Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

LINGUAGEM E ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO EM WEBSITES PARA SURDOS

LANGUAGE AND INFORMATION ARCHITECTURE IN WEBSITES FOR DEAF

Flor, Carla da Silva; Vanzin, Tarcísio; , ;

Artigo Completo:

Este artigo apresenta a primeira etapa de uma pesquisa que buscou criar recomendações para a criação de sites acessíveis a surdos. Sabe-se que o público surdo pré-linguístico, ou seja, aquele que se tornou surdo antes da aquisição da linguagem, tem dificuldades com o português, inclusive escrito, devido à falta do feedback auditivo. Em decorrência disso, no Brasil os surdos utilizam uma língua própria, a Língua Brasileira de Sinais (Libras). O intuito desta primeira fase da pesquisa foi justamente entrevistar tradutores/intérpretes de português/Libras para verificar como deve ser esse processo tradutório nos websites. Como resultado, obteve-se uma série de relatos que podem ser observados na construção de websites futuros.

Artigo Completo:

This article represents the first stage of a research which aimed to create recommendations for the creation of web sites accessible to deaf. It is known that the pre-linguistic deaf public, in other words, those who became deaf before language acquisition, have difficulty with Portuguese, including the written form, due to the lack of auditory feedback. Because of that, in Brazil, deaf use their own language, the Brazilian Sign Language (Libras). The purpose of the first stage of the research was exactly to interview Portuguese/Libras translators/interpreters to check on how the website translation process must be. Thus, a range of reports, which can be observed on the construction of future websites, were obtained.

Palavras-chave: Surdez, websites, navegação,

Palavras-chave: Deaf, websites, browsing,

DOI: 10.5151/16ergodesign-0058

Referências bibliográficas
  • [1] BASTIEN; SCAPIN. Critérios Ergonômicos para Avaliação de Interfaces Homem-Computador. 1993. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2016.
  • [2] BIDARRA, J.; MARTINS, T. O problema da ambiguidade lexical para a interpretação envolvendo a
  • [3] BRASIL. Decreto no 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Lex: Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos.
  • [4] BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Justiça. A classificação indicativa na língua brasileira de sinais. Brasília: SNJ, 2009. 36 p.
  • [5] CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.; MAURICIO, C. Novo deit-libras: dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da língua de sinais brasileira, baseado em linguística e neurociências cognitivas. São Paulo: EDUSP, 2009. 2v.
  • [6] DEBEVC, M.; KOSEC, P.; HOLZINGER, A. E-learning accessibility for the deaf and hard of hearing: practical examples and experiences. In: LEITNER, G; HITZ, M.; HOLZINGER, A. (Org.). HCI in Work and Learning, Life and Leisure. Berlin: Springer-verlag Berlin Heidelberg, 2010. v. 6389. p. 203-213.
  • [7] DEBEVC, M.; KOSEC, P.; HOLZINGER, A. Improving multimodal web accessibility for deaf people: sign language interpreter module. Multimedia Tools And Applications, Estados Unidos, v. 54, p.181-199, ago. 2011.
  • [8] DIAS, A. R. O conhecimento da marca nas organizações: modelo de aplicação da linguagem publicitária na intranet - PUBLIMARCA. 2014. 195 p. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.
  • [9] FAJARDO, I.; ABASCAL, J.; CAÑAS, J. J. Bridging the Digital Divide for deaf signer users. In:
  • [10] EUROPEAN CONFERENCE ON COGNITIVE ERGONOMICS: THE ERGONOMICS OF COOL INTERACTION, 15., 2008, Funchal. Proceedings… Nova York: ACM, 2008. p. 1-6.
  • [11] FAJARDO, I.; ABASCAL, J.; CAÑAS, J. J. The role of working memory and long term memory in deaf users’ hypertext navigation: review of guidelines for web accessibility. In: STARY, C.; STEPHANIDIS, C. User-Centered Interaction Paradigms for Universal Access in the Information Society. 8th ERCIM Workshop on User Interfaces for All. Viena, 2004, v. 3196, p. 320-325.
  • [12] FAJARDO, I., et al. Hyperlink format, categorization abilities and memory span as contributors to deaf users hypertext access. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, Estados Unidos: Oxford University Press, v. 13, n. 2, p. 241-256. 2008.
  • [13] FAJARDO, I.; PARRA, E.; CAÑAS, J. J. Do sign language videos improve web navigation for deaf signer users? Journal of Deaf Studies and Deaf Education, v. 15, n. 3, p. 242-262, mar. 2010.
  • [14] FLOR, C. S. Recomendações para a criação de pistas proximais de navegação em websites voltadas para surdos pré-linguísticos. 2016. 336 p. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.
  • [15] FLOR, C. S.; VANZIN, T.; ULBRICHT, V. Recomendações da WCAG 2.0 (2008) e a acessibilidade de surdos em conteúdos da web. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 19, n. 2, p. 161-168, abr./jun. 2013.
  • [16] GONDIM, S. M. G.; FICHER, T. O discurso, a análise de discurso e a metodologia do discurso do sujeito coletivo na gestão intercultural. Cadernos Gestão Social, Salvador, v. 2, n. 1, p.09‐26, set./dez. 2009.
  • [17] INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA. Site do Câmpus Palhoça Bilíngue. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.
  • [18] JAKOBSON, R. Linguística e Poética. In: JAKOBSON, R. Linguística e comunicação.Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1987.
  • [19] MARTINS, T. A. Um estudo descritivo sobre as manifestações de ambiguidade lexical em libras. 2013. 159 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2013.
  • [20] NASCIMENTO, S. P. F.; NASCIMENTO, C. B. Introdução aos estudos linguísticos: língua de sinais brasileira e língua portuguesa em foco. Florianópolis: UFSC, 2010. 68 p.
  • [21] NORMAN, D. A. O design do dia-a-dia. Rio de Janeiro: Rocco, 2006. 271 p.
  • [22] OTTAVIANO, S., et al. The deaf and online comprehension texts, how can technology help? In: MIESENBERGER et al. Computers Helping People with Special Needs. Austria: Springer-Verlag Berlin Heidelberg , 2010. v. 6180, p. 144-151.
  • [23] PEREIRA, M. C. C. Leitura, escrita e surdez, 2. ed. São Paulo: FDE, 2009. 104 p.
  • [24] PERLIN, G. T. T. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2012. p. 51-73.
  • [25] PERLIN, G. T. T.; STROBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis: UFSC. 2006.
  • [26] PREVENÇÃO DOS PROBLEMAS RELACIONADOS AO USO DE DROGAS. Site do Programa de Prevenção dos Problemas Relacionados ao Uso de Drogas. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.
  • [27] QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.
  • [28] QUEVEDO, S. R. P. Narrativas hipermidiáticas para ambiente virtual de aprendizagem inclusivo. 2013. 379 f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.
  • [29] ROSA, K. A. V.; BIDARRA, J. Português versus libras: os problemas de tradução e interpretação. In: ENCONTRO DO CELSUL, 10., 2012, Cascavel. Anais... Cascavel: UNIOESTE, 2012. p. 1-12.
  • [30] ROSA, K. A. V. O impacto da ocorrência de palavras ambíguas em português no processo tradutório para libras via glosas: o caso da palavra “estado”. 2014. 112 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014.
  • [31] UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Site do curso de Letras Libras. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2015.
  • [32] VESTEGAARD, T.; SCHRODER, K. A linguagem da propaganda, 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 274 p.
Como citar:

Flor, Carla da Silva; Vanzin, Tarcísio; , ; "LINGUAGEM E ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO EM WEBSITES PARA SURDOS", p. 580-594 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/16ergodesign-0058

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações