Dezembro 2020 vol. 6 num. 2 - I Encontro Nacional de Biodireito

Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

O BEBÊ MEDICAMENTO: ASPECTOS E DISCUSSÕES NO ORDENAMENTO BRASILEIRO

SAVIOUR SIBLING: ASPECTS AND DISCUSSIONS IN THE BRASILIAN LAW

RAMOS, Gustavo da Silva;

Artigo:

O objetivo do presente artigo é abrir discussões acerca do uso do “bebê medicamento” para tratar um filho que padece de doença grave. Muitas gerar um filho que seja geneticamente compatível com o irmão através do diagnóstico genético pré-implantcional pode ser a única salvação desse filho. Porém, a técnica levanta uma série de questionamentos, como a instrumentalização da vida e o melhor interesse do menor. Será que vale à pena se utilizar dessa meio para salvar uma vida? Quais seriam os limites de seu uso? Esses são levantamentos que este texto busca trabalhar.

Artigo:

The purpose of this paper is to open discussions about the use of savior siblings to treat a child with sirious illness. Often, having a child who is genetically compatible with his sibling through preimplantation genetic diagnosis may be their only salvation. However, the technique raises a number of questions, such as the instrumentalization of life and the best interest of the minor. Is it worthwhile to use this means to save a life? What would be the limits of its use? These are surveys that this text seeks to work on.

Palavras-chave: Bebê medicamento. Bioética. Dignidade da pessoa humana,

Palavras-chave: Saviour sibling. Bioethics. Dignity of human person planning,

DOI: 10.5151/ienbio-2019-ENBIO-GT-04

Referências bibliográficas
  • [1] ALMEIDA JUNIOR, Vitor de Azevedo. Parentalidade tardia e reprodução assistida: os limites do direito ao planejamento familiar no ordenamento jurídico brasileiro. In Revista de Direito Privado: RDPriv, v. 14, n. 54, p. 279-314, abr./jun. 2013.
  • [2] BARBOZA, Heloisa Helena. Reprodução assistida; questões em aberto. In 10 anos de vigência do Código Civil brasileiro de 200 Estudos em homenagem ao professor Carlos Alberto Dabus Maluf. Christiano Casetari, coord. São Paulo: Saraiva, 2013.
  • [3] BIAZOTTI, Maria Cristina Santoro. Diagnóstico genético pré-implantacional na fibrose cística: relato de caso. São Paulo, 2015.
  • [4] CORRÊA, Marilena Villela. Novas Tecnologias Reprodutivas: limites da biologia ou biologia sem limites? Rio de Janeiro: Eduerj, 2001.
  • [5] DINIZ, Debora. Autonomia reprodutiva: um estudo de caso sobre a surdez. Cadernos de Saúde Pública (FIOCRUZ), Rio de Janeiro, v. 19, n.1, p. 175-181, 2003.
  • [6] FÉO, Christina de Oliveira. A seleção de embriões e problemas éticos. In: Arthur Magno e Silva Guerra. (Org.). Biodireito e Bioética: uma introdução crítica. Rio de Janeiro: América Jurídica, 2005.
  • [7] KONDER, Carlos Nelson. Autonomia reprodutiva e novas tecnologias no ordenamento brasileiro: violações e ameaças ao direito a gerar e a não gerar filhos. Rio de Janeiro, 2016.
  • [8] LÔBO, Paulo. Princípio da solidariedade familiar. In: Rodrigo da Cunha Pereira. (Org.). Família e solidariedade. 1ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008, v. 1, p. 1-17.
  • [9] LOPES, C. A. C.; PAULICHI, Jaqueline da Silva. Responsabilidade civil oriunda da reprodução humana assistida heteróloga. Direito, Constituição e Cidadania: contribuições para os objetivos de desenvolvimento do Milênio. 1ed. ARACAJU/SE: CONPEDI, 2016, v., p. 518-548.
  • [10] MORAIS, L. C. C. ; RAMOS, A. V. G. F. F. . Os Limites da Luta para Salvar um Filho: Questionamentos acerca dos Saviour Siblings. In: XXI Encontro Nacional do CONPEDI, 2012, Uberlândia. Anais do XXI Encontro Nacional do CONPEDI. Florianópolis: Fundação Boiteaux, 2012. Disponível em Acesso em 19 de agosto 2019.
  • [11] OLIVEIRA, Fátima. Bioética – uma face de cidadania. 2. ed. São Paulo: Moderna, 1997.
  • [12] OLIVEIRA, Simone Born de. Da bioética ao biodireito: manipulação genética e dignidade humana. 4ed. Curitiba: Juruá editora, 2005, v. 1, p. 1-225.
  • [13] RAMÍREZ-GÁLVEZ, Martha. Novas Tecnologias Reprodutivas Conceptivas: Fabricando a vida, fabricando o futuro. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2003. Disponível em Acesso em 19 de agosto 2019.
  • [14] POMPEU, Tainã Naiara; e VERZELETTI, Franciele Bona. Diagnóstico genético pré-implantacional e sua aplicação na reprodução humana assistida. Unibrasil, Curitiba, 2015.
  • [15] SCHETTINI, Beatriz. Planejamento familiar e a gestação de substituição: os limites ao exercício do direito de procriação. In: Walsir Edson Rodrigues. (Org.). Direito das Famílias: novas tendências. 1ed.Belo Horizonte: D'Plácido editora, 2015, v. 1, p. 09-221.
  • [16] SCHREIBER, Anderson. Manual de Direito Civil Contemporâneo. 2. ed. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.
  • [17] WILKINSON, S. and SHELDON, S. (2004). Should selecting saviour siblings be banned? Journal of Medical Ethics, 30 533-537” Disponível em Acesso em 30 de junho 2019.
Como citar:

RAMOS, Gustavo da Silva; "O BEBÊ MEDICAMENTO: ASPECTOS E DISCUSSÕES NO ORDENAMENTO BRASILEIRO", p. 50-65 . In: Anais do I Encontro Nacional de Biodireito: biotecnologia e relações familiares. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2359-2990, DOI 10.5151/ienbio-2019-ENBIO-GT-04

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações