Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Um mapeamento das capacidades tecnológicas nos principais estados industriais brasileiros a partir de um índice multivariado (2008-2017)

Mapping technological capabilities of the most industrializated states of Brazil: a multivariated index proposal (2008-2017)

Dias, Lázaro Cezar; Martinelli Jr, Orlando;

Artigo:

A formação econômica do Brasil atuou no último século distribuindo assimetricamente as atividades manufatureiras e concentrando-as no eixo Sudeste-Sul do país. Por meio de abordagem multivariada de análise de componentes principais, e seguindo principalmente referencial teórico neo-schumpeteriano, o objetivo deste artigo é construir indicadores sintéticos que possam mapear capacidades tecnológicas, produtivas e inovativas, nos estados brasileiros mais industrializados (2008-2017). Foram observadas relativas desigualdades e distância significativa entre os índices resultantes. Destaca-se: i) as capacidades tecnológicas relativas permanecem imutáveis em São Paulo, ii) relativamente estáveis em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, iii) e instáveis nos estados do Amazonas, Pará, Mato Grosso, Ceará, Pernambuco Bahia e Espírito Santo. O estudo possui limitações, haja vista a indisponibilidade de informações para o recorte estadual, que inviabilizam a utilização de mais indicadores na geração dos índices. Contudo, contribui para a compreensão meso-agregada de pormenores geográficos, produtivos e inovativos, da economia brasileira.

Artigo:

The Brazil's economic formation, in the last century, distributed manufacturing activities asymmetrically, concentrating them in the Southeast-South regions of the country. Using a multivariate approach, through principal component analysis, following mainly the neo-Schumpeterian theoretical contributions, the objective of this article is to build synthetic indexes that map technological capabilities, productive and innovative, of the most industrialized Brazilian states (2008-2017). It was detected relative inequalities and significant distance between the results. According to the them, technological capabilities have remained unchanged in São Paulo, relatively stable in Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Santa Catarina and Rio Grande do Sul, and unstable in the states of Amazonas, Pará, Mato Grosso, Ceará, Pernambuco Bahia and Espírito Santo. The study has limitations, given the unavailability of information for state desagregation, whitch limits the use of more indicators in the composition of the index. However, it contributes to the understanding of states capabilities, productive and innovative, in the Brazilian economy.

Palavras-chave: Capacidades Tecnológicas; Sistema de Inovação; Desenvolvimento Regional,

Palavras-chave: Technological Capabilities; System of Innovation; Regional Development,

DOI: 10.5151/vi-enei-870

Referências bibliográficas
  • [1] ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos. A ABIMAQ e a PDP. 2008. Acesso em: 12 abr. 2019. Disponível em:
  • [2] Html/IPDMAQ/10%20A%20ABIMAQ%20e%20a%20PDP%20-%20há%20impresso.pdf>.
  • [3] ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos. ABIMAQ avalia Plano Brasil Maior e medidas anunciadas. São Paulo, 2011. Disponível em:
  • [4] 12&CodigoClipping=200>. Acesso em: 13 abr. 2019.
  • [5] ABIMAQ - Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos. IC -Indicadores Conjunturais: indústria de brasileira máquinas e equipamentos. São Paulo, jul. 2011.
  • [6] ANPEI - Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras. Leis de Incentivo. 2018. Disponível em: Acesso em: 22 abr. 2019.
  • [7] AVELLAR, A. P. M.; BOTELHO, M. R. A. Políticas de apoio à inovação em pequenas empresas: evidências sobre a experiência brasileira recente. Economia e Sociedade (UNICAMP), Campinas, v. 24, n. 2 (54), p. 379-417, ago. 2015.
  • [8] AVELLAR, A. P. M.; BOTELHO, M. R. A. Impact of innovation policies on small, medium and large Brazilian firms. Applied Economics, v. 1, p. 1-17, 201
  • [9] BAHIA, D. S.; GONÇALVES, E.; BETARELLI JUNIOR, A. A. Avaliação do programa de subvenção econômica à inovação: características das empresas beneficiárias e impactos setoriais. In: 46º Encontro Nacional de Economia (ANPEC), Rio de Janeiro, 2018.
  • [10] BAPTISTA, M.A.C. Política Industrial: uma interpretação heterodoxa. Campinas, IE/UNICAMP (Tese de Doutoramento), 2000.
  • [11] BOTELHO, M. R. A.; AVELLAR, A. P. M. Declínio da Política de Inovação no Brasil: uma análise a partir dos dados da PINTEC. Anais 49º Encontro Nacional de Economia, Anpec 2021.
  • [12] CANO, W.; SILVA, A. L. Política industrial do governo Lula. Texto para Discussão IE/UNICAMP, n. 181, 2010.
  • [13] CANO, W. A desindustrialização do Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, v. 21, Número Especial, pp. 831-851, 2012.
  • [14] CHANG, H.-J.; ANDREONI, A. Industrial Policy in a Changing World: Basic principles, neglected issues and new challenges. Cambridge Journal of Economics (40 Years Conference), pp. 1-52, 2016.
  • [15] CHERIF, R; HASANOV, F. The Return of the Policy That Shall Not Be Named: Principles of Industrial Policy. IMF Working Paper, WP/19/74. Washington, DC: International Monetary Fund, 2019.
  • [16] CNDI - CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Plano Brasil Maior: Agendas estratégicas setoriais. Brasília, 2013. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2019.
  • [17] COUTINHO, L.; FERRAZ, J. C.; NASSIF, A.; OLIVA, R. “Industrial Policy and Economic Transformation.” In: SANTISO, J.; DAYTON-JOHNSON, J. (Eds). The Oxford Handbook of Latin America Political Economy. New York: The Oxford University Press, p. 100-133, 2012.
  • [18] DE TONI, J. Uma Nova Governança no Padrão de Relacionamento Público-privado na Política Industrial Brasileira. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 23, n. 55, p. 97-117, 2015.
  • [19] FERRAZ, J. C.; MARQUES, F.S.; ALVES JR, A. J. A contribuição do BNDES para a política industrial brasileira (2004-2014). ABDI: Dez anos de política industrial: balanço & perspectivas (2004-2014), Brasília, 2015.
  • [20] IEDI – INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Indústria e política industrial no Brasil e em outros países. mai. 2011. Disponível em:
  • [21] . Acesso em: 20 set. 2018.
  • [22] LABRUNIE. M. L.; PENNA, C.C.R.; KUPFER, D. The resurgence of industrial policies in the age of advanced manufacturing: an international comparison of industrial policy documents, Revista Brasileira de Inovação, v. 19, e0200020, p. 1-39. Campinas: 2020.
  • [23] LAPLANE, M.; LAPLANE, A. Planes industriales y los desafíos del desarrollo sostenible en Brasil. CEPAL: Políticas industriales y tecnológicas em América Latina, 2017, p. 133-74.
  • [24] OLIVEIRA, M. A.; MENDES, D. R.; MOREIRA, T.; CUNHA, G. H. ANÁLISE ECONOMÉTRICA DOS DISPÊNDIOS EM PESQUISA & DESENVOLVIMENTO (P&D) NO BRASIL. INMR - Innovation & Management Review, 12(3), 268-28, 2015.
  • [25] PERES, W. El (lento) retorno de las políticas industriales en América Latina y El Caribe. Santiago de Chile: CEPAL, 2005. Serie Desarrollo Productivo, n. 166.
  • [26] PINTEC – Pesquisa de Inovação. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Rio de Janeiro. (Edições 2003, 2005, 2008, 2011 e 2014). Disponível em:.
  • [27] PIO, J. G. Impactos dos Gasto em Pesquisa e Desenvolvimento sobre a Economia Brasileira: uma abordagem EGC. 2016. 133 f. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) – Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba: 2016.
  • [28] SALERNO, M. S.; DAHER, T. Política industrial, tecnológica e de comércio exterior: balanços e perspectivas. Brasília: Setembro, 2006.
  • [29] SCHAPIRO, M. G. Ativismo estatal e industrialismo defensivo: instrumentos e capacidades na política industrial brasileira. In: GOMIDE, A. A.; PIRES, R. R. C. (Eds.). Capacidades estatais e democracia: arranjos institucionais de políticas públicas. Brasília: Ipea, 2014. p. 239-265.
  • [30] STEIN, G. Q.; HERRLEIN JÚNIOR, R. Política Industrial no Brasil: uma análise das estratégias propostas na experiência recente (2003-2014). Planejamento e Políticas Públicas, n. 47, p. 251-287, 2016.
  • [31] SUZIGAN, W.; FURTADO, J. Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, vol. 26, n. 2 (102), pp. 163-185 abril-junho/2006.
  • [32] SUZIGAN, W.; FURTADO, J. Instituições e Políticas Industriais e Tecnológicas: Reflexões a partir da Experiência Brasileira. Revista Estudos Econômicos, Vol. 40, n. 1, pp. 7-41, 2010.
  • [33] TEIXEIRA, R. A.; PINTO, E C. A economia política dos governos FHC, Lula e Dilma: dominância financeira, bloco no poder e desenvolvimento econômico. Economia e Sociedade, v. 21, n. Especial, 2012.
  • [34] ULHÔA, W. M. M.; BOTELHO, M. R. A.; AVELLAR, A. P. M. Política industrial no Brasil nos anos 2000: uma análise sob a perspectiva da execução orçamentária da União. Planejamento e Políticas Públicas, n. 53, p. 81-114, 2019.
Como citar:

Dias, Lázaro Cezar; Martinelli Jr, Orlando; "Um mapeamento das capacidades tecnológicas nos principais estados industriais brasileiros a partir de um índice multivariado (2008-2017)", p. 913-933 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-870

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações