dezembro 2014 vol. 1 num. 1 - X Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

SECAGEM DA CASCA DA MEXIRICA POR IRRADIAÇÃO INFRAVERMELHA E COMPARAÇÃO DOS COMPOSTOS BIOATIVOS DESTA IN NATURA E APÓS A SECAGEM

GARDUSI, F.; MENDES, L. G.; NOGUEIRA, G. D. R; SILVA, D. I. S.; BARROZO, M. A. S.;

Artigo:

A casca da mexerica (Citrus reticulata blanoa) contém uma grande quantidade de compostos bioativos, em especial quando comparada com o suco da mesma, fenômeno muito comum entre as frutas. Devido a sua grande aceitabilidade no mercado e seus elevados teores de vitaminas, minerais e fibras, o presente trabalho procurou analisar a variação dos teores de ácido ascórbico, ácido cítrico, fenólicos totais e flavonoides totais na casca da mexerica in natura e quando submetida à secagem por irradiação infravermelha. Esse processo visa reduzir o volume e seu peso do material, o que facilita seu transporte, reduz os gastos e viabiliza o armazenamento por maiores períodos sem que ele seja deteriorado ou afetado pela ação de micro-organismos. Os testes de secagem foram realizados nas temperaturas: 60, 70, 80 e 90 °C. Pôde-se concluir que o modelo de Overhults é o que melhor descreve a cinética de secagem, apresentando um coeficiente de determinação médio de 0,9993 e a temperatura é umavariável importante para o tempo de secagem. O teor de ácido ascórbico elevou-se com o aumento da temperatura de operação. Excetuando o conteúdo de flavonoides totais, para a temperatura de 90°C todos os compostos apresentaram as maiores médias.

Artigo:

Palavras-chave: resíduos, antioxidantes, cinética de secagem,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobec-ic-02-ft-057

Referências bibliográficas
  • [1] ABUD, A. K. de S.; NARAIN, N. (2009), Incorporação da farinha de resíduo do processamento de polpa de frutas em biscoitos: uma alternativa de combate ao desperdício. Brazilian Journal of food technology, v. 12, n. 4, p. 257-265.
  • [2] ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Regulamento técnico sobre ingestão diária recomendada (IDR) para proteína, vitaminas e minerais, 2004. Disponível em: Andlt;http://portal.anvisa.gov.br/wps/portal/anvisa/home Andgt;. Acesso em: 23 de julho de 2011.
  • [3] AOAC INTERNATIONAL, (1995). Official methods f analysis of AOAC International. 2 vols. 16th edition. Arlington, VA, USA, Association of Analytical Communities.
  • [4] ARNOSTI JR., S., FREIRE, J.T., SARTORI, D. J. M. Andamp; BARROZO, M. A. S. (1999). Equilibrium moisture content of Brachiaria brizantha. Seed Science and Technology, 27 (1), 273-282.
  • [5] BROOKER, D. B., BAKKER-ARKEMA, F. W. Andamp; HALL, C. W. (1974). Drying Cereal Grains Avi, Westport, CT, USA.
  • [6] CEASA-ES, disponível em:Andlt;http://www.ceasa.es.gov.br/?p=2533Andgt; acesso em setembro de 2013.
  • [7] DUZZIONI, A. G., LENTON, V. M., SILVA, D. I. S. Andamp; BARROZO, M. A. S. (2013). Effect of drying kinetics on main bioactive compounds and antioxidant activity of acerola (Malpighia emarginata D.C.) residue. International Journal of Food Science Andamp; Techonology, 1-
  • [8] HENDERSON, J. M. Andamp; HENDERSON, S. M. (1968). A computational procedure for deep-bed drying analysis. Journal of Agricultural Engineering Research, 13, 87–95.
  • [9] LANTON, B. (2004), Beyond citric acid. South African Food Review , vol. 31 n.4, p.13,.
  • [10] LEWIS, W. K. (1921). The rate of drying of solid materials. Indian Chemical Engineer, 13, 427.
  • [11] ODIN, A.P., (1997). Vitamins as antimutagens: advantages and some possible mechanisms of antimutagenic action. Mutation Research, Amsterdam, v.386, n.1, p.39-67.
  • [12] OVERHULTS, D. G., WHITE, G. M., HAMILTON, H. E., Andamp; ROSS, I. J. (1973). Drying soybeans with heated air, Transactions of the ASAE, 16 (1), 112- 113.
  • [13] OZGUR, M., OZCAN, T., AKPINARBAYIZIT, A. Andamp; YILMAZ-ERSAN, L. Functional compounds and antioxidant properties of dried green and red peppers. African Journal of Agricultural Research, 6, 5638–5644, 2011.
  • [14] PAGE, G. E. (1949). Factors influencing the maximum rates of air drying shelled corn in thin-layer. Purdue University, West Lafayette, IN, USA.
  • [15] RICE-EVANS, C.A.; Miller, N.J.; PAGANGA, G. (1996). Structure antioxidant activity relationship of flavonoids and phenolic acid. Free Rad. Bio. Med. , v.20, n.7, 933-956.
  • [16] SANDU C.. (1986) Infrared radiative drying in food engineering: a process analysis. Biotechnology Progress 2(3): 109-119.
  • [17] SILVA, D. F. P.;SIQUEIRA, D. L.; OLIVEIRA, S.P.; LINS, L. C. R.; SALOMÃO, L. C. C., (2012). Desempenho de filmes comestíveis em comparação ao filme de policloreto de vinila na qualidade pós-colheita de mexericas ''Poncã'', Cienc. Rural vol.42 no.10, Santa Maria.
  • [18] SILVA, D. I. S.; NOGUEIRA, G. D. R.; DUZZIONI, A. G. Changes of antioxidante constituents in pineapple (Ananas comosus) residue during process. Industrial Crops and Products SD. p. 557- 562, 2013.
  • [19] SINGLETON, V. L.; ROSSI, J.A. Jr., (1965) Colorimetry of total phenolics with phosphomolybdic-phosphotungstic acid reagents. Amer. J. Enol. Viticult. v.16, p. 144-158.
  • [20] SOUSA, C. M. M.; SILVA, H. R.; VIEIRAJR, G. M.; AYRES, M. C.; COSTA, C. L. S.; CAVALCANTE, L. C. D.; BARROS, E. D. S.; ARAÚJO, P. B. M.; BRANDÃO, M. S., CHAVES, M. H. (2007). Fenóis totais e atividade antioxidante de cinco plantas medicinais. Quim. Nova, v. 30, n. 2, 351-355.
  • [21] SOUSA DE SÁ, P. G.; GUIMARÃES, A. L.; OLIVEIRA, A. P.; FONTANA, A. P.; DAMASCENO, P. K. F.; BRANCO, C. R. C.; BRANCO, A.; ALMEIDA, J. R. G. S. (2012), Fenóis totais, flavonoides totais e atividade antioxidante de Selaginella convoluta (Arn.) Spring (Selaginellaceae). Rev Ciênc Farm Básica Apl., 2012;33(4):561-566.
  • [22] SOUZA, L. M.; CORREIA, K. C.; SANTOS, A. M. G. ; BARRETO, L. P.; NETO, E. B., (2010). Comparação de metodologias de análise de pH e acidez titulável. Anais JEPEX UFRPE, Recife – PE.
  • [23] ZHISHEN, J., MENGCHENG, T. and JIANMING, W. (1999). The determination of flavonoid contents in mulberry and their scavenging effects on superoxide radicals. Food Chemistry 64:555−559.
Como citar:

GARDUSI, F.; MENDES, L. G.; NOGUEIRA, G. D. R; SILVA, D. I. S.; BARROZO, M. A. S.; "SECAGEM DA CASCA DA MEXIRICA POR IRRADIAÇÃO INFRAVERMELHA E COMPARAÇÃO DOS COMPOSTOS BIOATIVOS DESTA IN NATURA E APÓS A SECAGEM", p. 423-427 . In: . São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobec-ic-02-ft-057

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações