Resumo - Open Access.

Idioma principal

A Cidade como Interface Museológica

CASIMIRO, G. G.;

Resumo:

Esta pesquisa debate os novos modos de ver os acervos artísticos e museológicos no espaço da cidade, por meio da Realidade Mista e mídias digitais, em uma discussão sobre o espaço urbano como interface. A nova estética da imagem e das memórias digitais inicia um percurso de revisão do direcionamento do olhar, dos modos de ver, dos acervos abertos em constante construção, impactando diretamente na elaboração de uma herança cultural open source no espaço da cidade. Portanto, o espaço urbano adquire novas funções, sobretudo, relacionadas a consolidação de acervos de arte fora de espaços institucionais, evidenciando o papel de cidade como interface museológica, e fortalecendo o debate sobre a dissolução do poder institucional detentor de grandes coleções em prol de novos modelos de criação e exposição artística na cidade. Os espaços de experiência da arte (museus, galerias, centros de cultura) se encontram em processo de revisão pela cultura pós-virtual, cuja dinâmica predominante envolve a ação coletiva e a geração de um novo sistema de poderes, onde uma obra de arte ou exposição não depende diretamente das instituições legitimadoras, e sim de um espaço coletivo de interação e produção. Surgem tecnologias digitais que expandem o poder não legitimado dos agentes (artistas, curadores, resistentes, etc), caso de ferramentas como a realidade aumentada e a geolocalização.

Resumo:

Palavras-chave: arquitetura; patrimônio; realidade mista; museu; arte urbana,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/spddesign-0007

Referências bibliográficas
Como citar:

CASIMIRO, G. G.; "A Cidade como Interface Museológica", p. 13-14 . In: Anais do 1º Seminário de Pesquisa em Design do Programa de Pós-Graduação em Design da FAUUSP [Blucher Design Proceedings]. São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/spddesign-0007

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações