Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Análise das propriedades físico-químicas do biodiesel de girassol e do ecodiesel nas proporções B2.5, B7.5, B10, B25, B50 e B75

Obtaining Biodiesel Sunflower and Ecodiesel in Proportions B2.5, B7.5, B10, B25, B50 and B75

OLIVEIRA, Daniele da Silva; SOUZA, Luiz Di; CALDEIRA, Vinícius Patrício da Silva; PEREIRA, Marília Gabriela Araújo; NETO, Miguel Martins dos Santos; MOURA, Tamara Miranda de;

Completo:

O biodiesel é um dos biocombustíveis que vem tendo destaque na produção mundial de energias alternativas. Uma opção de oleaginosa que se destaca para produção de biodiesel é o girassol, uma cultura que apresenta características favoráveis sob o ponto de vista agronômico, como ciclo curto, elevada qualidade e bom rendimento em óleo (aproximadamente 48 a 52%). O girassol apresenta boa tolerância à seca e ao calor, podendo tornar-se uma importante alternativa para o semiárido brasileiro. No Brasil, a utilização dos óleos vegetais puros como combustíveis não está autorizada. A Lei nº 11.097, determina que todo diesel vendido no país, deve ser constituído pela mistura de óleo diesel/biodiesel, conforme especificação da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Atualmente é obrigatório a mistura de 7 % de biodiesel no óleo diesel. Assim se faz necessário estudar o comportamento das misturas para observar se obedecem a legislação, o que é feito pela verificação do valor de algumas propriedades que tem limites máximos ou mínimos e métodos de análise pré-estabelecidos. Nesse trabalho objetivou-se produzir o ecodiesel nas proporções B2.5, B7.5, B10, B25, B50 e B70 a partir do biodiesel de girassol, caracterizá-los via propriedades físico-químicas e térmicas e verificou se os mesmos obedecem a legislação vigente. Foram determinadas as propriedades físico-químicas: viscosidade, densidade, índice de saponificação, ponto de fulgor e combustão do biodiesel e dos ecodieseis e realizadas as análises termogravimetricas (TG/DTG). Os resultados obtidos via TG e DTG mostram que óleo de girassol, apresentou uma única perda de massa que ocorreu na temperatura de 415 °C. Essa única etapa de decomposição pode ser atribuída à volatilização e/ou decomposição dos triglicerídeos. O biodiesel apresentou apenas uma única perda de decomposição térmica na temperatura de 265 °C, referente a volatilização e/ou decomposição dos ésteres metílicos. Os resultados mostraram que a conversão de triglicerídeos em ésteres metílicos foi de 98,1 %. As propriedades físico-químicas densidade e viscosidade do biodiesel apresentaram-se fora das especificações da ANP. Para os ecodieseis ainda não existem normas para todas as quantidades que foram analisadas. Foi observado que os valores de viscosidade, densidade, índice de saponificação e ponto de fulgor e combustão são proporcionais ao aumento da quantidade de biodiesel nas misturas (ecodieseis), sendo este um resultado esperado, devido ao acréscimo dos ésteres (biodiesel) que possuem massa molecular maior que a dos hidrocarbonetos presentes no diesel. Este acréscimo gera uma maior lubricidade, reduzindo a quantidade de lubrificantes a ser adicionado ao diesel. O resultado do ponto de fulgor indica que o biodiesel e os ecodieseis possuem maior segurança no armazenamento, em relação ao diesel.

Completo:

Biodiesel is a biofuel that comes with prominence in world production of alternative energy. An oleaginous alternative that stands for biodiesel production is the sunflower, a culture that has favorable characteristics from the agronomic standpoint, as short cycle, high quality and good yield in oil (approximately 48 to 52%). Sunflower has good tolerance to drought and heat, could become an important alternative in the Brazilian semiarid region. In Brazil, the use of pure vegetable oil as fuel is not allowed. Law No. 11,097, stipulates that all diesel sold in the country must be made by mixing diesel / biodiesel oil, as specified by the National Petroleum Agency (ANP). It is currently required the mixture of 7% biodiesel in diesel fuel. Thus it is necessary to study the behavior of mixtures to see if obey the law, which is done by checking the value of some properties that have maximum or minimum limits and pre-established analytical methods. This work produced the ecodiesel in proportions B2.5, B7.5, B10, B25, B50 and B75 from the sunflower biodiesel characterizes them via physicochemical properties and thermal and check whether they comply with current legislation. They determined the physicochemical properties viscosity, density, saponification number, flash point and combustion of biodiesel and ecodieseis and made the thermogravimetric analysis (TG / DTG). The results obtained through TG and DTG show that sunflower oil, showed a weight loss only occurred at a temperature of 415 ° C. This single-step decomposition can be attributed to volatilization and / or decomposition of the triglycerides. Biodiesel showed only a single loss of thermal decomposition at a temperature of 265 ° C, referring to volatilization and / or degradation of the methyl esters. The results showed that the conversion of triglycerides to methyl esters was 98.1%. The physicochemical properties density and viscosity of biodiesel showed up outside the ANP specifications. For ecodieseis there are still no standards for all quantities that were analyzed. It was observed that the viscosity values, density, saponification index and flash point and combustion are proportional to the increase of the amount of biodiesel in the blends (ecodieseis), which is an expected result, due to the addition of the esters (biodiesel) having a mass molecular higher than the hydrocarbons present in diesel. This increase produces a greater lubricity, reducing the amount of lubricant to be added to diesel. The result of flashpoint indicates that biodiesel and ecodieseis have greater safety in storage, compared to diesel.

Palavras-chave: Biodiesel de girassol; ecodiesel; caracterização.,

Palavras-chave: Sunflower biodiesel; ecodiesel; Description,

DOI: 10.5151/chenpro-5erq-fq7

Referências bibliográficas
  • [1] ALTIPARMAK, D. et al. Alternative fuel properties of tall oil fatty acid methyl ester-diesel fuel blends. Bioresource Technology, v. 98, n. 8, p. 241-246, 2007.
  • [2] BRASIL. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Resolução ANP Nº 45, de 25 de agosto de 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2015.
  • [3] BRASIL. Presidência da República. Lei 11.097. Brasília: 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2015.
  • [4] BAROUTIANA, S. et al. Potassium hydroxide catalyst supported on palm shell activated carbon for transesterification of palm oil. Fuel Process Technol, v. 91, n. 32, p. 1378-1385, 2010.
  • [5] CASTRO, M. P. P. et al. Thermal properties measurements in biodiesel oils using photothermal techniques. Chemical Physics Letters, v. 411, n. 1-3, p. 18-22, 200
  • [6] CONCEIÇÃO, M. M. et al. Dynamic kinetic calculation of castor oil biodiesel. Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, v. 87, n. 3, p. 865-869, 2007.
  • [7] COSTA NETO, P. R. et al. Produção de biocombustível alternativo ao óleo diesel através da transesterificação de óleo de soja usado em frituras. Química Nova, v. 23, n. 4, p. 531-537, 2000.
  • [8] DRUMM, F. C. et al. Poluição atmosférica proveniente da queima de combustíveis derivados do petróleo em veículos automotores. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Digital, v. 18 n. 1, p. 66-78, 2014.
  • [9] DZIDA. M.; PRUSAKIEWICZ, P. The effect of temperature and pressure on the physicochemical properties 2 of petroleum diesel oil and biodiesel fuel. Fuel, v. 87, n. 10, p. 1941-1948, 2008.
  • [10] EMBRAPA- Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias. 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2015.
  • [11] GALVÃO, L. P. F. C. et al. Comparative study of oxidative stability of sunflower and cotton biodiesel through P-DSC. Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, v. 106, n. 2, p. 625-629, 20
  • [12] GUARIEIRO, L. L. N.; VASCONCELOS, P. C.; SOLCI, M. C. Poluentes atmosféricos provenientes da queima de combustíveis fósseis e biocombustíveis: uma breve revisão. Revista Virtual de Química, v. 3, n. 5, P. 434-445, 2011.
  • [13] HOSSAIN, A. K.; DAVIES, P. A. Plant oils as fuels for compression ignition engines: a technical review and life-cycle analysis. Renew Energy, v. 35, n. 1, p. 1-13, 2010.
  • [14] KEGL, B. Effects biodiesel on emissions of a bus diesel engine. Bioresource Technology, v. 88, n. 4, p. 836-873, 2008.
  • [15] LAPUERTA, M.; RODRIGUEZ-FERNANDEZ, J.; AGUDELO, J. R. Diesel particulate emissions from used cooking oil biodiesel. Bioresource Technology, v. 99, n. 4, p.731-740. 2008.
  • [16] MACLEOD, C. S. et al. Evaluation of the activity and stability of alkali-doped metal oxide catalysts for application to an intensified method of biodiesel production. Chemical Engineering Journal, v. 135, n. 1-2, p. 63-70, 2008.
  • [17] MAHAMUNI, N. N.; ADEWUYI, Y. G. Optimization of the synthesis of biodiesel via ultrasound-enhanced base-catalyzed transesterification of soybean oil using a multifrequency ultrasonic reactor. Energy & Fuels, v. 23, n. 5, p. 2757-2766, 2009.
  • [18] MOSER. B.R. Biodiesel production, properties, and feedstocks. Invited review, In Vitro Cellular & Developmental Biology - Plant, v. 45, p. 229–266, 2009.
  • [19] OLIVEIRA, D. S. et al. Obtenção do biodiesel de Moringa Oleifera Lam e do ecodiesel na proporção B5, B10, B20 E B30. Química: ciência, tecnologia e sociedade, v. 1, n. 2, p. 49-60, 2012a.
  • [20] OLIVEIRA, D. S. et al. Obtenção do biodiesel através da transesterificação do óleo de Moringa Oleífera Lam. Holos, v. 1, n. 28, p. 49-61, 2012b.
  • [21] ÖNER, C.; ALTUN, S. Biodiesel production from inedible animal tallow and an experimental investigation of its use alternative fuel in a injection diesel engine. Applied Energy, v. 86, n. 10, p. 2114-2120, 2009.
  • [22] PARENTE, E. J. S., Biodiesel: uma aventura tecnológica num país engraçado. Fortaleza: Unigráfica, 2003.
  • [23] REPORTERBRASIL. Os impactos da soja na safra 2009/10. Centro de Monitoramento de Agrocombustíveis. 2010. Disponível: . Acesso em: 23 set. 2015.
  • [24] REVELLAME, E. et al. Biodiesel from activated sludge through in situ transesterification. Journal of Chemical Technology and Biotechnology, v. 85, n. 5, p. 614-620, 2009.
  • [25] RUSCHEL, C. F. C, et. al. Análise exploratória aplicada a espectros de reflexão 12 total atenuada no infravermelho com transformada de fourier (atr-ftir) de blendas de biodiesel/diesel. Química Nova, v. 37, n. 5, p. 810-815, 2014.
  • [26] SANTOS, A. G. D. Avaliação da Estabilidade Térmica e Oxidativa do Biodiesel de Algodão, Girassol, Dendê e Sebo Bovino. 2010. 185f. Dissertação (Mestrado em Química) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal-RN, 2010.
  • [27] SILVA, A. A. L. et al. Síntese e Caracterização de Biodiesel de Sebo Bovino e de sua Mistura B10. Orbital: The Electronic Journal of Chemistry, v. 7, n. 1, p. 21-27, 2015.
  • [28] TUDORACHI, N.; MUSTATA, F. Thermal degradation and evolved gas analysis of some vegetable oils using TG/FT-IR/MS technique. Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, v. 119, n. 3, p. 1703-1711, 2015.
  • [29] TYAGI, V. K.; LO, S. Sludge: A waste or newable source for energy and resources recovery?. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 25, p. 708-728, 2013.
Como citar:

OLIVEIRA, Daniele da Silva; SOUZA, Luiz Di; CALDEIRA, Vinícius Patrício da Silva; PEREIRA, Marília Gabriela Araújo; NETO, Miguel Martins dos Santos; MOURA, Tamara Miranda de; "Análise das propriedades físico-químicas do biodiesel de girassol e do ecodiesel nas proporções B2.5, B7.5, B10, B25, B50 e B75", p. 527-536 . In: Anais do V Encontro Regional de Química & IV Encontro Nacional de Química [=Blucher Chemistry Proceedings].. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2318-4043, DOI 10.5151/chenpro-5erq-fq7

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações