outubro 2019 vol. 6 num. 3 - 7º Simpósio Design Sustentável

Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

LUGAR CASA: espaço emocionalmente sustentável

Mourão, Nadja Maria; Oliveira, Ana Célia Carneiro; Engler, Rita de Castro;

Artigo completo:

O ser humano carrega suas experiências em ações individuais ou coletivas. A casa, lugar de vivência, ajuda a construir narrativa a respeito da trajetória de vida. O design afetivo apresenta-se como uma vertente metodológica explorada e que permite muitas possibilidades. Nesse contexto, o design afetivo se apresenta como uma vertente metodológica recentemente explorada e que permite possibilidades significativas. A proposta de investigação sobre a casa, tem como objetivo refletir sobre o significado afetivo daquilo que se denomina lar. Busca-se analisar a abrangência de pesquisa no campo de ação do design afetivo e sua função social. Realiza-se um estudo sobre a sustentabilidade ambiental e social (sustentabilidade afetiva), a partir dos conceitos da economia circular no ambiente residencial. Os bens materiais conservados em estrutura familiar por gerações seguem as diretrizes para a economia circular e podem ser considerados espelhos de experiências da passagem do tempo. A metodologia é realizada pela pesquisa bibliográfica de contextos temáticos e contemporâneos de sustentabilidade dentro da dimensão do design circular, do design afetivo, da sustentabilidade afetiva e da preservação da memória relacionada a casa. Desta forma, são investigados as denominações e o contexto das residências e suas relações com a sustentabilidade. Em análise sobre os espaços habitacionais, verificou-se que os ambientes residenciais ecléticos se popularizam. O que contribui para a sustentabilidade ambiental e social, considerando os objetos e os ambientes das casas, pelo incentivo do Design Circular, em Cradle to Cradle. Assim, a sustentabilidade afetiva também é uma área em desenvolvimento, utilizada por designers que seguem conceitos de responsabilidade social. As relações da memória familiar contribuem para preservação dos valores materiais e emocionais. No ambiente da casa, os significados se modificam conforme o contexto cultural.

Artigo completo:

Palavras-chave: Espaço casa; design afetivo; sustentabilidade afetiva; felicidade; memória,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/7dsd-3.1.046

Referências bibliográficas
  • [1] BIEDERMANN, H. Dicionário Ilustrado de Símbolos. São Paulo: Melhoramentos, 1993.
  • [2] BISTAGNINO, L. Design sistêmico. Progettare la sostenibilità produttiva e ambientale, Turim: Slow Food, 2009.
  • [3] BORJESSON, K. Affective Sustainability. Is this what timelessness really means? In:/8Undisciplined! Design Research Society Conference 2008. Sheffield Hallan Univesity Research Archive (SHURA), Julho/2008
  • [4] BOSI, E. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Tao, 2003.
  • [5] BRANDÃO, V.M.A.T. Os Fios da memória na trama da cultura. Revista Kairós Gerontologia, Ano 2, n.2. São Paulo: EDUC/PUC-SP.CANTELLI, Ana Paula, 1990.
  • [6] BRAUNGART, M.; MULHALL, D.; GEJER, L.; TENNENBAUM, C. Do Berço ao Berço e a lógica de produzir com foco na reutilização. Ideia circular.com. (https://www.ideiacircular.com/do-bercoao-berco-e-a-logica-de-produzir-com-foco-na-reutilizacao/)
  • [7] BRAUNGART, Michael; MCDONOUGH, William. Cradle to Cradle: criar e reciclar ilimitadamente. (Trad.) BONALDO, F. Rio de Janeiro: Editora GG BR - Gustavo Gili, 2013.
  • [8] CLICRBS.COM.BR. (http://wp.clicrbs.com.br/memoria/tag/imigracao-italiana/?topo=35,1,1,,,35).
  • [9] CLONINGER, C.R. The science of well-being: an integrated approach to mental health and its disorders. World Psychiatry 5, p. 71-76, 2006.
  • [10] CSIKSZENTMIHALYI, M; ROCHBERG-HALTON, E. The meaning of things: Domestic Symbols and the self. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.
  • [11] DAMAZIO, V. Artefatos de memória da vida cotidiana: um olhar interdisciplinar sobre as coisas que fazem bem lembrar. 2005. 285f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.
  • [12] DESMET, P. M. A.; POHLMEYER, A. E. Positive Design: An Introduction to Design for Subjective Well-Being. Internacional Jornal of Design Vol. 7 No. 3, 2013.
  • [13] ECLETISMO. In: Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileira. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Enciclopediaitaucultural.com. (http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo357/ecletismo)
  • [14] FABRIS, A. Arquitetura eclética no Brasil: o cenário da modernização. In: Anais do Museu Paulista Nova Série, 1993. (http://www.scielo.br/pdf/anaismp/v1n1/a11v1n1.pdf).
  • [15] FERRAZ, R. B. et al. Felicidade: uma revisão. Revista Psiquiatria Clínica. v. 34, nº5, p.234-242, 2007.
  • [16] FREIRE, K. Reflexões sobre o conceito de design de experiências. Reflections upon the experience design concept. Strategic Design Research Journal, 2009.
  • [17] GEERTZ, Cl. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro, RJ: LCT, 1989. Gerontologia, 2. São Paulo: EDUC/NEPE-PUC-SP, 1990.
  • [18] GEJER, L.; TENNENBAUM, C. Os 3 princípios do design circular Cradle to Cradle. São Paulo: Ideia Circular, 2017. (https://www.ideiacircular.com/casa-circular-mostra-na-pratica-o-que-e-umedificio- circular/)
  • [19] GONÇALVES, T. M. Cidade e Poética: um estudo de psicologia ambiental sobre o ambiente urbano. Ijuí: Unijuí. 2007.
  • [20] GRUBITS, S. A Casa: Cultura E Sociedade Na Expressão Do Desenho Infantil. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 8, num. esp., p. 97-105, 2003.
  • [21] GRUMAN, M. Caminhos da cidadania cultural: o ensino de artes no Brasil. Educar em Revista, Curitiba: Editora UFPR, n. 45, p. 199-211, jul/set. 2012.
  • [22] HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad.Tomaz Tadeu Silva. 11ª ed. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2006.
  • [23] KANDISNSKY. Olhar sobre o passado. São Paulo: Ed. Martins. 1991.
  • [24] KASHDAN, Todd B.; BISWAS-DIENER, Robert. A força boa do lado obscuro. 1ª Edição, Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2016.
  • [25] LEENHARDT, J. Teoria e Prática do Patrimônio. In: LEENHARDT, J.; SANTOS, N. M. W.; BERND, Z. (Orgs.). Bens Culturais: temas contemporâneos. Porto Alegre: Movimento, 2011. v. 43.
  • [26] LOWENTHAL, D. Como conhecemos o passado. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, v. 17, p. 63-201, nov./1998.
  • [27] MATHEWS, G. Cultural global e identidade visual: à procura de um lar no supermercado cultural; trad. Mário Mascherpe. Bauru, SP: EDUSC, 2002.
  • [28] MORGADO, A. C. As múltiplas concepções da cultura. In: Revista Múltiplos Olhares em Ciência da Informação. Nº 4, v.1, mar. 2014.
  • [29] MUNCK, L. ; SOUZA, R. B. O Ecletismo do Paradigma da Sustentabilidade: construção e análise a partir dos estudos organizacionais Revista de Ciências da Administração, v. 13, n. 29, p. 202-242, jan./abr. 2011.
  • [30] MUSSI, L. H.; CÔRTE, B. O significado “afetivo” daquilo que chamamos “casa”: uma reflexão através do cinema. In: Caderno Temático Kairós Gerontologia. Nº 8 , São Paulo, nov/ 2010.
  • [31] OLIVEIRA, A. C. C.; MOURÃO, N. M. Memória Coletiva e Objetos Biográficos: estudo dos oratórios em Minas Gerais/Brasil do período colonial. In: Anais do II Seminário Latino-Americano de Estudos em Cultura - SEMLACult. Foz do Iguaçu: UNILA, set. 2018.
  • [32] PNUD-PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Relatório do desenvolvimento humano, ONU, 1994.
  • [33] RAPOPORT, A. Vivienda y cultura. Barcelona: Gustavo Gilli, 1972.
  • [34] ROYER, J. Le Dessin d’une Maison: image de l’adaptation sociale de l’enfant. Paris: EAP Editions, 1989.
  • [35] RYBCZYNSKI, W. Casa: pequena história de uma ideia. Rio de Janeiro: Record, 2002.
  • [36] SACHS, I. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.
  • [37] TREINTA, F. T.; FARIAS FILHO, J. R.; SANT’ANNAC, A. P; RABELO, L. M. Metodologia de pesquisa bibliográfica com a utilização de método multicritério de apoio à decisão. Revista Produção. São Paulo, v.24, n.3, p.508-520, jul/set, 2014.
  • [38] VALLEJO, César. Obra Poética Completa. Havana, Cuba: Casa das Américas, 1975.
Como citar:

Mourão, Nadja Maria; Oliveira, Ana Célia Carneiro; Engler, Rita de Castro; "LUGAR CASA: espaço emocionalmente sustentável", p. 504-514 . In: . São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/7dsd-3.1.046

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações