Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Uma Avaliação do Crescimento da Produtividade Brasileira no Século XXI a Partir de Diferentes Métodos de Decomposição

An Assessment of Brazilian Productivity Growth in 21st Century Using Different Decomposition Methods

Torezani, Tomás Amaral;

Artigo:

Este artigo avalia, analítica e empiricamente, as contribuições setoriais para o crescimento da produtividade do trabalho do Brasil ao longo de 20 anos, a partir de diferentes métodos de decomposição. Embora os referidos métodos decomponham o crescimento da produtividade agregada nas contribuições da produtividade setorial e da mudança estrutural (realocação de trabalho entre diferentes atividades econômicas), a diferença fundamental entre eles reside em como tratam a questão das mudanças dos preços relativos em suas formulações. Se, no nível agregado, os resultados dos diferentes métodos tendem a ser menos contraditórios, o mesmo não pode ser dito ao nível setorial. Logo, a escolha do método se torna ainda mais relevante. Dessa forma, o trabalho aplica cinco variações de decomposições para avaliar a evolução da produtividade da economia brasileira ao longo do período 2000-2019 e em diferentes subperíodos, com dados de 51 atividades econômicas. Os resultados encontrados apontam, de fato, para resultados destoantes entre os diferentes métodos de decomposição, chegando a sinais contraditórios de um mesmo efeito estimado.

Artigo:

This article assesses, in both analytical and empirical ways, the sectoral contributions to the labour productivity growth in Brazil over 20 years, using different decomposition methods. Although these methods decompose aggregate productivity growth into the contributions of sectoral productivity and structural change (reallocation of work between different economic activities), the fundamental difference between them lies in how they address the issue of relative price changes in their formulations. If, at the aggregate level, the results of the different methods tend to be less contradictory, the same cannot be said at the sectoral level. Therefore, the method choice even more becomes relevant. Thus, this article applies five decompositions variations to evaluate the evolution the Brazilian economy productivity over the period 2000-2019 and in different sub-periods, with data from 51 economic activities. The results point, in fact, to discordant results between the different decomposition methods, reaching contradictory signs of the same estimated effect.

Palavras-chave: Decomposição do crescimento; Produtividade do trabalho; Economia brasileira; Preços relativos; Contribuições setoriais,

Palavras-chave: Growth decomposition; Labour productivity; Brazilian economy; Relative prices; Sectoral contributions,

DOI: 10.5151/vi-enei-852

Referências bibliográficas
  • [1] ABDI – AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Relatório de acompanhamento setorial: competitividade do setor de bens e serviços ambientais. Campinas: ABDI-NEIT-IE-UNICAMP, 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 mar. 2022.
  • [2] ALMEIDA, L. T.; PRESSER, M. F. Bens e serviços ambientais e as negociações na OMC. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica Vol. 5:1-11, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 fev, 202
  • [3] BARCELOS, T. R. F.; ANSANELLI, S. L. M. . Desenvolvimento Sustentável e Ecoindústria: um mapeamento das empresas de tecnologias limpas no Brasil. In: XIV Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, 2021, Itabuna. Anais dos Encontros da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, v. 14, 2014. DOI: https://doi.org/10.29327/153477.14-5.
  • [4] BARTON. J. R. The North-South dimension of the environment and cleaner technology industries. Maastricht, Netherlands, United Nations University: Institute for New Technologies, 1997. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2022.
  • [5] BELDERBOS, R.; DUVIVIER, F.; WYNEN, J. Innovation and export competitiveness: evidence from Flemish firms. [S.l.]: Steunpunt Ondernemen en Internationaal Ondernemen (STOIO), Working Paper, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 de fev. 2022.
  • [6] BELL, M.; PAVITT, K. The development of technological capabilities. In: HAQUE, I. U. (Ed.). Trade, technology and international competitiveness. Washington: The World Bank, p. 69-101, 1995.
  • [7] CASSIOLATO, J. E.; LASTRES H. Discussing innovation and development: Converging points between the Latin American school and the Innovation Systems perspective? Globelics Working Paperes Series, Working Paper 08-02, 2008. Disponível em: Acesso em: 15 fev. 2022.
  • [8] CIMOLI, M.; PORCILE, G.; ROVIRA, S. Structural chance and the BOP-constraint: why did Latin America fail to converge? Cambridge Journal of Economics, p.1-23, 200 DOI: https://doi.org/10.1093/cje/ben060.
  • [9] DAMIJAN, J. P.; KOSTEVC, C.; POLANEC, S. From innovation to exporting or vice versa? Causal link between innovation activity and exporting in Slovenian microdata. [S.l.]: MICRO-DYN.EU Sixth Framework Programme, Working Paper n. 05/08, 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1131156.
  • [10] DIEGUES, A. C; ROSELINO, J.E. Política industrial e indústria 4.0: a retomada do debate em um cenário de transformações no paradigma tecnoprodutivo. Rev. Brasileira de Inovação., Campinas (SP), 19, e0200032, p. 1-18, 2020. DOI: https://doi.org/20396/rbi.v19i0.8661724.
  • [11] DOSI, G.; NELSON, R. An Introduction to Evolutionary Theories in Economics. Journal of Evolutionary Economics, vol. 4, n. 3, p. 153-72, 1994. DOI: https://doi.org/10.1007/BF01236366.
  • [12] ERBER, F. Intervenção do Estado e o desenvolvimento tecnológico-padrão dos países capitalistas centrais. Texto para discussão. Rio de Janeiro: Instituto de Economia Industrial da UFRJ, p. 20, 1983.
  • [13] FAGERBERG, J.; SRHOLEC, M.; Capabilities, economic development, sustainability. Cambridge Journal of Economics, 41, 905–926, 2017. DOI: https://doi.org/10.1093/cje/bew061.
  • [14] FREEMAN, C., Technological infrastructure and international competitiveness. Industrial and Corporate Change, v. 13, n. 3, p. 541-569, 2004. DOI: https://doi.org/10.1093/icc/dth022.
  • [15] FREEMAN, C. The economics of industrial innovation. London: Pinter, 1982.
  • [16] FREEMAN, C. Technology Policy and Economic Performance: Lessons from Japan, London, Pinter, 1987.
  • [17] FURTADO, C. Estado e empresas transnacionais na industrialização periférica. Brazilian Journal of Political Economy, v. 1, n. 1, 1981. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2022.
  • [18] FURTADO, C. Cultura e Desenvolvimento em Época de Crise. Paz e Terra, cáp 09, 1984.
  • [19] FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. En: Cinqüenta anos de pensamento na CEPAL, Rio de Janeiro: Record/CEPAL, 2000-v. 1, p. 239-262, 2000. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2022.
  • [20] JIMENEZ, R., MERCADO, J., Energy intensity: a decomposition and counterfactual exercise for Latin American countries. Energy Econ. 42, 161–171, 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.eneco.2013.12.015.
  • [21] KIM, L. Imitation to Innovation: The Dynamics of Korea’s Technological Learning, Harvard Business School Press, Cambridge, MA, 1997.
  • [22] LALL, S. Technological capabilities and industrialization, World Development, vol. 20, 165–86, 1992. DOI: https://doi.org/10.1016/0305-750X(92)90097-F.
  • [23] LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Development and innovation: learning from the legacies of Freeman and Furtado. Innovation and development, v.7, p.271 - 286, 2017. DOI: https://doi.org/10.1080/2157930X.2017.1361057.
  • [24] MELO, T. M.; CORREA, A. L.; CARVALHO, E. G.; POSSAS, M. L; Competitividade e gap tecnológico: uma análise comparativa entre Brasil e países europeus selecionados. Rev. Bras. Inov., Campinas (SP), 16 (1), p. 129-156, 2017. DOI: https://doi.org/10.20396/rbi.v16i1.8649142.
  • [25] NASCIMENTO, R. M.; ALMEIDA, L. T., Comércio internacional de tecnologias ambientais: o padrão histórico em análise. Rev. Bras. Inov., Campinas (SP), 15 (2), p. 247-274, julho/dezembro 2016. DOI: https://doi.org/10.20396/rbi.v15i2.8649130.
  • [26] OECD/Eurostat. The Environmental Goods and Services Industry: Manual for Data Collection and Analysis, p. 64, 1999. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2022.
  • [27] OECD. Opening markets for environmental goods and services. Policy Brief, Setembro, 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2022.
  • [28] PODICAMENI, M. G., Sistemas de inovação e energia eólica: a experiência brasileira, Tese de Doutorado, Instituto de Economia–Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: http://goo. gl/jmel4y. Acesso em 19 de fev. 2022.
  • [29] SAGASTI, F. Underdevelopment, Science and Technology: The Point of View of the Underdeveloped Countries, Science Studies, Vol. 3, No. 1., 1973. DOI: https://doi.org/10.1177/030631277300300104.
  • [30] SAVONA, M; CIARLI, T. Structural Changes and Sustainability. A Selected Review of the Empirical Evidence. Ecological Economics, 159, p. 244-260, 2019. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecolecon.2019.01.028.
  • [31] SAWYER, D., Economia verde e /ou desenvolvimento sustentável?.Revista Política Ambiental / Conservação Internacional, Belo Horizonte, nº 8, p.36-42, junho de 2011. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2022.
  • [32] YOUNG, C. E. F.; LUSTOSA, M. C. J. A questão ambiental no esquema centro-periferia. Economia, ANPEC – Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação. Niterói (RJ), v.4, n. 2, p.201-221, jul./dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 19 de fev. 2022.
  • [33] YOUNG, Carlos. Economia Verde no Brasil: Desapontamentos e Possibilidades. PolitiKa, Nº 4, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Carlos-Eduardo-Young/publication/308905825_Economia_verde_no_Brasil_desapontamentos_e_possibilidades/links/57f6e1b808ae280dd0bb37ee/Economia-verde-no-Brasil-desapontamentos-e-possibilidades.pdf. Acesso em: 18 fev .2022.
Como citar:

Torezani, Tomás Amaral; "Uma Avaliação do Crescimento da Produtividade Brasileira no Século XXI a Partir de Diferentes Métodos de Decomposição", p. 293-309 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-852

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações