Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Quebra de dormência em sementes de Libidibia ferrea Martius

Break in dormancy seeds Libidibia ferrea Martius

Dantas, Joelma Medeiros; Costa, Maria Valdete da; Sousa, Danielle Marie Macedo; Maia, Celsemy Eleutério;

Completo:

A Libidibia ferrea Martius é uma espécie da família Leguminosae-Caesalpinoidae, popularmente conhecida como jucá, é comumente encontrada na Caatinga. Sendo utilizada na construção civil, medicina e recuperação de áreas degradadas. As sementes dessa espécie apresentam dormência tegumentar, que é característico das Leguminosas. Para superação da dormência, tratamentos pré-germinativos vêm sendo empregados em sementes de várias espécies florestais, para acelerar e uniformizar o processo de emergência. Desta forma, o objetivo desse trabalho foi avaliar o melhor método de quebra da dormência em sementes de jucá. O trabalho foi desenvolvido no Laboratório de Biotecnologia, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Mossoró, RN, em junho de 2013. As sementes foram submetidas a quatro tratamentos: T1 controle; T2 embebição em água destilada por 24 horas; T3 escarificadas com lixa n° 80 e T4 escarificadas com lixa n° 80 e em seguida embebidas em água destilada por 24 horas. Após a embebição, as sementes foram submetidas ao teste de emergência de plântulas em substrato areia lavada. As contagens das plântulas foram realizadas diariamente. Os parâmetros avaliados foram: porcentagem de emergência de plântulas, primeira contagem e índice de velocidade de emergência. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com quatro repetições de 25 sementes. Os dados foram submetidos à análise de variância e as médias de tratamentos comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Os parâmetros avaliados apresentaram diferenças significativas. As porcentagens de plântulas emergentes diferiram significativamente nos quatros tratamentos, sendo que os tratamentos T2 e T4 apresentaram emergência superior a 50%. O melhor IVG (índice de velocidade de germinação) apresentado foi nos tratamentos T2 e T4 e a primeira contagem foi mais rápida no tratamento T4. Portanto, conclui-se que o melhor tratamento para quebra de dormência em sementes de jucá foi a escarificação com lixa n° 80 e embebição em água destilada por 24 horas.

Completo:

Libidibia ferrea Martius is a species of the Leguminosae-Caesalpinoidae family, popularly known as jucá, is commonly found in the Caatinga. It is used in construction, medicine and reclamation. The seeds of this species have cutaneous numbness, which is characteristic of legumes. To overcome dormancy, pre-germination treatments have been used on seeds of various tree species, to accelerate and standardize the process of emergence. Thus, the aim of this study was to evaluate the best method of breaking dormancy in jucá seeds. The study was conducted at the Biotechnology Laboratory, Federal Rural University of the Semi-Arid, Natal, RN, in June 2013. The seeds were subjected to four treatments: T1 control; T2 soaking in distilled water for 24 hours; T3 scarified with sandpaper No. 80 and T4 scarified with sandpaper n ° 80 and then soaked in distilled water for 24 hours. After soaking, the seeds were submitted to the seedling emergence test in sand washed substrate. The counts of seedlings were performed daily. The parameters evaluated were: percentage of seedling emergence, first count and emergence speed index. The experimental design was completely randomized with four replications of 25 seeds. Data were subjected to analysis of variance and treatment means were compared by Tukey test at 5% probability. The parameters evaluated showed significant differences. The percentages of emerging seedlings differed significantly in the four treatments, and the T2 and T4 showed higher emergence to 50%. Best IVG (germination speed index) was presented in T2 and T4 and the first count was fastest in T4 treatment. Therefore, it is concluded that the best treatment for dormancy breaking in jucá seed was scarification with sandpaper No. 80 and soaking in distilled water for 24 hours.

Palavras-chave: Escarificação; Emergência; Tegumento; Libidibia férrea Martius,

Palavras-chave: Scarification; Emergency; Integument; Libidibia férrea Martius,

DOI: 10.5151/chenpro-5erq-am9

Referências bibliográficas
  • [1] AVELINO, J. I; RIBEIRO, M. C; CHAVES, A. P; RODRIGUES, G. S. O. Métodos de quebra de dormência em sementes de jucá (Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. var. ferrea), Revista Verde, V. 7, Nº.: 1, 2012.
  • [2] AZEREDO, G. A; BRUNO, R. L. A; ANDRADE, L. A; CUNHA, A. O. Germinação em sementes de espécies florestais da Mata Atlântica (leguminoseae) sob condições de casa de vegetação, Pesquisa Agropecúaria Tropical, V. 33, Nº.: 1, 2003.
  • [3] BRASIL, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes, Mapa/ACS. Brasília: 2009.
  • [4] BEWLEY, J. D; BLACK, A. M. Seeds: physiology of development and germination. Plenum. New York: 199
  • [5] CÂMARA, F. A. A; TORRES, S. B; GUIMARÃES, I. P; OLIVEIRA, M. K. T; OLIVEIRA, F. A. Biometria de frutos e sementes e superação de dormência de jucá (Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul (leguminosae – caesalpinoideae). Caatinga, V. 21, Nº.: 4, 2008.
  • [6] CARVALHO, N. M; NAKAGAWA, J. Sementes: Ciência, tecnologia e produção, Funep. Jaboticabal: 2000.
  • [7] CREPALDI, I. C; SANTANA, J. R. F; LIMA, P. B. Quebra de dormência em semente de pau-ferro (Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul. - leguminosae, caesalpinoideae). Setientibus, Nº.: 18, 1998.
  • [8] FERRAZ, I.D.K; CALVI, G.P. Teste de germinação. In: LIMA JR, M. J. Manual de procedimentos para análise de sementes florestais, UFAM. Manaus: 2010. Cap 5. p.55-122.
  • [9] FOWLER, J. A. P; BIANCHETTI, A. Dormência em sementes florestais, EMBRAPA- Florestas. Colombo: 2000.
  • [10] LIMA, J. D; ALMEIDA, C.C; DANTAS, V. A. V; SILVA, B. M. S. Efeito da temperatura e do substrato na germinação de Sementes de caesalpinia ferrea mart. Ex tul. (leguminosae, Caesalpinoideae), Revista Árvore, V. 30, Nº.: 4, 2006.
  • [11] LOPES, N; Galhardi, L.C. F; Espada, S. F; Pacheco, A. C; Ricardo, N. M. P. S; Linhares, R. E. C; Nozawa, C. Sulfated polysaccharide of Caesalpinia ferrea inhibits herpes simplexvirus and poliovirus, Elsevier: International Journal of Biological Macromolecules, Nº.: 60, 2013.
  • [12] LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5. ed. Instituto Plantarum. Nova Odessa: 2008.
  • [13] MAGUIRE, J. D. Speed of germination: aid in selection and evaluation for seedling emergence and vigour, Crop Science, V. 2, Nº.:2, 1962.
  • [14] MEDEIROS FILHO, S.; SILVA, M. A. P. da. SANTOS FILHA, M. E. C. dos. Germinação de sementes e desenvolvimento de plântulas de Caesalpinia ferrea Mart. ex Tul var. ferrea em casa de vegetação e Germinador. Revista Ciência Agronômica, V. 36, Nº.: 2, 2005.
  • [15] SENA, C. M; GARIGLIO, M. A. Sementes Florestais: Colheita, Beneficiamento e Armazenamento. MMA. Natal: 2008.
  • [16] TORRES, S. B.; SANTOS, D. S. B. dos. Superação de dormência em sementes de Acacia senegal (E.) Willd. e Parkinsonia aculeata (E.). Revista Brasileira de Sementes, V. 16, Nº.; 1,1994.
Como citar:

Dantas, Joelma Medeiros; Costa, Maria Valdete da; Sousa, Danielle Marie Macedo; Maia, Celsemy Eleutério; "Quebra de dormência em sementes de Libidibia ferrea Martius", p. 683-689 . In: Anais do V Encontro Regional de Química & IV Encontro Nacional de Química [=Blucher Chemistry Proceedings].. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2318-4043, DOI 10.5151/chenpro-5erq-am9

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações