Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Compreensibilidade em textos de e-gov: uma análise exploratória da escrita do INSS

Comprehensibility in e-gov texts: an exploratory analisis of INSS writing

Fischer, Heloisa; Mont’Alvão, Claudia; Rodrigues, Erica dos Santos; Engelke, Antonio;

Artigo completo:

A compreensibilidade textual de informações sobre serviços públicos em ambientes de governo eletrônico (e-gov) gera debates em vários países. Há evidências na literatura de que o método de redação Linguagem Simples (Plain Language) oferece ferramentas para melhorar a compreensibilidade de textos, evitando características linguísticas que dificultam a leitura. Os objetivos deste estudo foram: (i) Realizar levantamento documental sobre uso de Linguagem Simples em e-gov no Brasil e no mundo; (ii) Analisar a incidência de características linguísticas que prejudicam a compreensibilidade textual – estruturas complexas de sentença, nominalizações, palavras pouco conhecidas e palavras polissílabas – na seção Benefícios do site do INSS. Esta análise compreendeu: a) Análise geral de 19 textos da seção Benefícios; b) Análise automática de três textos pela ferramenta computacional Coh-Metrix-Port 2.0; c) Análise detalhada de um fragmento do texto Auxílio-doença, observando a incidência de estruturas complexas de sentença. O levantamento documental apontou aspectos comuns nas diretrizes internacionais de Linguagem Simples em e-gov. Na análise da escrita do INSS, foram encontradas todas as características linguísticas mencionadas, que, ao oferecerem barreiras à compreensão, podem impactar no acesso da população aos benefícios. Futuras pesquisas poderiam investigar intervenções de Linguagem Simples tendo como parâmetro uma categorização dos referidos aspectos comuns às diretrizes internacionais.

Artigo completo:

The textual comprehensibility of information on public services in e-government raises debates in a number of countries.). Evidence in literature shows that the Plain Language writing method provides tools to improve text comprehensibility, avoiding linguistic traits that make reading difficult. The objectives of this study were: (i) Carry out a documental survey on the use of Plain Language in e-gov in Brazil and worldwide; (ii) Analyze the incidence of linguistic traits that hinder textual comprehensibility - complex sentence structures, nominalisations, unfamiliar words and polysyllable words - in the Benefits section of the INSS (the Federal Social Service) website. This analysis included: a) General analysis of the 19 texts in the Benefits section; b) Automatic analysis of three texts using the Coh-Metrix-Port 2.0 computational tool; c) Detailed analysis of a fragment of the text Disease-related Aid, focusing on the incidence of complex sentence structures. The documental survey pointed out common aspects in the international guidelines of Plain Language in e-gov. The analysis of the INSS writing showed the presence of all the linguistic traits mentioned above, which, by imposing barriers to understanding, may impact the population's access to the benefits. Future research could investigate Plain Language interventions using as a parameter a categorization of the common aspects to international guidelines.

Palavras-chave: linguagem simples, e-gov, burocracia, compreensibilidade textual,

Palavras-chave: plain language, e-gov, red tape, textual comprehensibility,

DOI: 10.5151/9cidi-congic-1.0306

Referências bibliográficas
  • [1] Barboza, E. M. F., & Nunes, E. M. de A. (2007). A inteligibilidade dos websites governamentais brasileiros e o acesso para usuários com baixo nível de escolaridade. Inclusão Social, Brasília, v. 2, n.2, p. 19-33. Abril/Set.
  • [2] Barboza, E. M. F. (2010). A linguagem clara em conteúdos de websites governamentais para promover a acessibilidade de cidadãos com baixo nível de escolaridade. Inclusão Social, Brasília, v. 4, n. 1 (p. 52-66), Jul/Dez.
  • [3] Brasil (2002). Resolução N. 7, de 29 de Julho de 2002. Estabelece regras e diretrizes para os sítios na internet da Administração Pública Federal. Disponível em:
  • [4] http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Resolu%C3%A7%C3%A3o/2002/RES07-02web.htm. Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [5] Brasil (2007). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Departamento de Governo Eletrônico.
Indicadores e métricas para avaliação de e-Serviços. Brasília: MP, 2007. Disponível em: https://www.governodigital.gov.br/documentos-e-arquivos/Indicadores%20e%20Metricas%20para%20a%20Avaliacao%20de%20e-Servicos.pdf. Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [6] Brasil (2010). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Padrões Web em Governo Eletrônico: Cartilha de Usabilidade. Brasília: MP, SLTI, 2010. Disponível em: https://www.governodigital.gov.br/documentos-e-arquivos/e-pwg-usabilidade.pdf. Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [7] Brasil (2011). Lei 12.527, de 18 de novembro de 2011. Lei do Acesso à Informação (LAI) Disponível em:
  • [8] 2011/lei/l12527.htm>. Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [9] Brasil (2014). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. eMAG Modelo de Acessibilidade em Governo Eletrônico. Brasília. Disponível em: https://www.governodigital.gov.br/documentos-e-arquivos/eMAGv31.pdf. Acesso em: 2 jul. 201
  • [10] Brasil (2015). Decreto nº 8.414, de 26 de fevereiro de 2015. Institui o Programa Bem Mais Simples Brasil. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/decreto/d8414.htm Acesso em: 2 jul. 2019
  • [11] Brasil (2016). Decreto Nº 8.638, de 15 de janeiro de 2016. Institui a Política de Governança Digital. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/
  • [12] _ato2015-2018/2016/decreto/d8638.htm> . Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [13] Brasil (2018). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Estratégia de Governança Digital: Transformação Digital – cidadania e governo (versão revisada). Brasília; 2018. Disponível em: https://www.governodigital.gov.br/EGD/documentos/revisao-da-estrategia-de-governanca-digital-2016-2019.pdf Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [14] Fischer, H. (2018). Clareza em textos de e-gov, uma questão de cidadania. Rio de Janeiro: Com Clareza.
  • [15] Garwood, K. (2014). Plain, But Not Simple: Plain Language Research with Readers, Writers, and Texts. Tese de doutorado – Universidade de Waterloo. Waterloo, Grã-Bretanha. Disponível em: https://uwspace.uwaterloo.ca/bitstream/handle/10012/8401/Garwood_Kim.pdf;sequence=3. Acessado em: 2 jul. 2019
  • [16] Houaiss, A., & Villar, M. de S (2001). Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.
  • [17] Inaf Brasil (2018) – Resultados preliminares. Estudo especial sobre alfabetismo e mundo do trabalho. São Paulo. Disponível em: < http://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2018/08/Inaf2018_Relat%C3%B3rio-Resultados-Preliminares_v08Ago2018.pdf Acesso em: 2 jul. 2019
  • [18] INSS – Instituto Nacional do Seguro Social. [Estatísticas de acesso à seção de Benefícios do site do INSS]. Destinatária: Heloisa Fischer. 10 mai. 2019. 1 pdf.
  • [19] Lopes, K., Macadar, M. A, & Luciano, E. M (2017). Valor público: o cidadão no centro da gestão pública. 2017 Pesquisa TIC Governo Eletrônico. São Paulo: Comitê Gestor da Internet.
  • [20] Martins, T.B.F., Ghiraldelo, C. M, Nunes, M. G. V., & Oliveira Junior, O.N. (1996). Readability formulas applied to textbooks in brazilian portuguese. Notas do ICMC, N. 28. São Carlos: Icmsc-Usp.
  • [21] Martins, S., & Filgueiras, L. (2007). Métodos de Avaliação de Apreensibilidade das Informações Textuais. Congreso Latinoamericano de la Interacción Humano-Computadora 2007. Disponível em: http://www.clihc.org/2007/papers/MetodosAvilacao_ID25_longpaper.pdf. Acesso em: 2 jul. 2019
  • [22] Mendonça, N. R. de S (1987). Desburocratização Linguística: Como simplificar textos administrativos. São Paulo: Livraria Pioneira Editora.
  • [23] Pasqualini, B. F. (2018). CorPop: um corpus de referência do português popular escrito do Brasil. Tese de doutorado - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.
  • [24] Projeto de Lei 01-00226 (2019). "Institui a Política Municipal de Linguagem Clara nos órgãos da administração direta e indireta, e dá outras providências."http://documentacao.camara.sp.gov.br/iah/fulltext/projeto/PL0226-2019.pdf. Acesso em: 2 jul. 2019
  • [25] São Paulo (2016). Orientações para Adoção de Linguagem Clara. São Paulo: Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados – Seade. Disponível em: http://www.governoaberto.sp.gov.br/wp-content/uploads/2017/12/orientacoes_para_adocao_linguagem_clara_ptBR.pdf. Acesso em: 2 jul. 2019.
  • [26] Scarton, C. E.; & Aluísio, S. M. (2010). Análise da Inteligibilidade de textos via ferramentas de Processamento de Língua Natural: adaptando as métricas do Coh -Metrix para o Português. LinguaMÁTICA, v. 2 , n.1, Abril 2010, p. 45–62.
  • [27] Schriver, K. & Gordon, F. (2010). Grounding plain language in research. Clarity 64. November.
  • [28] Schriver, K. (2017). Plain Language in the US Gains Momentum: 1940- 2015. IEEE Transactions on Professional Communications, Vol. 60, N. 4, December.
  • [29] Silveira, M. I. M. (2008). O burocratês: análise à luz de uma gramática retórica. In: Revista da ABRALIN, v. 7, n. 1, p. 215-258, jan./jun.
  • [30] United Nations. United Nations E-Government Surveys: 2018. New York: United Nations, 2018. Disponível em: https://publicadministration.un.org/egovkb/Portals/egovkb/Documents/un/2 018-Survey/E- Government%20Survey%202018_FINAL%20for%20web.pdf. Acesso em: 30 jun. 2019
  • [31] United Nations, UN E-Government Knowledgebase. Disponível em: https://publicadministration.un.org/egovkb/enus/About/UNeGovDD-Framework. Aceso em: 2 jul. 2019.
Como citar:

Fischer, Heloisa; Mont’Alvão, Claudia; Rodrigues, Erica dos Santos; Engelke, Antonio; "Compreensibilidade em textos de e-gov: uma análise exploratória da escrita do INSS", p. 303-313 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-1.0306

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações