dezembro 2014 vol. 1 num. 1 - X Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS EM FOLHAS DE EUCALIPTO APÓS SECAGEM EM LEITO FIXO

VARGAS, B. S.; RICARDO, L. P.; ROSA, G. S.;

Artigo:

A folha de eucalipto contém componentes bioativos como: taninos, flavonoides e óleo essencial. As antocianinas estão entre os compostos pertencentes ao grupo dos flavonoides, atualmente exploradas comercialmente como corante natural. O processo de secagem é importante para retirar a umidade do material e evitar a proliferação de micro-organismos, porém, sua temperatura e velocidade do ar influenciam no rendimento do conteúdo antociânico. O objetivo do trabalho foi analisar a cinética de secagem da folha de eucalipto em leito fixo e verificar a influência deste processo no rendimento de compostos bioativos. A secagem foi realizada em um secador de leito fixo com fluxo paralelo do ar, nas temperaturas de 50 e 70 ºC e velocidade do ar de 2 m/s. Para a quantificação das antocianinas, utilizou-se o método espectrofotométrico de pH único desenvolvido por Fuleki e Francis (1968). De acordo com as curvas de secagem, o período de taxa constante ocorreu até 84 e 36 min para 50 e 70 oC, respectivamente, então iniciou-se o período de taxa decrescente. O conteúdo de antocianinas foi de 38,33 ± 0,57, 13,38 ± 0,43, 12,65 ± 0,49 g/100 g de amostra seca nas folhas de eucalipto in natura, secas a 50 e 70 ºC, respectivamente.

Artigo:

Palavras-chave: antocianinas, cinética, produtos naturais,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobec-ic-02-ft-035

Referências bibliográficas
  • [1] ANDERSEN, O.M., CABRITA, L., FOSSEN, T. (1998), “Colour and stability of pure anthocyanins infuenced by pH including the alkaline region”, Food Chemistry, v.63, n.4, p. 435-440.
  • [2] CARRATU, E. Andamp; SANZINI, E. (2005), “Sostanze biologicamente attive presenti negli alimenti di origine vegetable”. Ann. Ist. Super Sanità, 41 (1), p.7-16.
  • [3] CRAVEIRO, A. A., QUEIROZ, D. C. (1993), “Óleos Essenciais em Química Fina”. Quim. Nova, v. 16, p 224-228.
  • [4] FRANCIS, F.J. (1989), “Food Colorants: anthocyanins”, Critical Reviews Food Science Nutrition, v.28, n.4, p.273-31
  • [5] FULEKI T. e FRANCIS F. J. (1968), “Quantitative methods for anthocyanins: 1. Extraction and determination of total anthocyanin in cranberries”, Journal of Food Science, v. 33, p.72-77.
  • [6] GAO, L.; MAZZA, G. (1996) Extraction of anthocyanin pigments from purple sunflower hulls, Journal of Food Science, v. 61, p.600–603.
  • [7] HILTON, B.W.; LIN, R.I.; TOPOR, M.G. (1982) Processed anthocyanin pigment extracts, Patente americana 4.320.009.
  • [8] HORST, M. A., LAJOLO, F. M. (2011), “Biodisponibilidade de compostos bioativos de alimentos”. Nutrição Clínica Estética. Belo Horizonte – BH.
  • [9] LOPES, R. M., OLIVEIRA, T. T. DE, NAGEM, T.J. E PINTO, A. DE S. (2000), “Flavonóides” Biotecnologia, Ciência Andamp; Desenvolvimento, v. 17, p.18-22.
  • [10] LOPES, T. J., XAVIER, M. F., QUADRI, M. G. N., QUADRI, M. B., (2007) “Antocianinas: uma breve revisão das características estruturais e da estabilidade”, R. Bras. Agrociência, Pelotas, v.13, n.3, p. 291-297.
  • [11] MACHADO, F., ROSA, G. (2012), “Estabilidade das antocianinas presentes na amora-preta (rubus spp.) após o processo de secagem”, Anais do CIC-UFPEL, Pelotas – RS.
  • [12] MACHADO, L. M. M., ROSA, G. S. (2013), “Secagem de folhas de oliveira em leito fixo: Avaliação dos compostos bioativos”. Anais do XXXVI Congresso Brasileiro de Sistemas Particulados. Universidade Federal de Alagoas. Maceió-AL.
  • [13] MARÇO, P. H., POPPI, R. J. (2008), “Procedimentos analíticos para identificação de antocianinas presentes em extratos naturais”, Química Nova, v. 31, n. 5, p. 1218-1223.
  • [14] MOCHI, V. T. (2005), Efeito da temperatura de secagem no rendimento do óleo essencial e teor de 1,8-cineol presentes nas folhas de Eucalyptus camaldulensis, UNICAMP – SP (dissertação de mestrado), 91p.
  • [15] MUJUMDAR, A. S. et al., (2006), Handbook of industrial drying. 3ª ed.
  • [16] RADÜNZ, L. L.; MELO, E. C.; MACHADO, M. C.; SANTOS, R. R.; SANTOS, R. (2001), Secagem em camada delgada de folhas de Lippia sidoides.CONBEA – PR.
  • [17] SILVA-SANTOS, A., ANTUNES, A. M. S., BIZZO, H. R., D’AVILA, L. A. (2006), “Análise Técnica, Econômica e de Tendências da Indústria Brasileira de Óleos Essenciais”. Rev. Bras. Pl. Med., 8, 14.
  • [18] VITTI, A. M. S., BRITO, J. O. (2003). “Óleo essencial de eucalipto”. Documentos Florestais, n.17.
  • [19] ZEN, F. G. (2010), Estudo da secagem convectiva do bagaço de mirtilo visando minimizar a perda de compostos antociânicos. UFRGS – RS (tese de doutorado).
Como citar:

VARGAS, B. S.; RICARDO, L. P.; ROSA, G. S.; "AVALIAÇÃO DE COMPOSTOS BIOATIVOS EM FOLHAS DE EUCALIPTO APÓS SECAGEM EM LEITO FIXO", p. 301-306 . In: . São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobec-ic-02-ft-035

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações