fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

ESTUDO PARAMÉTRICO DA OXIDAÇÃO DE ENROFLOXACINA PELO PROCESSO FENTON

FRADE, V. M. F.; PALMA, M. S. A.;

Artigo:

Após a administração do fármaco, uma parte significativa deste, aproximadamente 10 a 90% (Kümmerer, 2009), é excretada do corpo humano de forma inalterada para o esgoto doméstico. A presença de antibióticos no ambiente pode acarretar a seleção de microrganismos resistentes a esses medicamentos, fazendo com que as drogas utilizadas atualmente não sejam mais eficazes. Neste trabalho foi estudada a degradação de enrofloxacina, que é um antibiótico amplamente utilizado na medicina veterinária, através do processo Fenton de acordo com um planejamento experimental do tipo Delineamento Composto Central Rotacional – DCCR. Foram estudadas as influências da temperatura (20, 25, 32 e 40ºC), concentrações iniciais de peróxido de hidrogênio, CH2O2,0, (100, 262, 500, 611, 738, 900 e 1000 mg/L) e íon ferroso, CFe2+,0, (5, 10, 20, 28,3, 35, 40, 45, 50 e 62,5 mg/L), na concentração residual de enrofloxacina e de carbono orgânico total (TOC). Foi realizado um estudo paramétrico das variáveis ao redor da condição experimental que resultou na menor concentração residual final de enrofloxacina CE,Res,Final = 13,0 mg/L para 28,3 mg/L de íon ferroso, 738 mg/L de peróxido de hidrogênio e 32,0°C. Através do estudo paramétrico obteve-se CE,Res,Final = 12,0 mg/L para 35 mg/L de íon ferroso, 738 mg/L de peróxido de hidrogênio e 32,0°C. Nesta condição obteve-se redução de 31% da matéria orgânica inicial (63,4 mg/L). Apesar da baixa eficiência de degradação o processo Fenton pode ser utilizado em conjunto com outros processos de tratamento para diminuir a atividade bacteriana do fármaco.

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-2089-15860-172289

Referências bibliográficas
  • [1] BILA, D. M.; DEZOTTI, M. Fármacos no meio ambiente. Quím. Nova, v. 24, p. 523-530, 2003.
  • [2] FINK, L.; DROR, I.; BERKOWITZ, B. Enrofloxacin oxidative degradation facilities by metal oxide nanoparticles. Chemosphere, v. 86, p. 144-149, 201
  • [3] GOSH, G. C.; OKUDA, T.; YAMASHITA, N.; TANAKA, H. Occurrence and elimination of antibiotics at four sewage treatments plants in Japan and their effects on bacterial ammonia oxidation. Water Sci. Technol., v. 59 (4), p. 79-786, 2009.
  • [4] GROS, M.; PETROVIC, M.; GINEBREDA, A.; BARCELÓ, D. Removal of pharmaceuticals during wastewater treatment and environmental risk assessment using hazard indexes. Environ. Int., v. 36, p. 15-26, 2010.
  • [5] (a) (b) Área temática: Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas 7GUINEA, E.; BRILLAS, E.; CENTELLAS, F., CANIZARES, P.; RODRIGO, M. A., SÁEZ. Oxidation of enrofloxacin with conductive-diamond electrochemical oxidation, ozonation and Fenton oxidation - A comparison. Water Res., v. 43, p. 2131-2138, 2009.
  • [6] IKEHATA, K.; NAGHASHKAR, N. J.; EL-DIN, M. G. Degradation of aqueous pharmaceuticals by ozonation and advanced oxidation process: A review. Ozone: Sci. Eng., v. 28, p. 353-414, 200
  • [7] KUMAR, S. M. Degradation and mineralization of organic contaminants by Fenton and photo-Fenton process: Review of mechanisms and effects of organic and inorganic additives. Res. J. Chem. Environ., v. 15 (2), p. 96-112, 2011.
  • [8] LIZONDO, M.; PONS, M.; GALLARDO, M.; ESTELRICH, J. Physicochemical properties of enrofloxacin. J. Pharm. Biom. Anal., v. 15, p. 1845-1849, 1997.
  • [9] MELO, S. A. S.; TROVÓ, A. G.; BAUTIZ, I. R.; NOGUEIRA, R. F. P. Degradação de fármacos residuais por processos oxidativos avançados. Quím. Nova, v. 32, n. 1, p. 188-197, 200
  • [10] NEYENS, E.; BAEYENS, J. A review of classic Fenton’s peroxidation as an advanced oxidation technique. J. Haz. Mat., v. 98, p. 33–50, 2003.
  • [11] FRADE, V. M. F.; SHINOTSUKA, L. Y.; PALMA, M.S.A. Oxidação química da enrofloxacina pelo processo Fenton: obtenção das condições ótimas a partir de um planejamento fatorial. In: XIX Congresso Brasileiro de Engenharia Química. Búzios, RJ, 9 a 12 de setembro de 2012.
  • [12] FRADE, V. M. F.; DIAS, M.; TEIXEIRA, A. C. S.; PALMA, M. S. A. Environmental contamination by fluoroquinolones. Braz. J. Pharm. Sci., v. 50, n. 1, p. 1-14, 2014.
  • [13] FRADE, V. M. F. Oxidação de enrofloxacina pelo processo Fenton. Dissertação de Mestrado, Departamento de Tecnologia Bioquímico-Farmacêutica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 20
  • [14] KÜMMERER, K. Antibiotics in the aquatic environment – A review – Part I. Chemosphere, v. 75, p. 417-434, 2009.
  • [15] OTERO, J. L.; MESTORINO, N.; ERRECALDE, J. O. Enroflocacina: una fluoroquinolona de uso exclusivo en veterinaria – Parte I: Química, mecanismo de acción, actividad antimicrobiana y resistencia bacteriana. Analecta Veterinaria, v. 21, n. 1, p. 31-41, 2001.
  • [16] REGITANO, J. B.; LEAL, R. M. P. Comportamento e impacto de antibióticos usados na produção animal brasileira. Rev. Bras. Ciên. Solo, v. 34, p. 601-616, 2010.
  • [17] SILVA, R. G. Farmacocinética e determinação de resíduos de enrofloxacina e seu metabólito em tecidos de frangos. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Química, Departamento de Química Analítica, 2004.
  • [18] SOUSA, I. C. S. C. Interação da Enrofloxacina com modelos biomembranares: Influência de suas propriedades físico-químicas. Dissertação de Mestrado, Departamento de Química, Faculdade de Ciências do Porto, Porto, 2007.
  • [19] YUAN, F.; HU, CHUN.; HU, X.; WEI, D.; CHEN, Y.; Q, J. Photodegradation and toxicity changes of antibiotics in UV and UV/H2O2 process. J. Haz. Mat., v. 185, p. 1256-1263, 2011.
  • [20] Área temática: Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas 8RESPOSTA AO REVISOR Eu gostaria de agradecer ao revisor pelas indagações e observações muito pertinentes feitas sobre o nosso trabalho. Todas as indagações foram atendidas e o texto como um todo foi revisado e melhorado. São Paulo, 5 de junho de 2014.
  • [21] Mauri S. A. Palma A INFORMAÇÃO ESTÁ CORRETA E A REFERÊNCIA É: KÜMMERER, K. Antibiotics in the aquatic environment – A review – Part I. Chemosphere, v. 75, p. 417-434, 2009.
  • [22] Acrescentado no Resumo, pg. 1, linha 2.
  • [23] NO TEXTO (PG. 2, ÍTEM “MATERIAIS”, 1O. PARÁGRAFO) FOI ACRESCENTADO O SEGUINTE TRECHO: “foi empregado cloreto férrico (FeCl3), para a interrupção da reação após a amostragem, para quantificação da enrofloxacina, metabissulfito de sódio (Na2S2O5), que reage com o Área temática: Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas 9peróxido de hidrogênio. Para a amostragem para determinação de TOC, iodeto de potássio (KI), sulfito de sódio (Na2SO3) e hidróxido de sódio (NaOH).” O TEXTO A SEGUIR É DE FRADE (2013) (Disponível em www.teses.usp.br) E NÃO FOI COLOCADO NO TRABALHO POR FALTA DE ESPAÇO: “O método analítico para determinação da enrofloxacina de baseava na formação de um complexo entre a enrofloxacina e íon férrico. No entanto, o meio reacional continha peróxido de hidrogênio que reagiria com o íon férrico. Desta forma era necessário remover o peróxido de hidrogênio antes da análise espectrofotométrica, o que era feito com a adição de metabissulfito de sódio. A quantidade metabissulfito a ser adiconada era detrminada com base em uma análise anterior que quantificava o peróxido de hidrogênio remanescente no meio.” METODOLOGIA PARA QUANTIFICAÇÃO DA ENROFLOXACINA “Para a análise, coletava-se 2 mL do meio reacional em um frasco contendo 2 mL de solução de metabissulfito de sódio, cuja concentração dependia concentração de peróxido de hidrogênio empregada na reação, e adicionava-se 1 mL de solução de cloreto férrico na concentração de 7.10-3 M. Agitava-se e media-se a absorbância em 434 nm em espectrofotômetro vis, contra branco de reagentes. O branco continha apenas 4 mL de água destilada e 1 mL de solução de cloreto férrico (El Sherif, 1999).” A RESPOSTA ESTA INDAGAÇÃO ESTÁ MOSTRADA ACIMA E ABAIXO (Frade, 2013) (Disponível em www.teses.usp.br) E NÃO FOI COLOCADO NO TRABALHO POR FALTA DE ESPAÇO: Curva de calibração A cada nova solução de enrofloxacina preparada, construía-se uma curva de calibração a partir da solução utilizada no ensaio. Em balões volumétricos de 10 mL, transferiam-se alíquotas da solução, que possuía concentração de 100 mg/L, de modo que se obtivesse um gradiente de Área temática: Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas 10concentrações, conforme Tabela 6. Avolumavam-se os balões com água destilada, agitava-se e retirava-se 2 mL destes padrões, que eram transferidos para frascos contendo 2 mL de água, sendo adicionado 1 mL de cloreto férrico logo em seguida. Agitava-se e media-se absorbância em 434 nm em espectrofotômetro vis, contra branco de reagentes Solução inibidora do sistema foto Fenton (contendo 0,1 M de cada componente) Dissolvia-se 16,6 g de iodeto de potássio + 12,6 g de sulfito de sódio + 4 g de hidróxido de sódio em água destilada, completando o volume para 1000 mL. A DILUIÇÃO 1:1 FOI CONSIDERADA. FOI ACRESCENTADO NO TEXTO (2.4 TÉCNICAS ANALÍTICAS): “(solução de KI, Na2SO3 e NaOH, 0,1M de cada componente)” FOI RETIRADA DOS OBJETIVOS A SEGUINTE FRASE: “…de acordo com um planejamento experimental do tipo Delineamento Composto Central Rotacional – DCCR” FEITO. Área temática: Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas 11
Como citar:

FRADE, V. M. F.; PALMA, M. S. A.; "ESTUDO PARAMÉTRICO DA OXIDAÇÃO DE ENROFLOXACINA PELO PROCESSO FENTON", p. 9704-9715 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-2089-15860-172289

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações