fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE CACHAÇA ENVELHECIDA EM BARRIS DE EUCALIPTO

VIÉGAS, E. K. D.; CRUZ, S. H. da; LIMA, U. de A.; ALCARDE, A. R.;

Artigo:

A madeira desempenha um papel importante na qualidade da cachaça. Grande parte dos barris utilizados no envelhecimento da cachaça são de carvalho europeu (Quercus sp), de difícil aquisição. O armazenamento da cachaça em barris de madeira causa estabilização química e confere características de envelhecimento, provocando alterações nas propriedades sensoriais. O objetivo deste trabalho foi avaliar o uso de doze espécies de eucalipto para a confecção de barris destinados ao envelhecimento de cachaça. A bebida envelhecida por 12 meses foi avaliada sensorialmente utilizando o teste triangular e teste de aceitação. Foram realizadas determinações de cor, acidez volátil, graduação alcoólica. Os resultados obtidos demonstraram boa aceitação para todas as amostras, no entanto não houve diferença significativa em relação aos atributos da cachaça envelhecida nos barris de eucalipto. Todas as amostras apresentaram aumento acentuado da coloração. Houve maior redução de acidez nas amostras de cachaça envelhecidas em barris de Eucalyptus microcorys. A madeira de eucalipto pode ser considerada um material adequado para confecção de barris utilizados no envelhecimento

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-0004-27674-152330

Referências bibliográficas
  • [1] BORUFF, C. S.; RITTSCHOF, L. A. Effects of barreling proof on the aging of American whiskeys. J. Agri. Food Chem. v. 7, p. 630 – 633, 1959.
  • [2] BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa no 13, de 29 de junho de 2005. Regulamento técnico para fixação dos padrões de identidade e qualidade para aguardente de cana e para cachaça. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília - DF, 30 jun. 2005. p. 3.
  • [3] CARDELLO, H. M. A. B.; FARIA, J. B. Análise tempo-intensidade de características sensoriais de aguardente de cana durante o envelhecimento em tonel de carvalho. Rev. Ciênc. e Tecnol. de Alim., São Paulo, n. 33, 1999.
  • [4] CARDELLO, H. M. A. B.; FARIA, J. B. Análise de aceitação de aguardentes da cana por testes afetivos e mapas de preferência interno. Bol. da Soc. Bras. de Ciênc e Tecnol. de Alim., Campinas v. 20, p. 32 – 36, 2000.
  • [5] CHATONET, P. Tese (Doutorado) – l’Universite de Bourdeaux II, Bourdeaux, 199
  • [6] DIAS, S. M. B. C. Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 1997.
  • [7] DUTCOSKY, S. D. Análise sensorial de alimentos. Curitiba: Champagnat, 1996. 126p. INSTITUTO BRASILEIRO DA CACHAÇA – IBRAC. Cachaça na mídia. Disponível em: www.ibraccachacas.org. Acesso em março/2014.
  • [8] LIMA, U. A. Produção nacional de aguardentes e potencialidades dos mercados internos e externos. In: MUTTON, M. J. R.; MUTTON, M. A. (Ed.). Aguardente de cana: produção e qualidade. Jaboticabal: FUNEP, p.54-9 1992.
  • [9] MEILGAARD, M.; CIVILLE, G. V.; CARR, B. T. Sensory evalution techniques. 3 ed. New York: CRC Press, 387p. 199
  • [10] MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Projeções do agronegócio. Disponível em: www.agricultura.gov.br. Acesso em: março/2014.
  • [11] MIRANDA, M. B.; MARTINS, N. G. S.; BELLUCO, A. E. S.; HORII, J.; ALCARDE, A. R. Qualidade química de cachaças e de aguardentes brasileiras. Ciênc. e Tecnol. de Alim., Campinas, v. 27, nº 4, p. 897 – 901, 2006.
  • [12] MORI, F. A.; MENDES, L. M.; TRUGILHO, P. F.; CARDOSO, M. G. Utilização de eucaliptos e de madeiras nativas no armazenamento de aguardente de cana-de-açúcar. Ciênc. e Tecnol. de Alim., v. 23, p. 396-400, 2003.
  • [13] NONATO, E. A.; CARAZZA F.; SILVA F.C.; CARVALHO C.R.; de L. CARDEAL, Z. A headspace solid-phase microextraction method for the determination of some secondary compounds of Brazilian sugar cane spirits by gas chromatography. Jou. Agric. Food Chem., v. 49, p. 3533-3539, 2001.
  • [14] ONISHI, M.; GUYMON, J. F.; CROWELL, E. A. Changes in some volatile constituents of brandy during aging. Am. J. Enol. Vitic. v. 28, p. 152 – 158, 1977.
  • [15] PIGGOTT, J. R. C.; SHARP, R. C.; DUNCAN, R. E. B. The Science and Technology of Whiskies. New York: Longman Scientific Andamp; Technical, 1989. 410 p. SILVA JÚNIOR, L. S. Dissertação (Mestrado em Ciência dos alimentos). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Araraquara – SP, 1999.
  • [16] SINGLETON, V. L. Maturation of wines and spirits: comparations, facts and hypotheses. Am. J. Enol. Vitic., v. 46, p. 98 – 115, 1995.
  • [17] STONE, H.; SIDEL, J. L. Sensory evaluation practices. 2nd ed. San Diego: Academic Press, 1993. 338p. YOSHIZAWA, K.; MOMOSE, H.; HASUO, T. Substances evaporated through barrel during aging of whisky. Nippon Nogeikagaku Kaishi, v. 55, p. 1063 – 1068, 1981.
Como citar:

VIÉGAS, E. K. D.; CRUZ, S. H. da; LIMA, U. de A.; ALCARDE, A. R.; "AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E SENSORIAL DE CACHAÇA ENVELHECIDA EM BARRIS DE EUCALIPTO", p. 2934-2941 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-0004-27674-152330

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações