fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

REUSO DE EFLUENTES EM TORRES DE RESFRIAMENTO

DURANTE, L. V.; TROMBETA, A.; PRADO, E. R. A.; PARAÍSO, P. R.; JORGE, L. M. M.;

Artigo:

A água é um recurso natural que possui valores intangíveis. Sua iminente escassez tem gerado constante preocupação e levado o setor industrial a buscar alternativas para reduzir o consumo e investir em tecnologias para sua recuperação. Diante do exposto, foi realizada uma análise das principais correntes passíveis de reuso e avaliação de sua aplicabilidade nos processos fabris de um complexo agroindustrial. Neste contexto, foi proposta uma configuração de baixo custo para o polimento do efluente tratado da ETE com posterior reutilização na reposição de água de uma torre de resfriamento. A partir de modelos matemáticos obtidos de balanços de massa e de energia nas torres de resfriamento foi implantado, em plataforma Excell

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-0747-24197-160412

Referências bibliográficas
  • [1] AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS. Conjuntura dos recursos hídricos no Brasil: informe 2012. Brasília: ANA, 2012. Disponível em: Andlt;http://arquivos.ana.gov.br/imprensa/arquivos/Conjuntura2012.pdfAndgt;. Acesso em: 03/07/2012 BLUM, J. R. C. Critérios e padrões de qualidade da água. In: MANCUSO, P. C. S.; SANTOS, H. F. (Ed.). Reuso de Água. 1ª ed. São Paulo: Manole, 2003.
  • [2] BREGA FILHO, D.; MANCUSO, P. C. S. Conceito de Reuso de Água. In: MANCUSO, P. C. S.; SANTOS, H. F. (Ed.). Reuso de Água. 1ª ed. São Paulo: Manole, 2003.
  • [3] COOLING TOWER INSTITUTE. CTI Code ATC-105: acceptance test code for water cooling towers. USA, 2000.
  • [4] CARVALHO, D. D.; MACHADO, B. J. F. Reuso de Efluentes em Torres de Resfriamento – Estudo Conceitual: Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. Acta Scientiarum Technology. Maringá, v.32, 2010.
  • [5] DIAS, G. F. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 9 ed. São Paulo: Gaia, 2004.
  • [6] DREW PRODUTOS QUÍMICOS. Princípios de tratamento de água industrial. São Paulo, 1979.
  • [7] GENTIL, V. Corrosão. 4. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003.
  • [8] HESPANHOL, I. Wastewater as a Resource. In: HELMER, R.; HESPANHOL, I. Water Pollution Control - A Guide to the Use of Water Quality Management. WHO/UNEP, 1997.
  • [9] HESPANHOL, I.; MIERZWA J.C.; RODRIGUES, L. D. B.; SILVA, M. C. C. Manual de Conservação e Reuso de Água na Indústria.1ª ed. Rio de Janeiro: DIM, 2006.
  • [10] LAVRADOR FILHO, J. Contribuição para o entendimento do reuso planejado da água e algumas considerações sobre suas possibilidades no Brasil. Dissertação de Mestrado – Escola Politécnica de São Paulo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1987.
  • [11] MAYS, L. W. Water Resources: An Introduction. In: MAYS, L.W (Ed.). Water Resources Handbook. 1st ed. Arizona: McGRAW-HILL, 1996.
  • [12] MIERZWA, J. C. O uso racional e o reuso como ferramentas para o gerenciamento de águas e efluentes na indústria – estudo de caso da Kodak Brasileira. Tese de Doutorado - Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.
  • [13] SILBERT. W-Index – Water Index Calculations. Disponível em: Andlt;http://www.silbert.org/W-index-Spreadsheet.pdfAndgt;. Acesso em: 18/07/2012.
Como citar:

DURANTE, L. V.; TROMBETA, A.; PRADO, E. R. A.; PARAÍSO, P. R.; JORGE, L. M. M.; "REUSO DE EFLUENTES EM TORRES DE RESFRIAMENTO", p. 11701-11708 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-0747-24197-160412

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações