Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Bioconversão da Palma Forrageira e do Sisal como Alternativa para Alimentação Animal

Bioconversion of forage and Sisal Palma with Alternative for Food annimal

Macedo, Antonio Daniel Buriti de; Sousa, Ana Paula Moisés de; Oliveira, José Anderson Machado; Mattos, Mônica Andrade de; Santana, Renato Alexandre Costa de; Campos, Ana Regina Nascimento;

Completo:

A palma forrageira (Opuntia ficus indica Mill) e o sisal (Agave sisalana Perrine) são recursos utilizados como alimento para ruminantes no período de escassez de pastagens, por serem plantas adaptadas às condições adversas do semiárido brasileiro. No entanto essas plantas apresentam baixo teor proteico e por isso recomenda-se fornecer na dieta animal sempre associada a um suplemento proteico, porém o uso de concentrados comerciais para suplementação proteica na dieta dos animais aumenta os custos de produção da atividade pecuária na região. Portanto, o estudo de alternativas para aumentar o valor proteico dessas plantas torna-se uma boa estratégia para tentar minimizar tais problemas. O objetivo deste trabalho foi estudar o processo de enriquecimento proteico da palma forrageira e do sisal através da fermentação semissólida, com a utilização da Saccharomyces cerevisiae, avaliando a influência da massa de sisal e concentração de suplemento mineral no teor proteico, visando à produção de um suplemento proteico para ser usado na ração animal. A fermentação ocorreu em sistema de batelada, durante 24 horas, onde o meio foi adicionado ao biorreator, ocorrendo então à adição da levedura e de suplemento mineral comercial, seguindo-se um planejamento experimental 32. Fez-se uma avaliação das variáveis estudadas e observou-se que, após 24 h de processo, o teor máximo de proteína bruta e de aumento proteico alcançados nas fermentações realizadas foi de 3% e 400%, respectivamente. As condições experimentais correspondentes a esses valores foram: concentração de suplemento mineral de 0,1% e massa de sisal de 100%. De acordo com o exposto verifica-se que o objetivo de enriquecer proteicamente forragens através da fermentação semissólida utilizando-se levedura foi alcançado.

Completo:

The cactus pear (Opuntia ficus indica Mill) and sisal (Agave sisalana Perrine) resources are used as feed for ruminants in shortage of grazing period because they are plants adapted to the harsh conditions of the Brazilian semiarid region. Yet these plants have low protein content and therefore it is recommended to day provide the animal's diet always associated with a protein supplement, but the use of commercial concentrates for protein supplementation in animal diet increases the activity of livestock production costs in the region. Therefore, the study of alternatives to increase protein value of these plants makes it a good strategy to try to minimize these problems. The objective of this work was to study the protein enrichment process of the cactus pear and sisal by semisolid fermentation, with the use of Saccharomyces cerevisiae, evaluating the influence of the initial sisal concentration and mineral supplement concentration in protein content, aimed at producing of a protein supplement for use in animal feed. Fermentation occurred in the batch system during 24 hours, where the medium was added to the bioreactor, then going to the addition of yeast and commercial mineral, following an experimental design. There was an evaluation of the variables studied and it was observed that after 24 hours of the process, the maximum level of crude protein and.

Palavras-chave: Suplemento mineral; Fermentação; Aumento Proteico,

Palavras-chave: Mineral supplement; fermentation; Increase Protein,

DOI: 10.5151/chenpro-5erq-am3

Referências bibliográficas
  • [1] ARAÚJO, P.R.B.; FERREIRA, M.A.; BRASIL, L.H.A.; SANTOS, D,C.; LIMA, R.M.B.; VÉRAS, A.S.C.; SANTOS, M.V.F.; BISPO, S.V.; AZEVEDO, M. Substituição do milho por palma forrageira em dietas completas para vacas em lactação. Revista Brasileira de Zootecnia, v.33, n.6, p.1850-1857, 2004.
  • [2] ARAÚJO, L. F. et al. Enriquecimento proteico da palma forrageira com Saccharomyces cerevisiae para alimentação de ruminantes. Arq. Bras. Med. Vet . Zootec. V.60, n.2, p. 401- 407, 2008.
  • [3] ARAÚJO, L. F. .; SILVA, F. . L. H. .; OLIVEIRA, L. S. C. .; MEDEIROS, A. N. .; NETO, A. P. . Bioconversão do mandacaru sem espinhos (Cereus jamacaru) em alimento alternativo para ruminantes. Tecnol. & Ciên. Agropec., v. 3, n. 1, p. 53–57, 2009.
  • [4] BARBOSA, M. C. F.; VALE, R. C. & DETONI, C. E. Estudo exploratório da composição química dos cladódios da cactácea Brasiliopuntia brasiliensis A. Berger. Cadernos de Geociências, v. 11, n. 1/2, p. 114-120, 201 Disponível em: < www.cadernosdegeociencias.igeo.ufba.br>. Acesso em: 15 jan. 2015.
  • [5] CAVALCANTE, A.C.R.; CÂNDIDO, M.J.D. Alternativas para aumentar a disponibilidade de alimentos nos sistemas de produção a pasto na regiãoNordeste. Embrapa Caprinos, 31p. (Documentos 47), 2003.
  • [6] FERREIRA, M. A. .; PESSOA, R. A. S. .; BISPO, S. V. . Otimização de dietas a base de palma forrageira e outras alternativas de suplementação para regiões semi-áridas. In: VII Simpósio de produção de gado de corte, 2011, Anais... , 2011. p. 241–26
  • [7] GOMES, P. Forragens fartas na seca. São Paulo, Nobel, 233p.,197
  • [8] INSTITUTO ADOLFO LUTZ (São Paulo). Métodos físico-químicos para análises de alimentos. Coordenadores: Odair Zenebon; Neus Sadoco Pascuet & Pablo Tigea. São Paulo, Ed. 4, 1ª Edição Digital, 200
  • [9] MALAKAR, J.; SEN, S. O.; NAYAK, A. K.; SEN, K. K. Formulation, optimization and evaluation of transferosomal gel for transdermal insulin delivery. Saudi Pharmaceutical Journal, v. 20, n. 4, p. 355–363, 2012.
  • [10] PERAZZO NETO, A. Determinação de parâmetros para o enriquecimento protéico da palma (Opuntia fícus-indica) e vagens de algarroba (Prosopis juliflora) com Aspergillus niger.Tese Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.
  • [11] SANTOS, D.C.; FARIAS, I.; LIRA, M.A. Palma forrageira (Opuntia ficus-indica Mill e Nopalea cochenillifera Salm-Dyck) em Pernambuco; cultivo e utilização. Recife: IPA, 23p. (Documentos, 25), 1997.
  • [12] SILVA, O. R. R. da & BELTRÃO, N. E. de M. O agronegócio do sisal no Brasil. Brasília: Embrapa – SPI, Campina Grande - CNPA, 1999, 205p.
  • [13] TEDESCO, J. M. et al. Análise de solo, plantas e outros materiais, Porto Alegre, 1995.
  • [14] TEIXEIRA, J.C.; EVANGELISTA, A.R.; PERZ, J.R.; TRINDADE, I.A.C.M.; MORON, I.R. Cinética da digestão ruminal da palma forrageira. Ciência e Agrotecnologia, v.23, n.1, p.179-183, 1999.
  • [15] WANDERLEY, W. L.; FERREIRA, M. de A.; ANDRADE, D.K.B. de.; VÉRAS, A.S.C.; FARIAS, I.; LIMA, L.E. de.; DIAS, A.M. de. A. Palma forrageira (Opuntia ficus-indica Mill) em substituição à silagem de sorgo (Sorghum bicolor (l.) Moench) na alimentação de vacas leiteiras. Revista Brasileira de Zootecnia v. 31, n. 1, 2002.
Como citar:

Macedo, Antonio Daniel Buriti de; Sousa, Ana Paula Moisés de; Oliveira, José Anderson Machado; Mattos, Mônica Andrade de; Santana, Renato Alexandre Costa de; Campos, Ana Regina Nascimento; "Bioconversão da Palma Forrageira e do Sisal como Alternativa para Alimentação Animal", p. 630-639 . In: Anais do V Encontro Regional de Química & IV Encontro Nacional de Química [=Blucher Chemistry Proceedings].. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2318-4043, DOI 10.5151/chenpro-5erq-am3

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações