dezembro 2014 vol. 1 num. 1 - X Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

INVESTIGAÇÃO DE MODELOS SEMI-EMPÍRICOS DE CINÉTICA DE SECAGEM DE PIMENTA-DO-REINO SECA SOB CONVECÇÃO NATURAL

COVRE, V.R.; LIRA, T.S.; BACELOS, M.S.;

Artigo:

A secagem da pimenta-do-reino é um procedimento indispensável, pois inibe a atividade enzimática e bacteriana, permitindo estender a vida de prateleira, e reduz a massa das amostras, facilitando o transporte. Por outro lado, a secagem exige atenção especial devido ao alto consumo de energia. Atualmente, grande parte da produção nacional é processada utilizando a secagem ao sol. Esta não possibilita obter uma secagem padronizada como ocorre em um secador convencional. Para definir o melhor modelo de secador, é necessário investigar e compreender os efeitos da temperatura e da velocidade do ar sobre a cinética de secagem. Assim, foram propostos modelos empíricos, reportados na literatura, para representar a cinética de secagem. Os modelos foram avaliados aplicando medidas de não linearidade, tais como medidas de curvatura, propostas por Bates e Watts, e vício de Box. O experimento foi conduzido em estufa de convecção natural às temperaturas de 60, 70, 80, 90 e 100 °C. O experimento permitiu constatar que a taxa de secagem é extremamente dependente da temperatura do ar. O único modelo que atendeu a todos os requisitos estatísticos foi o modelo de Overhults.

Artigo:

Palavras-chave: estufa, taxa de secagem, medidas de não linearidade,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobec-ic-02-ft-034

Referências bibliográficas
  • [1] BATES, D.M.; WATTS, D.G. (1980) “Relative Curvature Measures of Nonlinearity” J.R. Statist. Soc. B, 42: 1- 25.
  • [2] BARROZO, M.A.S.; SARTORI, D.J.M.; FREIRE, J.T. (2004) “A Study of the Statistical Discrimination of the Drying Kinetics Equation” Trans IChemE, 82: 219-225.
  • [3] BEALE, E.M.L. (1960) “Confidence Regions in Nonlinear Estimation” J.R. Statist. Soc. B, 22: 41-76.
  • [4] BOX, M.J. (1971) “Bias in Nonlinear Estimation” J.R. Statist. Soc. B, 33: 171- 201.
  • [5] BROOKER, D.B.; BAKKER-ARKEMA F.W.; HALL, C.W. (1974) “Drying Cereal Grains” The Avi Publish Company, Inc.: Westport.
  • [6] HENDERSON, J.M.; HENDERSON, S.M. (1968) “A Computacional Procedure for Deep-Bed Drying Analysis” J. Agric. Eng. Res., 13: 87-95.
  • [7] KAENSUP, W.; WONGWISE, S. (2004) “Combined Microwave/Fluidized Bed Drying of Fresh Peppercorns” Drying Technology, 22: 779-794.
  • [8] KAENSUP, W.; WONGWISE, S.; CHUTIMA, S. (1998) “Drying of Pepper Seeds Using a Combined Microwave/Fluidized Bed Dryer” Drying Technology, 16: 853-862.
  • [9] LEWIS, W.K. (1921) “The Rate of Drying of Solids Materials” Ind. Eng. Chem., 13: 427-432.
  • [10] MUJUMDAR, A.S. (2007) “Principles, Classification, and Selection of Dryers”. Handbook of Industrial Drying. Editora CRC Press, Nova York.
  • [11] OVERHULTS, D.G.; WHITE, G.M.; HAMILTON, H.E.; ROSS, I.J. (1973) “Drying Soybeans with Heated Air” Trans. of the ASAE, 112-113.
  • [12] PAGE, G.E. (1949) Factors Influencing the Maximum Rates of Air Drying Shelled Corn in Thin-Layer, Purdue University, Indiana (dissertação de mestrado).
Como citar:

COVRE, V.R.; LIRA, T.S.; BACELOS, M.S.; "INVESTIGAÇÃO DE MODELOS SEMI-EMPÍRICOS DE CINÉTICA DE SECAGEM DE PIMENTA-DO-REINO SECA SOB CONVECÇÃO NATURAL", p. 411-415 . In: . São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobec-ic-02-ft-034

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações