Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

SEMENTES E SEEDING NA REDE: O METADESIGNER E AS POSSIBILIDADES DE SUBVERSÃO PARA INOVAÇÃO SOCIAL

Michelin, Coral; Franzato, Carlo; Gaudio, Chiara Del;

Artigo Completo:

O fenômeno da globalização, entre outras coisas, tornou técnicas, ferramentas e tecnologias disponíveis para indivíduos que, até recentemente, se encontravam apenas subjugados pelos interesses dos atores que dominam os fluxos financeiros e econômicos globais . Pressupõe-se que as mesmas tecnologias usadas por esses atores hegemônicos podem ser aproveitadas para difundir alternativas que subvertem a lógica da dominação, espalhando , pela rede de comunicação e informação mundial, sementes que carregam potenciais inovações sociais. A partir desse pensamento, o presente artigo apresenta o seeding como uma possível ação metaprojetual , no âmbito do design estratégico , para alcançar esse propósito positivamente subversivo. Antecipando um possível obstáculo, reflete acerca do papel da subjetividade como base cognitiva na qual as sementes possam ancorar, desencadeando o processo da inovação.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Metaprojeto. Rede. Seeding. Inovação Social.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0179

Referências bibliográficas
  • [1] BASSO, C. M.; FRANZATO, C.; FREIRE, K.; BORBA, G. S. Organizações colaborativas como sistemas abertos: Contribuições do metaprojeto para fomentar ações de inovação social. In: Anais do 5º Simpósio Brasileiro de Design Sustentável [Blucher Design Proceedings, v.2, n.5]. São Paulo: Blucher, p. 319-330 , 2016.
  • [2] CAPRA, F. A teia da vida: Uma compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Editora Cultrix, 1996.
  • [3] CAULIER-GRICE, J., DAVIES, A., PATRICK, R., NORMAN, W. Defining Social Innovation - Part 1. A deliverable of the Project “The theoretical, empirical and policy foundations for building social innovation in Europe” (TEPSIE), European Commission – 7th Framework Programme, Brussels: European Commission, DG Research. 2012.
  • [4] CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 20 09.
  • [5] CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2013.
  • [6] DELEUZE, G, GUATTARI, F. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia 2. Vol.1. Rio de Janeiro: Editora 34, 2011.
  • [7] FISCHER, G; GIACCARDI, E. Meta-Design: A Framework for the Future of End-User Development. In: LIEBERMAN, H., PATERNÒ, F., WULF, V. ( Org.). End User Development: Empowering People to Flexibly Employ Advanced Information and Communication Technology. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2004.
  • [8] FISCHER, G.; GIACCARDI, E. Creativity and Evolution: A Metadesign Perspective. 2005.
  • [9] FISCHER, G.; OSTWALD, J. Seeding, Evolutionary Growth, and Reseeding: Enriching Participatory Design with Informed Participation. In: Participatory Design Conference (PDC’02), 2002. Sweeden, Malmö University. p. 135-143.
  • [10] FRANZATO, C. O princípio de deslocamento na base do metadesign. In: 11o Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, 2014, Gramado. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2014, p. 1187-1196.
  • [11] GIACCARDI, E. Principles of Metadesign: Processes and Levels of Co-Creation in the New Design Space. 437 f. Tese (Doctor of Philosophy) – University of Plymouth, UK. 2003.
  • [12] GIACCARDI, E. Metadesign as an Emergent Design Culture. Leonardo, v. 38, n. 4, 2005, p.342-349.
  • [13] GUATTARI, F. Heterogênese. In: Caosmose: um novo paradigma estético. Rio de Janeiro: Editora 34, 2012. Págs.11-90
  • [14] LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na era da informática. Rio de Janeiro: Editora 34, 2010.
  • [15] LÉVY, P. A inteligência coletiva: para uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Edições Loyola, 2011.
  • [16] MORIN, E. Entender o mundo que nos espera. In MORIN, E. e VIVERET, P. Como viver em tempos de crise? Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, pp. 7-27, 2013.
  • [17] MORIN, E. Introdução ao Pensamento Complexo. Porto Alegre: Editora Sulina, 2005.
  • [18] MURRAY, R., CAULIER-GRICE, J., MULGAN, G. The Open Book of Social Innovation. Great Britain: NESTA & The Young Foundation, 2010.
  • [19] SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2012.
  • [20] TOURAINE, A. Após a crise: a decomposição da vida social e o surgimento de atores não sociais. Petrópolis: Vozes, 2011.
Como citar:

Michelin, Coral; Franzato, Carlo; Gaudio, Chiara Del; "SEMENTES E SEEDING NA REDE: O METADESIGNER E AS POSSIBILIDADES DE SUBVERSÃO PARA INOVAÇÃO SOCIAL", p. 2101-2110 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0179

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações