Artigo - Open Access.

Idioma principal

Transtorno dissociativo de identidade: exercícios contrafactuais de produtividade multissetorial da economia brasileira no período 2000-2014

Torezani, Tomás Amaral;

Artigo:

O presente trabalho tem como objetivo principal investigar alguns motivos estruturais que podem auxiliar na explicação do baixo nível de produtividade do Brasil no período 2000-2014 tanto em termos agregados quanto em uma perspectiva multissetorial. A partir da World Input-Output Database 2016 realizam-se algumas estimações contrafactuais da produtividade que permitem identificar se a produtividade brasileira seria maior caso apresentasse uma distribuição da estrutura de empregos semelhante à de outras economias, bem como se apresentasse níveis de produtividades semelhantes aos dessas economias. Os resultados obtidos sugerem que a alteração em qualquer dos dois casos traria ganhos potenciais para o Brasil em praticamente todos os setores e com praticamente todos os países tomados como referência. Entretanto, o Brasil seria ainda mais produtivo se as suas atividades econômicas tivessem o nível de produtividade setorial dos países de referência. Nesses termos, apreende-se que o problema da baixa produtividade da economia brasileira das últimas décadas decorre fundamentalmente de fatores estruturais e sistêmicos, e não algo associado a setores específicos.

Artigo:

Palavras-chave: Produtividade do trabalho, exercícios contrafactuais, abordagem multissetorial, World Input-Output 2016, economia brasileira,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-02

Referências bibliográficas
  • [1] BAUMOL, W. J. Macroeconomics of unbalanced growth: the anatomy of urban crisis. The American Economic Review, v. 57, n. 3, p. 415-426, 1967. BONELLI, R. Labor productivity in Brazil during the 1990s. Texto para Discussão IPEA, n. 906, set. 2002. BONELLI, R. Produtividade e armadilha do lento crescimento. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R. (Orgs.) Produtividade no Brasil: desempenhos e determinantes, volume Brasília: ABDI: IPEA, p. 111-141, 2014. CARVALHEIRO, N. Uma decomposição do aumento da produtividade do trabalho no Brasil durante os anos 90. R. Econ. Contemp., Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 81-109, jan.-jun., 2003. CHENERY, H. B.; ROBINSON, S.; SYRQUIN, M. (Eds.) Industrialization and growth: a comparative study. New York: Oxford University Press, 1986. CHENERY, H. B.; SYRQUIN, M. Patterns of development. London: Oxford University Press, 1975. DE VRIES, G.; TIMMER, M.; de VRIES, K. Structural transformation in Africa: static gains, dynamic losses. The Journal of Development Studies, v. 51, n. 6, p. 674-688, 2015. CLARK, C., 1940. The conditions of economic progress. London: McMillan & Co, 1940. DIETZENBACHER, E.; LOS, B.; STEHRER, R.; TIMMER, M.; DE VRIES, G. J. The Construction of World Input–Output Tables in the WIOD Project, Economic Systems Research, v. 25, n. 01, p. 71-98, 2013. DUARTE, M.; RESTUCCIA, D. The role of the structural transformation in aggregate productivity. The Quarterly Journal of Economics, v. 125, n. 1, p. 129-173, 2010. FAGERBERG, J. Technological progress, structural change and productivity growth: a comparative study. Structural Change and Economic Dynamics, v. 11, n. 4, p. 393-411, 2000. FEENSTRA, R. C.; INKLAAR, R.; TIMMER, M. P. The next generation of the Penn World Table. The American Economic Review, v. 105, n. 10, p. 3150-3182, 2015. FISHER, A. G. Primary, secondary and tertiary production. Economic Record, v. 15, n. 1, p. 24–38, 1939. HERRENDORF, B.; ROGERSON, R.; VALENTINYI, A. Growth and structural transformation. In: AGHION, P.; DURLAUF, S. N. (Eds.) Handbook of Economic Growth, volume 2B, p. 855-941, 2014. INKLAAR, R.; TIMMER, M. P. The relative price of services. Review of Income and Wealth, v. 60, n. 4, p. 727-746, 2014. JACINTO, P. de A.; RIBEIRO, E. P. Crescimento da produtividade no setor de serviços e da indústria no Brasil: dinâmica e heterogeneidade. Economia Aplicada, v. 19, n. 3, p. 401-427, 2015. KUZNETS, S. Modern economic growth: rate, structure and spread. London: Yale University Press, 1966. McMILLAN, M.; RODRIK, D. Globalization, structural change and productivity growth. In: BACHETTA, M.; JANSEN, M. (Eds.) Making Globalization Socially Sustainable. Geneva: International Labour Organization, 201 MIGUEZ, T.; MORAES, T. Produtividade do trabalho e mudança estrutural: uma comparação internacional com base no World Input-Output Database (WIOD) 1995-2009. In: DE NEGRI, F.; CAVALCANTE, L. R. (Orgs.) Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes, v. 1 – Desempenho. Brasília: ABDI: IPEA, 2014. OCAMPO, J. A.; RADA, C.; TAYLOR, L. Growth and policy in developing countries: a structuralist approach. New York: Columbia University Press, 2009. PENEDER, M. Industrial structure and aggregate growth. Structural Change and Economic Dynamics, n. 14, p. 427-448, 2003. PIEPER, U. Deindustrialisation and the social and economic sustainability nexus in developing countries: cross‐country evidence on productivity and employment. The Journal of Development Studies, v. 36, n. 4, p. 66-99, 2000. ROCHA, F. Produtividade do trabalho e mudança estrutural nas indústrias brasileiras extrativa e de transformação, 1970-200 Revista de Economia Política, v. 27, n. 2, p. 221-241, abr.-jun., 2017. SQUEFF, G. C.; DE NEGRI, F. Produtividade do trabalho e rigidez estrutural no Brasil nos anos 2000. In: Radar: Tecnologia, Produção e Comércio Exterior. Brasília: IPEA, n. 28, ago. 2013. TIMMER, M. P.; de VRIES, G. J. Structural change and growth accelerations in Asia and Latin America: a new sectoral data set. Cliometrica, v. 3, n. 2, p. 165-190, 2009. VELOSO, F.; MATOS, S.; FERREIRA, P. C.; COELHO, B. O Brasil em comparações internacionais de produtividade: uma análise setorial. In: BONELLI, R.; VELOSO, F.; PINHEIRO, A. C. (Orgs.) Anatomia da produtividade no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier: FGV/IBRE, 2017.
Como citar:

Torezani, Tomás Amaral; "Transtorno dissociativo de identidade: exercícios contrafactuais de produtividade multissetorial da economia brasileira no período 2000-2014", p. 21-40 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-02

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações