Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

TECNOLOGIAS DE REDES E PRODUÇÃO COLABORATIVA: O NOVO PARADIGMA DO DESIGN ABERTO

Pereira Junior, Clorisval; Farbiarz, Jackeline Lima; Spitz, Rejane;

Artigo Completo:

Durante o século XX, o campo do design esteve pautado por ideias de racionalidade, padronização e eficiência industrial, associadas ao desenvolvimento de industrias e corporações privadas estimuladas pelo mercado de consumo. À medida em que entram em pauta questões relacionadas a mudanças climáticas, esgotamento de recursos naturais ou crescentes crises sociais, passamos a notar um debate cada vez mais crítico sobre o modelo de desenvolvimento industrial vigente. Com o início do século XXI e a difusão das tecnologias de redes, observamos a emergência de um vigoroso debate sobre a possibilidade de um novo paradigma de produção, mais colaborativo, aberto e socialmente justo. Neste trabalho, vamos apresentar um panorama crítico da produção industrial nas sociedades moderna e pós-moderna, destacando autores do campo do design como Bonsiepe, Frascara, Manzini e Cardoso e autores do campo da filosofia e sociologia, como Lyotard, Lip ovetsky e Ricouer. Vamos analisar a emergência da produção colaborativa baseada em redes, comparando o discurso de autores contemporâneos, que defendem o potencial libertário e empoderador das novas tecnologias, como Benkler, Shirky e Tapscott, com o discurso da pedagogia crítica de Freire e Illich. Para concluir vamos analisar algumas características das formas contemporâneas de produção colaborativa, como licenças abertas, bibliotecas compartilhadas, autoria coletiva e obra aberta, à luz de filósofos da linguagem, como Iser, Goulemot, Bakhtin, Eco e Barthes.

Artigo Completo:

Palavras-chave: tecnologias de redes; produção colaborativa; design aberto.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0010

Referências bibliográficas
  • [1] BAKHTIN, Michail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec Editora . 2006
  • [2] BARTHES, Roland. O Rumor da Língua. São Paulo: Martins Fontes. 2004
  • [3] BENKLER, Yochai. The Wealth of Networks: How Social Production Transform Markets and Freedom. Yale University Press. 2006
  • [4] BONSIEPE, Gui. Design and Democracy. In: Design Issues, Volume 22, Number 2 Spring 2006
  • [5] BONSIEPE, Gui. A tecnologia da tecn ologia. São Paulo: Edgard Blücher. 1983
  • [6] BONSIEPE, Gui. Diseño industrial: tecnologia y dependência. México: Edicol. 1978.
  • [7] BROWN, Tim. Change by design: How design thinking transforms organizations and inspire innovation. Harper Collins. 2009
  • [8] CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naif. 2012
  • [9] CASTELLS, Manuel. The Network Society: A Cross-Cultural Perspective. Cheltenham: Edward Elgar. 2004
  • [10] CROSS, Nigel. Design Thinking: Understanding How Designers Think and Work. Berg Publishers. 2011
  • [11] DEBORD, Guy; VAGUE, Tom. Society of the Spectacle. Bread and Circuses, Kindle Edition. 2012
  • [12] ECO, Umberto. Obra Aberta. 9 . ed. São Paulo: Perspectiva. 2013.
  • [13] EHN, P. Participation in Design Things. In: Participatory Design Conference, 08, 2008, Bloomington, Indiana. Proceedings. Bloomington, ACM Press, p. 92-101. 2008
  • [14] FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Bulletin de la Societé Française de Philosophic, 63o ano, no 3, julho-setembro de 1969
  • [15] FRASCARA, Jorge. Diseño Gráfico para la Gente: Comunicaciones de masa y cambio social. Buenos Aires: Ediciones Infinito. 2000
  • [16] FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 1968
  • [17] GOULEMOT, Jean Marie. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTIER, Roger. Práticas de leitura. 2. ed. São Paulo: Estação Liberdade, 2001.
  • [18] GUPTA, Arvind. Books and Toys Gallery. Disponível em: http://www.arvindguptatoys.com. Acessado em Julho, 2013.
  • [19] IDEO. The Field Guide to Human-Centered Design. IDEO.org. 2015. Disponível em: http://www.designkit.org/resources/1. Acessado em Junho, 2016.
  • [20] ILLICH, Ivan. Deschooling Society. Harper & Row. 1971
  • [21] ISER, Wolfgang. O ato da leitura. Vol. 2. Editora 34. 1999
  • [22] KLEIN, Naomi. Sem logo: a tirania das marcas em um planeta vendido. Rio de Janeiro: Record. 2002
  • [23] LESSIG, Lawrence. Free Culture: How Big Media Uses Technology and Law to Lock Down Culture and Control Creativity. New York: Penguin Press. 2004
  • [24] LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.
  • [25] LYOTARD, Jean-François. La condition postmoderne: rapport sur le savoir. Les Éditions de Minuit. 1979
  • [26] MALDONADO, Tomás. Design, Nature, and Revolution: Toward a Critical Ecology. Harper & Row. 1972
  • [27] MANZINI, Ezio. Design para sustentabilidade e inovação social: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro, E-Papers. 2008
  • [28] PAPANEK, Victor. Disenãr para el Mundo Real. Madrid, H. Blume Ediciones. 1977
  • [29] RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. Vol.3. O Tempo Narrado. São Paulo: Martins Fontes. 2012
  • [30] SELLE, Gert. Ideología y utopia del diseño. Barcelona, Editorial Gustavo Gili, 1973.
  • [31] SHIRKY, Clay. Here Comes Everybody: The Power of Organizing Without Organizations. Penguin Press, Kindle Edition. 2008
  • [32] SANDERS, Elisabeth B.; STAPPERS, Pieter J. Co-creation and the new landscapes of design. IN: CoDesign. Vol. 4, Iss. 1, 2008
  • [33] TAPSCOTT, Don e WILLIAMS, Anthony D. Wikinomics: How Mass Collaboration Changes Everything. Atlantic Books, Kindle Edition. 2011
Como citar:

Pereira Junior, Clorisval; Farbiarz, Jackeline Lima; Spitz, Rejane; "TECNOLOGIAS DE REDES E PRODUÇÃO COLABORATIVA: O NOVO PARADIGMA DO DESIGN ABERTO", p. 116-126 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0010

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações