Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

Tipologia para o redesign de identidades visuais

Matos, Silvia; Coutinho, Solange;

Artigo completo:

Este artigo pretende propor uma tipologia para projetos de redesign em identidades visuais, a partir de uma analogia feita entre o Design e a teoria dos tipos lógicos, tratada teoricamente pela Psicologia. A necessidade deste estudo nasceu a partir de experiências anteriores, quando verificamos que os tipos de redesign se distinguem em categorias: aqueles que refazem completamente o projeto e outros que realizam alterações, preservando, de alguma maneira, a identidade da marca, por vezes estabelecida. E, por outro lado, não identificamos uma terminologia que estabeleça uma classificação para tais projetos, além de não termos encontrado critérios consensuais que os caracterizassem. Como metodologia, ancoramos nossos estudos sobre mudança, vista em Matos (2015), além de Watzlawick, Weakland & Fisch (1977). E quanto aos construtos teóricos sobre identidade visual, utilizamos os apontamentos de Airey (2010), Peón (2009), Strunck (2012) e Wheller (2012). Como resultados, obtivemos uma classificação do redesign em 1ª ordem, 2ª ordem e 3ª ordem, associando à essa categorização, particularidades que distinguem cada tipo de projeto, como o fator motivador, suas características e os objetivos de cada tipo de categoria. Essa classificação será importante para a continuidade dos estudos de pós-graduação em Design, para sistematização de um método de ensino de criação de identidades visuais.

Artigo completo:

Palavras-chave: tipologia, identidades visuais, redesign,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/9cidi-congic-1.0046

Referências bibliográficas
  • [1] Airey, D. (2010). Design de Logotipos que todos amam. Um guia para criar identidades visuais. Rio de Janeiro: Editora Alta Books.
  • [2] Baptista, T. A. A. A. A. (2019). [trans]formação dos objetos: um estudo sobre a contribuição dos aspectos históricos da Teoria da Atividade para o design. 2019. 237f. (Tese não publicada) – Programa de Pós-Graduação em Design. Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife.
  • [3] Lupton, E. & Miller, A. (2008). ABC da Bauhaus: a Bauhaus e a teoria do Design. São Paulo: Cosac-Naify.
  • [4] Matos, R. (2015). Liderança Cidadã, um novo modelo de liderança nas organizações. Disponível na www.amazon.com.br, 2015.
  • [5] Matos, S. & Souza, I. (2018). Fuxicando no I.GO: testando o protótipo do método de criação de identidades visuais – Fuxico. In: CIDI-CONGIC Congresso Internacional de Design de Informação. Natal, 2017. Anais do 8º CIDI e 8º CONGIC. Sociedade Brasileira de Design da Informação – SBDI. Natal, Brasil.
  • [6] Peón, M L. (2009). Sistemas de Identidade Visual. Rio de Janeiro: 2AB.
  • [7] Strunck, G. (2012). Como criar identidades visuais para marcas de sucesso. Rio de Janeiro: Editora Rio Books.
  • [8] Vollmer, Lara (2012). ABC da ADG. São Paulo: Editora Blucher.
  • [9] Wheller, A. (2012). Design de identidade da Marca. São Paulo: Editora Bookman.
  • [10] Watzlawick, P.; Weakland, J. & Fisch, R. (1977). Mudança. São Paulo: Editora Cultrix.
Como citar:

Matos, Silvia; Coutinho, Solange; "Tipologia para o redesign de identidades visuais", p. 36-45 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-1.0046

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações