Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

ACESSIBILIDADE EM PLAYGROUNDS DE ESCOLAS DE ENSINO INFANTIL: UM ESTUDO PAUTADO EM CONCEITOS DE AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO

BORMIO, Mariana Falcão; MAGAGNIN, Renata Cardoso;

Artigo completo:

A criatividade da criança a permite se apropriar de todos os espaços para brincar, sendo os playgrounds os preferidos. Considerando a importância destes no desenvolvimento infantil, em especial no processo de ensino – aprendizagem no ambiente escolar, foi definido o objetivo da pesquisa, cujas primeiras etapas são relatadas neste trabalho, que é desenvolver uma Avaliação Pós-Ocupação de playgrounds de escolas de ensino infantil, de maneira a caracterizar como estão sendo projetados, implantados e utilizados, enquanto aspectos de acessibilidade motora. Como metodologia foram adotados abordagens conceitos de Checklist para avaliação da acessibilidade espacial, Análise do deslocamento linear e utilização dos espaços, Walkthrough e Mapa comportamental.

Artigo completo:

Palavras-chave: playground, ensino infantil; Avaliação Pós-ocupação e ambiente construído.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/eneac2018-098

Referências bibliográficas
  • [1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 3° ed. Rio de Janeiro, 2015. 148 p.. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14350: Segurança de brinquedos de playground. Parte 1: Requisitos e Métodos de Ensaio. Rio de Janeiro: ABNT, 1999. BRASIL. Constituição Federal. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal. 1998. . Decreto Lei 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal. 2004. . Lei 10.048, de 8 de novembro de 2000. Dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal. 2000a. . Lei 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília: Senado Federal. 2000b. . Lei Federal 12.796/2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Ministério da Educação. 2013. . Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação especial. Subsídios para organização e funcionamento de serviços de educação especial: área de deficiência visual. Série Diretrizes 8. Brasília: MEC-SEESP, 1995. 58 p. . Ministério da Educação. Atendimento Educacional Especializado em Deficiência Visual: Deficiência Visual. SÁ, Elizabet Dias de; CAMPOS, Izilda Maria de; SILVA, Myrian Beatriz Campolina. Brasília: Secretaria de Educação Especial. 2007. . Ministério da Educação. Espaços educativos. Ensino fundamental. Subsídios para elaboração de projetos e Adequação de edificações escolares. Elaboração Rogério Vieira Cortez e Mário Braga Silva. Coordenação-geral José Maria de Araújo Souza. FUNDESCOLA/ MEC. Brasília. 2002. . Ministério da Educação. Lei Federal 9.394, de 20 de Dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996. . Ministério da Educação. Programa de Capacitação de Recursos Humanos do Ensino Fundamental: Deficiência Visual. BRUNO, Marilda M. Garcia; MOTA, Maria Glória B. da. Brasília: Secretaria de Educação. 200 . Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros básicos de infraestrutura para instituições de educação infantil. Brasília: MEC, SEB, 2006. . Ministério da Educação: Deficiência Visual. Cadernos da TV Escola: GIL, Marta (org.) - Brasília: Secretaria de Educação a Distância. 2000. . Ministério das Cidades. Brasil Acessível. Programa brasileiro de acessibilidade urbana. Cadernos 1, 2, 3, 4, 5 e 6. Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. Brasília. 2007. CARVALHO, Telma Cristina Pichioli de. Arquitetura escolar inclusiva: construindo espaços para educação infantil. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Universidade de São Paulo. EESC/USP. São Carlos. 2008. DAISH , John; GRAY, John; Gray; KERNOHAN, David; SALMOND,Anne. Post occupancy evaluation in New Zealand. In: Design Studies VOLUME 3, ISSUE 2, APRIL 1982, PAGES 77-83. DISPONÍVEL: HTTP://WWW.SCIENCEDIRECT.COM/SCIENCE/ARTICLE/PII/0142694X82900527. ACESSO: 28 DE ABR DE 2017. DIAS, Edmilson Queiroz. Acessibilidade espacial e inclusão em Escolas Municipais de Educação Infantil. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru, 2016. 206 p.. DISCHINGER, M. et al.. Incluir brincando. Inclusão: Revista da Educação Especial. Brasília, volume 4, número 2, p. 38-45, jul./out. 2008. DISCHINGER, Marta; BINS ELY; Vera Helena Moro; BORGES, Monna Michelle Faleiros da Cunha. Manual de acessibilidade espacial para escolas: o direito à escola acessível. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2009 DOEHME. V. D. Atividades lúdicas na educação – o Caminho de tijolos amarelos do aprendizado. Texto integrante dos Anais do XVII Encontro Regional de História – O lugar da História. ANPUH/SPUNICAMP, 2004. Disponível em: http://www.anpuhsp.org.br/sp/downloads/CD%20XVII/ST%20VIII/Vania%20DAngelo%20Do hme.pdf. Acessado 09 de maio de 2017. EVANS, G. W.; MCCOY, J. M.. When buildings don´t work: The role of architecture in human health. In: Journal of Environmental Psychology, 18, 85-94. 1998. ELALI, G. A.. Ambientes para Educação Infantil: um quebra-cabeça? Contribuição Metodológica na avaliação Pós-ocupação de edificações e na elaboração de diretrizes para projetos arquitetônicos na área. 2 v. 2002. 305 f. Tese (Doutorado em Estruturas Ambientais e Urbanas) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. FERRAZ, Vera; FILGUERIAS, Lúcia. A bengala como um instrumento lúdico na orientação e mobilidade do deficiente visual. Disponível em: http://www.deficienciavisual.pt/txt-bengala_instrumento_ludico_OM.htm Acesso em: dezembro/2015. IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção. 2° Ed. Ver.e ampl. São Paulo: Edgard Blü- cher, 2005. KARAGIANNIS, A.. Soft disability in schools: assisting or confining at risk children na youth? In: Journal of Education Thought, Calgary, v.34, n. 2, p. 113 – 134, 2000. LAUFER, Adriana Mariana; PAZMINO, Ana Verônica. Parâmetros de projeto para equipamento lúdico em espaços públicos baseados nos princípios do design universal. In: Cadernos da Escola de Comunicação. v. 1, n. 4 , 2006. Disponível: http://revistas.unibrasil.com.br/cadernoscomunicacao/index.php/comunicacao/article/view/42 . Acesso: 06 de maio de 2017. LOCH, MÁRCIA DO VALLE PEREIRA. Convergência entre Acessibilidade Espacial Escolar, Pedagogia Construtivista e Escola Inclusiva. Doutor em Engenharia de Produção, no Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 21 de junho de 2007. LUCIO, Cristina do Carmo. Análise da acessibilidade e usabilidade de equipamentos médico-hospitalares para pacientes obesos da cidade de Bauru (SP). Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru, 2007. 110p.. MANTOAN, Maria Teresa Eglér (org). O desafio das diferenças nas escolas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. MORAES, Anamaria de; MONT’ALVÃO, Cláudia. Ergonomia: conceitos e aplicações. 4° Edição. Rio de Janeiro: 2AB Editora, 2010. 232p.. MULLER, Marcelle Suzete; ALMEIDA, Eloisa Santa de; TEIXEIRA, Fábio Gonçalves. Design inclusivo: Playground para Todas as Crianças. In: Human Factors in Design, v.3, n.5, p 02 - 27, 2014. Disponível: www.revistas.udesc.br/index.php/hfd/article/download/5072/4127. Acesso: 25 de abr. de 2017. ORNSTEIN, S.. Desempenho do Ambiente Construído, Interdisciplinaridade e Arquitetura. São Paulo: FAUUSP, 1996. ORNSTEIN, SHEILA WALBE. POSTOCCUPANCY EVALUATION PERFORMED IN ELEMENTARY AND HIGH SCHOOLS OF GREATER SÃO PAULO, BRAZIL: THE OCCUPANTS AND THE QUALITY OF THE SCHOOL ENVIRONMENT. IN: ENVIRONMENT AND BEHAVIOR, 1, 1997. DISPONÍVEL: HTTP://JOURNALS.SAGEPUB.COM/DOI/ABS/10.1177/001391659702900205?JOURNALC ODE=EABA. ACESSO: 28 DE ABR DE 2017. ORSNTEIN, S; BRUNA, G.; ROMÉRO, M. Ambiente construído e comportamento: a avaliação pós-ocupação e a qualidade ambiental. São Paulo: Ed. Nobel – FAUUSP, 1995. PIVIK, Jayne Renee. The perspective of children and youth: How different stakeholders identify architectural barriers for inclusion in schools. In: Journal of Environmental Psychology, Volume 30, Issue 4, December 2010, Pages 510–517. Disponível: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0272494410000253. Acesso: 28 de abr de 2017. RABINOWITZ, Harvey Z. Postoccupancy Evaluation. Introduction to Architecture. McGraw-Hill, 1979. REFSHAUGE, Anne Dahl; STIGSDOTTER, Ulrika K.; LAMM, Bettina; THORLEIFSDOTTIR, Kristin. Evidence-Based Playground Design: Lessons Learned from Theory to Practice. In: Journal Landscape Research, vol 40, 2013. Pag. 226 – 246. Disponível: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/01426397.2013.824073?scroll=top&needAccess =true. Acesso 29 de abr de 2017. RHEINGANTZ, Paulo Afonso; AZEVEDO, Giselle Arteiro; BRASILEIRO, Alice; QUEIROZ, Mônica. Observando a qualidade do lugar: procedimentos para a Avaliação Pós- Ocupação. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Pós-Graduação em Arquitetura, 2009. 117 p .. Disponível em: http://www.fau.ufrj.br/prolugar/assets/obs_a_qua_lugar.pdf. Acesso em 25 abr. 2017. VIGOTSKI, L. S.. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes. 1998. UNITED STATES ACCESS BOARD. Accessible Play Areas: a summary of accessibility guidelines for play areas. 2005. Acesso em: 17 dez. 2008. WATSON, Chris Watson; THOMSON, Keith. Bringing Post-Occupancy Evaluation to Schools in Scotland. In: Evaluating Quality in Educational Facilities, 2005. ZHANG, Yufan; BARRET, Peter. Findings from a post‐occupancy evaluation in the UK primary schools sector. In: Facilities, Vol. 28, 2010. Issue: 13/14, pp.641-656, doi: 10.1108/02632771011083685. Disponível: http://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/02632771011083685. Acesso: 28 de abr de 2017.
Como citar:

BORMIO, Mariana Falcão; MAGAGNIN, Renata Cardoso; "ACESSIBILIDADE EM PLAYGROUNDS DE ESCOLAS DE ENSINO INFANTIL: UM ESTUDO PAUTADO EM CONCEITOS DE AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO", p. 1211-1222 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/eneac2018-098

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações