Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

USOS DA ESCRITA: LINGUAGENS E SABERES EM CONTEXTO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

WILSON, Victoria; CARMO, Thalita Amil do;

Artigo Completo:

Neste trabalho, foi desenvolvida uma pesquisa de caso de natureza etnográfica que se inseree nos estudos sobre letramento especificamente o letramento acadêmico. Ela acontece no âmbito da Faculdade de Formação de Professores-UERJ, São Gonçalo, Rio de Janeiro, nos Cursos de graduação em Português-Literaturas e Português-Inglês em que são incorporadas práticas de leitura e escrita mediadas pelas disciplinas as quais os alunos compartilham linguagens e saberes com seus docentes. Para o estudo em questão, o foco é direcionado à Disciplina Projeto de Monografia, preparatório para o trabalho final de conclusão de curso – TCC, também conhecido como Monografia. Logo, toma-se como pressuposto o argumento de que há diferentes modos de ser letrado (GOULART, 2005). Mesmo em contextos, altamente ritualizados como o acadêmico (WILSON, 2005), que preveem uma escrita homogênea e mais padronizada de acordo com os princípios pautados na racionalidade, objetividade e cientificidade, entende-se a escrita como heterogeneamente constituída e permeada por diferentes vozes (BAKHTIN, 2003, 1993 e CORREA, 2004). Assim, pretende-se analisar as diferentes vozes e linguagens que caracterizam a escrita acadêmica e interferem na dinâmica da aprendizagem de textos no universo dos gêneros acadêmicos, bem como a escrita na universidade: linguagens e saberes em circulação (dialogismo): desafios, dilemas e produção de conhecimento.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Linguagem; Conhecimentos; Discurso acadêmico, Heterogeneidade,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-067

Referências bibliográficas
  • [1] ARROYO, M. Outros sujeitos, outras pedagogias. Rio de Janeiro, Petrópolis: Vozes, 2012.
  • [2] CAMERON, D. On verbal hygiene. (Capítulo 1 de Verbal Hygiene). Traduzido por Marcos Bagno. London, Routledge, 2003, p. 1-3 [1995].
  • [3] CARLINO, P. Escribir, ler y aprender en la universidad: una introducción a la alfabetización académica. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2009.
  • [4] CORRÊA, M. L. G. O modo heterogêneo de constituição da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 200
  • [5] BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: UNESP, Hucitec, 1993.
  • [6] __________. Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. 4. ed. Tradução: Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, [1979] 2003.
  • [7] GOULART, C. Uma abordagem discursiva do processo de aprendizagem da linguagem escrita em diferentes períodos de escolarização formal. (produção interna).
  • [8] MINAYO, M C S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 7. ed. SãoPaulo: Hucitec; Rio de Janeiro: Abrasco, 2000.
  • [9] MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: _______. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 18. ed.Petrópolis: Vozes, 1994. p. 9-2
  • [10] SANTOS, B. de. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 20
  • [11] SIGNORINI, I.. A questão da língua legítima na sociedade democrática. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006, p. 169-190.
  • [12] ____________. (Des)construindo bordas e fronteiras: letramento e identidade social. IN: SIGNORINI, I. (org.). Língua(gem) e identidade. Elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998, p. 139-171.
  • [13] _____________. Por uma teoria da desregulamentação lingüística. In: BAGNO, M. (org.) A lingüística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002, p. 93-125.
  • [14] ____________. Invertendo a lógica do projeto escolar de esclarecer o ignorante em matéria de língua. MAGALHÃES, I. (ORG.). Discursos e práticas de letramento: pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2012, p. 271-288.
  • [15] STREET, B. Os Novos Estudos do Letramento: histórico e perspectivas. In: MARINHO, M., CARVALHO, G. T. (Orgs.). Cultura escrita e letramento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010. p.33-53.
  • [16] ¬¬¬__________. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola, 2014 [1995].
  • [17] WILSON, V. O discurso científico e a formação do professor. IN: GIL, Glória e VIERIA-ABRAHÃO, Maria Helena. Educação de professores de línguas: os desafios do formador. São Paulo: Pontes, 2008. pp. 201-218.
  • [18] _______________. Ser letrado no contexto acadêmico. MAGALHÃES, José Sueli e TRAVAGLIA, L. C. (orgs.). Múltiplas perspectivas em lingüística. UFU: Uberlândia, 2008.
  • [19] ________________. A construção discursiva e identitária na escrita acadêmica. In: ALMEIDA, Fernando Afonso e GONÇALVES, José Carlos. Interação, contexto e identidade em práticas sociais. Niterói: EDUFF, 2009. p. 95-116.
  • [20] WILSON, V., ALVERNAZ, S. Quando marcas identitárias aparecem no artigo científico. Revista Profissão Docente, Uberaba, v.10, n. 22, p. 13-33, jul/dez. 2010.
  • [21] WILSON, V. A institucionalização da escrita no contexto acadêmico. In: GOULART, C. e WILSON, V. (orgs.). Aprender a escrita, aprender com a escrita. São Paulo: Summus, 2011, p. 223-252.
  • [22] ZAVALA, V. Quem está dizendo isso?: letramento acadêmico, identidade e poder na educação superior. In: VOVIO, C., SITO, L., DE GRANDE, P. (orgs.). Letramentos: rupturas, deslocamentos e repercussões de pesquisa em linguística aplicada. São Paulo: Mercado de Letras, 2010. p. 71-98.
Como citar:

WILSON, Victoria; CARMO, Thalita Amil do; "USOS DA ESCRITA: LINGUAGENS E SABERES EM CONTEXTO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES", p. 852-863 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-067

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações