Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FISÍCO-QUÍMICAS DE LINGUIÇA FRESCAL SUÍNA TIPO CAIPIRA COM ADIÇÃO DE HORTELÃ DESIDRATADA

SOUZA, A. C.; MOURA, A. G. S.; LIMA, M.;

Artigo Completo:

O objetivo do trabalho foi avaliar a influência da hortelã desidratada nas propriedades físico-químicas na linguiça frescal suína tipo caipira armazenada a 4 °C, durante 10 dias. Para isso foram elaboradas três formulações de linguiça suína: (1) controle - alho e sal na formulação, (2) adição de hortelã desidratada e (3) adição de hortelã e sal de cura comercial. Determinaram-se pH, umidade, cinzas, proteína, lipídios e perda de água por cocção. Os dados obtidos através da caracterização físico-química durante o armazenamento foram submetidos à análise de variância e comparação de médias através do Teste T. Os resultados dos parâmetros físico-químicos como lipídios, proteínas e umidade atenderam aos limites previstos pela Legislação Brasileira e não apresentaram diferença significativa entre as formulações testadas (p>0,05). A presença de hortelã e dos sais de cura exerceram alterações significativas no pH e cinzas das linguiças elaboradas. Durante o armazenamento, observou-se que a formulação (3) demonstrou menos alterações nas suas propriedades físico-químicas durante o período de armazenamento, o que evidencia a importância de se utilizar conservantes para a comercialização deste produto cárneo na forma refrigerada.

Artigo Completo:

Palavras-chave: hortelã,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeqic2017-326

Referências bibliográficas
  • [1] AMSA (1995). Research guideliner for cookery, sensory evaluation and instrumental tenderness measurements of fresh meat. National Live-stock and Meat Bard, Chicago.
  • [2] BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Regulamento da Inspeção. Instrução Normativa nº 4, de 31 de março de 2000. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de lingüiça. Anexo III - Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Linguiça. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 05 abr. 2000.
  • [3] INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4. ed. São Paulo, 2009.
  • [4] MANTOVANI, D.; CORAZZA, M. L.; CARDOZO FILHO, L.; COSTA, S. C. Avaliação higiênico-sanitária de linguiças tipo frescal após inspeção sanitária realizada por órgãos federal, estadual e municipal na região noroeste do Paraná. Revista Saúde e Pesquisa, v.4, n.3, p.357-362, 2011.
  • [5] MARTINS, R. Dossiê Técnico. Produção de linguiça frescal. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: http://www.sbrt.ibict.br/dossie-tecnico/downloadsDT/MTQy Acesso em: 27 de mar. 2017.
  • [6] MASSAGUER, P. Microbiologia dos processos alimentares. São Paulo: Varela, 2005.
  • [7] MILANI, L. I. G.; FRIES, L. L. M; PAZ, P. B.; BELLÉ, M.; TERRA, N. N. Bioproteção de linguiça de frango. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.23, n.2, p.161-166, 2003.
  • [8] POPPER, I.; CARLOS, M.A.; FIGUEIREDO, B.; GARCIA, S.; PINTO, M.P.; SILVA, A.C.; SOUSA, I.F.; PRIMO, C.B.B.; BORGES, R. Avaliação da formulação de linguiças tipo frescal coletadas no município de Londrina, quanto aos teores de gordura, proteína e água. Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 2000, Fortaleza. Anais: Ceará, 2000.
  • [9] PUSHPANGADAN, P.; TEWARI, S. K.. Peppermint. India. In: PETER, K. V. (Comp.). Handbook of herbs and spices. Boca Raton, Fla.; Cambridge, England: CRC: Woodhead Pub. nv. (Woodhead Publishing in food science and technology). Cap. 28. vol. 3.p. 460-481, 2006.
  • [10] SILVA, F. G. S.; LEÃO, K. M.; BARROS, J. C.; SILVA, B; GIOVANNINI, C. I.; SILVA, M. A. P. Composição centesimal e aceitabilidade de linguiça frescal de carne caprina. In: Congresso de Pesquisa e Pós-Graduação do Campus Rio Verde do IF Goiano. 06 e 07 de novembro de 2012.
Como citar:

SOUZA, A. C.; MOURA, A. G. S.; LIMA, M.; "AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES FISÍCO-QUÍMICAS DE LINGUIÇA FRESCAL SUÍNA TIPO CAIPIRA COM ADIÇÃO DE HORTELÃ DESIDRATADA", p. 1850-1855 . In: Anais do XII Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Científica [=Blucher Chemical Engineering Proceedings, v. 1, n.4]. ISSN Impresso: 2446-8711. São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeqic2017-326

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações