Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ESTUDO DA TERMORRESISTÊNCIA DA PECTINASE COMERCIAL DE Aspergillus niger LIVRE E IMOBILIZADA EM ESPUMA RÍGIDA DE POLIURETANO

BUSTAMANTE*, C. E. V.; TORMENN, P.; PERTILE, T.; MORESCO, E.; TONIAZZO, G.; DALLAGO, R. M.;

Artigo Completo:

Os processos biotecnológicos requerem enzimas estáveis sob as condições de estocagem e durante a aplicação industrial. Os estudos de termorresistência fornecem informações relacionadas à manutenção da capacidade catalíticas dos biocatalisadores, quando submetidos à ação de diversas temperaturas. Neste trabalho, foi avaliada a influência da temperatura (4°C, ambiente, 55°C e 80°C) sobre a atividade enzimática da pectinase comercial de Aspergillus niger na forma livre (líquida e liofilizada) e imobilizada in situ em espuma rígida de poliuretano (PU). As atividades pectinolíticas foram determinadas pelo método do ácido 3,5-dinitrosalicílico na reação de hidrólise da pectina cítrica em condições ótimas de reação para cada derivado enzimático. Considerando como 100 % a atividade inicial, os resultados revelaram que, nas temperaturas e tempos avaliados, o derivado imobilizado mostrou-se muito mais resistente e estável em relação à forma livre. Os melhores resultados foram a 4°C para a pectinase imobilizada, a qual apresentou hiperativação da atividade enzimática, aumentando em 98 % a atividade inicial após 229 dias de estocagem e, também, a 80°C e 55°C onde a retenção da atividade inicial foi 28,7 % e 40 % após 3 e 44 dias de armazenamento, respectivamente. Atribuiu-se esse comportamento ao microambiente gerado dentro da rede polimérica que, provavelmente, protegeu a enzima da influência da temperatura e imitou os efeitos de aglomeração e confinamento em uma célula viva.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobeqic2015-168-32626-263335

Referências bibliográficas
  • [1] ABDELMAJEED, N.; KHELI, O.; DANIAL, E. Immobilization technology for enhancing bioproducts industry. Afr J Biotechnol., v. 11, n. 71, p. 13528-13539, 2012.
  • [2] BRANCO, R.V.; GUTARRA, M.L.E.; FREIRE, D.M.G AND ALMEIDA, R.V. Immobilization and Characterization of a Recombinant Thermostable Lipase (Pf2001) from Pyrococcus furiosus on Supports with Different Degrees of Hydrophobicity. Enzyme Res., v. 2010, p. 1-8, 2010.
  • [3] BUGA, M.; IBRAHIM, S.; NOK, A. Physico-chemical characteristics of immobilized polygalacturonase from Aspergillus niger (SA6). Afr J Biotechnol., v. 9 n. 52, p. 8934-8943, 2010.
  • [4] DATTA, S.; CHRISTENA, L.; RAJARAM, Y. Enzyme immobilization: an overview on techniques and support materials. 3 Biotech., v.3, p 1-9, 2013.
  • [5] FERNANDEZ-LAFUENTE, R.; ARMISÉN, P.; SABUQUILLO, P.; G. FERNANDEZ-LORENTE, G.; GUISÁN, J. M. Immobilization of lipases by selective adsorption on hydrophobic supports. Chem Phys Lipids., v. 93, n. 1-2, p. 185-197, 1998.
  • [6] JAYANI, R.; SAXENA, S.; GUPTA, R. Microbial pectinolytic enzymes: a review, Process Biochem, v. 40, p. 2931–2944, 2005.
  • [7] MILLER, L. Use of dinitrosalicyclic acid reagent for determination of reducing sugar. Anal Chem, v. 37, p. 426–428, 1959.
  • [8] NYARI, N. Estudo da imobilização de lipase Candida antártica B em poliuretano, 2013. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Alimentos) - Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI, Campus de Erechim, Brasil.
  • [9] PEDROLLI, D.; MONTERIRO, A.; GOMES, E.; CARMONA, E. Pectin and pectinases: Production, characterization and industrial application of microbial pectinolytic enzymes. Open Biotechnol J., v. 3, p. 9-18, 200
  • [10] SEENUVASAN,M.; MALAR, C.; PREETHI, S.; BALAJI, N.; IYYAPPAN, J.; KUMAR, M.; KUMAR, K.; Immobilization of pectinase on co-precipitated magnetic nanoparticles for enhanced stability and activity. Res. J. Biotechnol., v. 8, n. 5, p. 24-30, 2013.
  • [11] SILVA, M.; RIGO, D.; MOSSI, V.; DALLAGO, R.; HENRICK, P.; KUHN, G.; DALLA ROSA, C.; OLIVEIRA, D.; OLIVEIRA, J.; TREICHEL. H. Evaluation of enzymatic activity of commercial inulinase from Aspergillus niger immobilized in polyurethane foam. Food Bioprod Process., v. 9, n. 1, p. 54–59, 2013.
  • [12] UENOJO, M.; PASTORE, G. Pectinases: Aplicações Industriais e Perspectivas. Quím Nova., v. 30, n. 2, p. 388-394, 2007.
  • [13] WU, R.; HE, B.; ZHAO, G.; LI, X. Immobilization of pectinase on polyethyleneimine-coated pulp fiberfor treatment of whitewater from papermaking. J Mol Catal B-Enzym., v. 99, p. 163-168, 2014.
  • [14] ZHANG, L.; JIANG, Y.; SHI, J.; SUN, X.; LI, J AND JIANG Z. Biomimetic polymer-inorganic hybrid microcapsules for yeast alcohol dehydrogenase encapsulation. React Funct Polym., v. 68, p. 1507–1515, 2008.
Como citar:

BUSTAMANTE*, C. E. V.; TORMENN, P.; PERTILE, T.; MORESCO, E.; TONIAZZO, G.; DALLAGO, R. M.; "ESTUDO DA TERMORRESISTÊNCIA DA PECTINASE COMERCIAL DE Aspergillus niger LIVRE E IMOBILIZADA EM ESPUMA RÍGIDA DE POLIURETANO", p. 1245-1250 . In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Científica [=Blucher Chemical Engineering Proceedings, v. 1, n.3]. ISSN Impresso: 2446-8711. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeqic2015-168-32626-263335

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações