Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

PARQUE DOS SENTIDOS

SALES, Fernanda Rocha;

Artigo completo:

O estilo de vida moderno tem tornado muitas pessoas estressadas e isoladas em seus universos
particulares. As responsabilidades cotidianas exigem comprometimento heroico, ao passo que os
momentos de ócio vão se tornando mais e mais raros. O presente trabalho propõe um lugar
agregador, estrategicamente conceituado, permitindo que todos se sintam estimulados a
experimentar e/ou intensificar as sensações adormecidas. Assim, o projeto tem como base
fundamental os princípios da acessibilidade, visto que uma considerável parcela da população –
especialmente pessoas com deficiência ou dificuldade de locomoção – além de estar inserida nesse
cotidiano caótico e desgastante, possui uma série de direitos negados.

Artigo completo:

Palavras-chave: sensações; acessibilidade; pessoa com deficiência, direitos.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/eneac2018-091

Referências bibliográficas
  • [1] ARAÚJO, Ana Maria Matos. CARLEIAL, Adelita Neto. Opulência e miséria nos bairros de fortaleza (ceará/brasil). Revista electrónica de geografía y ciencias sociales. Universidad de Barcelona. ISSN: 1138-9788. Depósito Legal: B. 2741-98 BRAGA, Mariana Moron Saes and SCHUMACHER, Aluisio Almeida. Direito e inclusão da pessoa com deficiência: uma análise orientada pela teoria do reconhecimento social de Axel Honneth. Soc. estado. [online]. 2013, vol.28, n.2, pp. 375-392. ISSN 0102-6992. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922013000200010. BRASIL. Código Civil (2002). Código civil brasileiro e legislação correlata. – 2. ed. – Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2008. 616 p. BRASIL. Federação Nacional das APAEs. Legislação Comentada para Pessoas Portadoras de Deficiência e Sociedade Civil Organizada/Federação Nacional das APAEs. Brasília, 2003, com 428 páginas. BRASIL. Legislação brasileira sobre pessoas com deficiência [recurso eletrônico]. – 7. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2013. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2010. 24 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) ISBN Defi ciência. 2. Políticas públicas em saúde. 3. Defesa dos defi cientes. I. Título. II. Série. BRASIL. Senado Federal. Secretaria Especial de Comunicação Social e Secretaria de Pesquisa e Opinião. Lei 7.853, de 24 de outubro de 1989. -Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Acesso em 14/04/2008a. DINIZ, Debora. O que é deficiência. São Paulo: Editora Brasiliense, 2007. DINIZ, Debora; BARBOSA, Lívia and SANTOS, Wederson Rufino dos. Deficiência, direitos humanos e justiça. Sur, Rev. int. direitos human. [online]. 2009, vol.6, n.11, pp.64-77. ISSN 1806- 6445. DSM-IV-TRTM – Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. trad. Cláudia Dornelles; – 4.ed. rev. – Porto Alegre: Artmed, 2002. DUARTE, Cristiane Rose de Siqueira ; COHEN, R. Afeto e Lugar: A Construção de uma Experiência Afetiva por Pessoas com Dificuldade de Locomoção. In Anais do Seminário Acessibilidade no Cotidiano. Versão em CD. Rio de Janeiro, 2004. FOUCAULT, M. A constituição histórica da doença mental. In: . Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Sexta. v.11, 2000 [1972]. p. 75-86. . A História da Loucura: na idade clássica. São Paulo: Perspectiva, 2005 [1961]. FRAYZE-PEREIRA, J. A. . O que é Loucura (10a.ed. ... ). 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985. GAMBOIAS, Hugo Filipe D. Arquitectura com sentidos : os sentidos como modo de viver a arquitectura. 15/10/2013. Dissertação. Universidade de Coimbra, 2013. HALL, Edward T. A dimensão oculta. São Paulo: Martins Fontes, 2005. OLIVER, Michael. The politics of disablement. London: MacMillan, 1990. 260p. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. OMS. The World Bank. Relatório Mundial sobre a Deficiência. Trad Lexicus Serviços Linguísticos – São Paulo. SEDPcD: São Paulo, 2012, 312 p. PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: a arquitetura e os sentidos. Porto Alegre: Bookman, 201 SASSAKI, R. K. Atualizações semânticas na inclusão de pessoas: Deficiência mental ou intelectual? Doença ou Transtorno Mental? Revista Nacional de Reabilitação, ano IX, n. 43, mar./abr. 2005, p.9-10. Disponível em: http://www.ppd.caop.mp.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=343. . Como chamar as pessoas que têm deficiência? Revista da Sociedade Brasileira de Ostomizados, ano I, n. 1, 1° sem. 2003, p.8-1 [Texto atualizado em 2009]. . Vida Independente: história, movimento, liderança, conceito, filosofia e fundamentos. São Paulo: RNR, 2003. SILVA, Maria Isabel da. Por que a terminologia “pessoas com deficiência”?. Universidade Federal Fluminense. Núcleo de Acessibilidade e Inclusão Sensibiliza – UFF, 2009. Disponível em: . Acesso em 23.12009. UNION OF THE PHYSICALLY IMPAIRED AGAINST SEGREGATION (UPIAS). Fundamental Principles of Disability. London: Union of the Physically Impaired Against Segregation, 1976. Vol. VII, núm. 146(030), 1 de agosto de 2003.
Como citar:

SALES, Fernanda Rocha; "PARQUE DOS SENTIDOS", p. 1150-1161 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/eneac2018-091

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações