Outubro 2019 vol. 6 num. 3 - 7º Simpósio Design Sustentável

Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

Da crise do projeto ao co-design na cidade: a pluriversidade como sustentabilidade?

Szaniecki, Barbara; Costard, Mariana;

Artigo completo:

Este artigo investiga as contribuições do design para a construção de cidades mais democráticas e sustentáveis a partir de uma abordagem interdisciplinar com a antropologia e uma prática colaborativa, reflexiva e crítica. Para tanto, partimos da crise de um projeto de cidade moderno ligado ao desenvolvimento do capitalismo, que gerou um espaço caracterizado pela concentração de pobreza e exclusão social, através da exploração insustentável do território e seus recursos. Apoiamos a necessidade de uma transformação da lógica hegemônica dualista e monocultural de ver mundo que permita “reativar” o pensamento através dos diferentes saberes e modos de vida. Trazemos essa discussão para o campo de teoria e prática do design na cidade, posicionando o designer como co-pesquisador e co-criador junto a projetos comunitários e cidadãos, abrindo espaço para as diferenças, o dissenso e a democracia a partir da relação com o outro e do uso de ferramentas visuais e dispositivos de conversa como métodos de um design político. Alinhada a uma “reorientação ontológica do design”, entendemos que a sustentabilidade das cidades está necessariamente ligada à realização plena de sua pluriversidade.

Artigo completo:

Palavras-chave: Codesign, design anthropology, cidades sustentáveis, pluriversidade,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/7dsd-2.1.026

Referências bibliográficas
  • [1] ACOSTA, Alberto. O bem Viver – Uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Elefante, 2016.
  • [2] ANASTASSAKIS, Zoy. Laboratório de Design e Antropologia: preâmbulos teóricos e práticos. In: Arcos Design. Rio de Janeiro: PPD ESDI UERJ. Volume 7 Número 1. pp. 178-193. Junho, 2013.
  • [3] ANASTASSAKIS, Zoy; SZANIECKI, Barbara. Conversation Dispositifs: Towards a Transdisciplinary Design Anthropological Approach in Design Anthropological Futures edited by Rachel Charlotte Smith, Kasper Tang Vangkilde, Ton Otto, Joachim Halse, and Thomas Binder. New York, London: Bloomsbury, 2016.
  • [4] BINDER, Thomas, et al. Design Things. The MIT Press, 2011.
  • [5] BINDER, Thomas, et al. Democratic design experiments: between parliament and laboratory. CoDesign 11.3-4: 152-165, 201
  • [6] BJÖGVINSSON, Erling; EHN, Pelle; HILLGREN, Per-Anders. Design things and design thinking: Contemporary participatory design challenges. Design Issues 28.3: 101-116, 2012.
  • [7] DISALVO, Carl. Design and the Construction of Publics. Design issues 25.1 : 48-63, 2009.
  • [8] DISALVO, Carl. Design, democracy and agonistic pluralism. Proceedings of the design research society conference. 2010.
  • [9] ESCOBAR, Arturo. Autonomia y diseño – la realización Del comunal. Buenos Aires: Tinta Limon, 2017.
  • [10] EHN, Pelle; Ehn, P., Nilsson, E. M., Topgaard. Making futures: marginal notes on innovation, design, and democracy. MIT Press, 2014.
  • [11] GATT, Caroline; INGOLD, Tim. From description to Correspondence: Anthropology in Real Time. In: Design Anthropology: Theorie and Practice. Ed: Gunn, Wendy; Otto, Ton; Smith, Rachel. p. 175-198. Bloosmbury, 2013.
  • [12] GUNN, Wendy; OTTO, Ton; SMITH, Rachel Charlotte (Ed.). Design anthropology: theory and practice. A&C Black, 2013.
  • [13] HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.
  • [14] INGOLD, Tim. Making: Anthropology, Archaeology, Art and Architecture. Abingdon: Routledge, 2013.
  • [15] INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes Limitada, 20
  • [16] INGOLD, Tim. Chega de etnografia! A educação da atenção como propósito da antropologia. Revista Educação. Porto Alegre, v. 39, n. 3, p. 404-411, set.-dez. 20
  • [17] INGOLD, Tim. Anthropology and/as Education. Routledge, 20
  • [18] JACOBS, Jane. Morte e vida de grandes cidades. Martins Fontes, 2000.
  • [19] LATOUR, Bruno. From realpolitik to dingpolitik. Making things public: Atmospheres of democracy: 14- 44, 2005.
  • [20] LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos), [1974] 2000.
  • [21] LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. Centauro Editora, 2008.
  • [22] MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais 17.49: 11-29, 2002.
  • [23] MANZINI, Ezio. Design when everybody designs – an introduction to design for social innovation. Cambridge (Massachusetts) and London : MIT Press, 2015.
  • [24] STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo, in Caderno de leituras n.62. Tradução Jamille Pinheiro Dias. Chão da Feira, [2012] 2017.
  • [25] TUNSTALL, Elizabeth. Decolonizing design innovation: design anthropology, critical anthropology, and indigenous knowledge. In: Design anthropology: theory and practice, p. 232-250, 2013.
  • [26] VAINER, Carlos. Pátria, empresa e mercadoria - Notas sobre a estratégia discursiva do Planejamento Estratégico Urbano. In A Cidade do Pensamento Único. Editora Vozes, 2000.
  • [27] VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Mana 8.1: 113-148, 2002.
Como citar:

Szaniecki, Barbara; Costard, Mariana; "Da crise do projeto ao co-design na cidade: a pluriversidade como sustentabilidade?", p. 279-293 . In: . São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/7dsd-2.1.026

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações