fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CORANTES NATURAIS (URUCUM) E ARTIFICIAIS

CORDOVA, A. P.; SOUZA, B. S.; CASTRO, H.; DAMÁSIO, M. C.; ALVES JR, C. A.;

Artigo:

A indústria têxtil teve um papel importante no desenvolvimento das civilizações, desde a manufaturas de tecidos, que acontece desde antes de Cristo, até os dias atuais. O desenvolvimento de corantes sintéticos permitiu a produção de inúmeras tonalidades de fibras tingidas, porém o efluente gerado é de difícil tratamento, e já causou inúmeros impactos ambientais devido a fatores, como despejo indevido e acidentes industriais. Este trabalho teve por objetivo comparar a qualidade do tingimento em tecidos de algodão com um corante natural extraído do urucum, e um sintético (laranja Sidercrom). Após o tingimento, foram feitas análises de cor e também a solidez à lavagem, com o auxílio de um espectrofotômetro X-Rite CA22 e do software Helios v. 3.1. Os resultados mostraram que o tecido tingido com corante natural não apresentou variações em sua tonalidade perceptíveis ao olho nu frente a diferentes tipos de iluminante, além de apresentar uma ótima resistência no teste de solidez à lavagem.

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-1832-17312-145331

Referências bibliográficas
  • [1] Escola SENAI "Francisco Matarazzo". Beneficiamentos Têxteis: lavanderia, tingimento de peças confeccionadas. São Paulo, 2004.
  • [2] FERREIRA, Eber Lopes. Corantes naturais da Flora Brasileira: guia prático de tingimento com plantas. Curitiba: Optograf, 1998.
  • [3] FRANCO, C. F.O. Corantes naturais de urucum (Bixa orellana L.) no tratamento da hiperlipidemia e câncer em animais. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Bioquímica Agrícola da Universidade Federal de Viçosa), 2008. 193 p. Área temática: Engenharia Ambiental e Tecnologias Limpas 7KASSAB, Alvaro Luiz. Algodão: do artesanato indígena ao processo industrial. São Paulo: Íncone, 1986.
  • [4] MENDA, M. Química Viva – corantes e pigmentos. Disponível em: Andlt;http://crqorg.br/default.php?p=texto.phpAndamp;c=quimicaviva_corantespigmentosAndgt;. Acesso em 20 abr. 201
  • [5] NBR ISO 105-A01 – Ensaios de solidez da cor – parte 01: princípios gerais do ensaio. ABNT, 07 ago. 2006.
  • [6] _______ 105-A02 – Ensaios de solidez da cor – parte 02: escala de cinza para avaliação da alteração da cor. ABNT, 07 ago. 200
  • [7] _______ 105-A03 – Ensaios de Solidez da Cor – parte 03: escala de cinza para avaliação da transferência da cor. ABNT, 07 ago. 2006.
  • [8] PANTONE. About Pantone: who we are. Disponível em: Andlt;http://www.pantone.com/ pages/pantone.aspx?pg=19306Andgt;. Acesso em 24 de ago. de 2013.
  • [9] ROCHA, Julio Cesar. ROSA, André Henrique. CARDOSO, Arnaldo Alves. Introdução à Química Ambiental. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 200
  • [10] SELLERINK. Disponível em: Andlt;http://sellerink.com.br/blog/tag/modelo-cielab/Andgt;. Acesso em 26 abr. 2014.
  • [11] TEXCONTROL. Disponível em: Andlt;http://www.texcontrol.com.br/insumo/lampadas.htmAndgt;. Acesso em 26 abr. 2014.
Como citar:

CORDOVA, A. P.; SOUZA, B. S.; CASTRO, H.; DAMÁSIO, M. C.; ALVES JR, C. A.; "ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE CORANTES NATURAIS (URUCUM) E ARTIFICIAIS", p. 9297-9304 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-1832-17312-145331

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações