Dezembro 2020 vol. 6 num. 2 - I Encontro Nacional de Biodireito

Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

A EUTANÁSIA SOB A ÉGIDE DA AUTONOMIA DA VONTADE E DA PERSPECTIVA FAMILIAR

EUTHANASIA UNDER THE AEGIS OF THE AUTONOMY OF THE WILL AND FAMILY PERSPECTIVE

SILVA, Manoela Souza;

Artigo:

O direito à vida entendido à luz da dignidade da pessoa humana é um direito fundamental e um dos bens mais preciosos do ser humano. Quando esse direito fundamental colide com a terminalidade da vida é necessário questionar o objeto por meio da bioética e, após, a interpretação desta, usar o biodireito como forma de decidir o conflito bioético. Tendo-se em vista que a maior pauta dessa questão seria a autonomia da vontade, que é a pedra basilar da bioética, há uma necessidade de indagar sob o amparo da zetética, o quão autodeterminado e autônomo nas suas vontades é considerado o ser humano para decidir o momento de sua própria morte. Outrossim, diante de várias colisões dentro do tema da eutanásia, deparamo-nos com o embate que há entre o direito de autodeterminação do ser humano, o direito de família e a fé cristã. Este artigo tem o intuito de analisar a morte assistida e as maiores problematizações sobre o tema.

Artigo:

The right to life understood in the light of the dignity of the human person is a fundamental right and one of the most precious assets of the human being. When this fundamental right collides with the terminality of life, it is necessary to question the object through bioethics and, after its interpretation, to use the bio-law as a way to decide the bioethical conflict. Assuming that the major issue of this question would be the autonomy of the will, which is the cornerstone of bioethics, there is a need to inquire under the protection of zetetics, how self-determined and autonomous of his will is considered the human being to decide the moment of his own death. Moreover, up of various collisions on the subject of euthanasia, we face the clash between the right of self-determination, the right to family and the Christian faith. This article aims to analyze assisted death and the major problematizations on this subject.

Palavras-chave: biodireito, bioética, eutanásia,

Palavras-chave: biolaw, bioethics, euthanasia,

DOI: 10.5151/ienbio-2019-ENBIO-GT-06

Referências bibliográficas
  • [1] ASÚA, L. J. Liberdade de amar e direito a morrer. Belo Horizonte: Mandamentos, 2003.
  • [2] AUGUSTINE, ST. The Early Church Fathers and Other Works. Scotland: Wm. B. Eerdmans Pub. Co., 1867.
  • [3] BARROSO, L. R.; MARTEL, L. C. V. A morte como ela é: dignidade e autonomia individual no final da vida. In: GOZZO, Débora; LIGIERA, Wilson Ricardo. Bioética e Direitos Fundamentais (Orgs.). São Paulo: Saraiva, 2012.
  • [4] BRASIL. Código Penal Brasileiro. São Paulo: Rideel, 2019.
  • [5] _______. Constituição Federal. Disponível em . Acesso em 03/07/2019.
  • [6] _______. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em . Acesso em 03/07/2019.
  • [7] Exposição de motivos da parte especial do código penal. Disponível em . Acesso em 10/08/2019.
  • [8] Christians remain world’s largest religious group, but they are declining in Europe. Pew Research Center. Disponível em Acesso em 03/07/2019.
  • [9] Declaração sobre a eutanásia da sagrada congregação para a doutrina da fé. Vatican. Disponível em Acesso em 10 agosto de 201
  • [10] DINIZ, M. H. O estado atual do biodireito. São Paulo: Saraiva, 2001.
  • [11] Discurso del Santo Padre Pío XIII sobre las implicaciones religiosas y morales de la analgesia. Vatican. Disponível em . Acesso em 03/08/2019.
  • [12] GARRAFA, V; COSTA, S. I. F. A bioética no século XXI. Brasília: UnB, 2000.
  • [13] GRECO, L. Posse de drogas, privacidade, autonomia: reflexões a partir da decisão do Tribunal Constitucional argentino sobre a inconstitucionalidade do tipo penal de posse de drogas com a finalidade de próprio consumo. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo, v. XVIII, n. 87, nov./dez. 2010.
  • [14] HABERMAS, J. A inclusão do outro. São Paulo: Loyola, 2002.
  • [15] KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. In: Textos selecionados. São Paulo: Abril, 1994.
  • [16] KANT, I. A metafísica dos costumes. São Paulo: EDIPRO, 2003.
  • [17] KUNDERA, M. A insustentável leveza do ser. ed. 39. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, p.26.
  • [18] MONTAIGNE, M. De como filosofar é aprender a morrer. vol. 1. São Paulo: Abril Cultural, 2000.
  • [19] NEUKAMP, F. Zum. Problem der Euthanasie. Der Gerichtssaal, 109:403, 1937.
  • [20] NINO, C. S. Ética y derechos humanos: un ensayo de fundamentación. Buenos Aires: Editorial Astrea de Alfredo y Ricardo DePalma, 2007.
  • [21] OLIVEIRA, F. Engenharia genética: o sétimo dia da criação. ed. 3. São Paulo: Moderna, 1996.
  • [22] PESSINI, L. Distanásia: até quando prolongar a vida? São Paulo: Loyola, 2001.
  • [23] REIS, M. M. Teoria dos direitos fundamentais. 2ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2009.
  • [24] Resolução CFM Nº 1.805/2006. Conselho Federal de Medicina. Disponível em . Acesso em 03/07/2019.
  • [25] Resolução CFM nº 1.995/2012. Conselho Federal de Medicina.. Disponível em . Acesso em 03/07/2019.
  • [26] SALGADO, J. C. A idéia de justiça em Kant: seu fundamento na liberdade e na igualdade. Belo Horizonte: UFMG, 1986.
  • [27] SARTRE, Jean-Paul. L'être et le néant: essai d'ontologie phénoménologique. France: Gallimard, 2001.
  • [28] VIEIRA, T. R. Bioética e direito. São Paulo: Jurídica Brasileira, 1999, p. 90.
Como citar:

SILVA, Manoela Souza; "A EUTANÁSIA SOB A ÉGIDE DA AUTONOMIA DA VONTADE E DA PERSPECTIVA FAMILIAR", p. 80-97 . In: Anais do I Encontro Nacional de Biodireito: biotecnologia e relações familiares. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2359-2990, DOI 10.5151/ienbio-2019-ENBIO-GT-06

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações