2013.
  • [11] SEBRAE. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Classificação das MPEs segundo o número de empregados. Disponível em: Andlt;http://www.sebraesc.com.br/leis/ default.asp?vcdtexto=4154Andgt;. Acesso em 20 abril 2014.
Como citar:

BALKE, M. E.; OLIVEIRA, H. T.; STEFFENS, C.; VALDUGA, E.; SOARES, A. B. J.; STEFFENS, J.; SOARES, M. B. A.; "AVALIAÇÃO SENSORIAL DE PÊSSEGOS OBTIDOS POR DIFERENTES MÉTODOS DE SECAGEM", p. 4216-4223 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-1050-21362-171017

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações