Resumo - Open Access.

Idioma principal

TEXTOS URBANOS: DISPOSITIVOS DE EMOÇÃO PARA TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

Melo, Marcela Araujo; Silva, Sérgio Antonio;

Resumo:

Na primeira década deste novo milênio, as grandes cidades ao redor do mundo foram tomadas por ações espontâneas que alteram o cotidiano das pessoas. Algumas dessas intervenções urbanas, a partir de frases simples e divertidas, provocam sorrisos, despertam lembranças, promovem a interação e funcionam, portanto, como dispositivos de emoções e reações positivas. De forma colaborativa e participativa, essas práticas contribuem para a sensibilização dos cidadãos e para o estabelecimento de novas relações socioespaciais. Sendo assim, o propósito deste texto é compreender de que forma as intervenções urbanas, especificamente os textos urbanos, funcionam como dispositivos de emoção que podem contribuir como referência para a atuação do designer como agente de transformação social.

Artigo selecionado para publicação na ESTUDOS EM DESIGN (https://www.eed.emnuvens.com.br/design/)  

Resumo:

Palavras-chave: intervenções urbanas; dispositivo; transformação social,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0256

Referências bibliográficas
  • [1] AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.
  • [2] BARJA, Wagner. Intervenção/terinvenção: a arte de inventar e intervir diretamente sobre o urbano, suas categorias e o impacto no cotidiano. Rizoma.net-Artefato, p.311-314, 200 Disponível em: . Acesso em 15 mai.2015.
  • [3] BRAGA, José Luiz. Dispositivos interacionais. In: ENCONTRO COMPÓS, 20, 2011, Porto Alegre. Disponível em: . Acesso em 29 fev. 2016.
  • [4] BONDÍA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, nº 19, p. 20-28, 2002.
  • [5] BRUCK, Mozahir S. Palavra: Dispositivo. Revista Dispositiva. v.1 n.1, maio/out, p. 39-44, 2012.
  • [6] BURNHAM, Scott. The call and response of street art and the city. City: analysis of urban trens, culture, theory, policy, action. London, 14:1-2, 137-153. 2010. Disponível em: . Acesso em 16 nov.2014.
  • [7] CARDOSO, Rafael. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.
  • [8] CELASCHI, F; MORAES, D. Futuro, bem estar, interdependência: palavras-chave para o design contemporâneo. Cadernos de Estudos Avançados em Design: design e humanismo. Barbacena: EdUEMG, v.8, p.35 – 60, 2013.
  • [9] CHAIA, Miguel. Artivismo – Política e Arte Hoje. Revista Aurora. São Paulo, v.1, p.9 – 11, 2007. Disponível em: . Acesso em 16 nov. 2014.
  • [10] COCCHIARALE, Fernando. A (outra) arte contemporânea brasileira: intervenções urbanas micropolíticas. Rizoma.net-Artefato, p. 12 - 19, 2002. Disponível em: . Acesso em 15 mai.2015.
  • [11] KRUCKEN, Lia. Competências para o design na contemporaneidade. Cadernos de Estudos Avançados em Design: Design e Transversalidade, Belo Horizonte, v. 1, p. 23-32, 2008.
  • [12] MANZINI, Ezio. Design para inovação social e sustentabilidade: comunidades criativas, organizações colaborativas e novas redes projetuais. Rio de Janeiro: E-papers, 2008.
  • [13] MANZINI, E; VEZZOLI, C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2011.
  • [14] MARQUEZ, R.; CANÇADO, W. Na corda bamba. ENARTCI: emergência, Ipatinga: Hibridus, p.70 -74, 2010. Disponível em: . Acesso em 08 jun.2015.
  • [15] MARQUEZ, Renata Moreira. Cidades em instalação: arte contemporânea no espaço urbano. Dissertação (mestrado). Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais. Curso de mestrado da Escola de Arquitetura. 2000. Disponível em: . Acesso em 08 jun.20
  • [16] MESQUITA, André. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva. Dissertação (mestrado). São Paulo: Universidade de São Paulo. Programa de pós-graduação em História. 2008. Disponível em: < http://www.espiral.fau.usp.br/arquivos-artigos/2008-dissertacao_Andre_Mesquita.pdf>. Acesso em 20 mar.2015.
  • [17] MORAES, Dijon De. Limites do design. São Paulo: Studio Nobel, 1997.
  • [18] MORIN, E.; WULF, C. Planeta: a aventura desconhecida. São Paulo: UNESP, 2003.
  • [19] NORMAN, Donald A. Design Emocional: Por que adoramos (ou detestamos) os objetos do dia-a-dia. São Paulo: Rocco, 2008.
  • [20] PALLAMIN, Vera M. Arte Urbana, São Paulo Região Central (1945 - 1998): obras de caráter temporário e permanente. São Paulo: Fapesp, 2000. Disponível em: Acesso em: 03 mar.2014.
  • [21] THACKARA, J. In the bubble: designing in a complex world. Cambridge: MIT, 2005.
Como citar:

Melo, Marcela Araujo; Silva, Sérgio Antonio; "TEXTOS URBANOS: DISPOSITIVOS DE EMOÇÃO PARA TRANSFORMAÇÃO SOCIAL", p. 2984-2996 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0256

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações