Dezembro 2018 vol. 4 num. 1 - VI Congresso Médico Universitário São Camilo

Oral - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

RISCOS DA ANTIBIOTICOTERAPIA NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR: A RESISTÊNCIA DO S.AUREUS PODE SER UM DELES?

RISCOS DA ANTIBIOTICOTERAPIA NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR: A RESISTÊNCIA DO S.AUREUS PODE SER UM DELES?

Bottura, H.R.; Molina, C.A.; Gomes, I.P.; Raia, D.A.;

Oral:

A acne é um distúrbio dos folículos pilossebáceos no qual as glândulas sebáceas ficam entupidas e inflamadas em decorrência da produção excessiva de secreção. A acne vulgar é um dos tipos dessa foliculose e corresponde a uma das condições dermatológicas mais comuns, afetando até 85% da população adolescente e 40% daadulta. As lesões costumam surgir na puberdade em ambos os sexos. Podem ser mínimas, quase imperceptíveis e assim permanecerem durante toda a adolescência. Contudo, em alguns jovens as lesões desenvolvem-se de forma mais evidente e com características polimorfas, de intensidade variável, perturbando a qualidade de vida e desencadeando ou agravando problemas emocionais que podem tornar-se extremamente graves.

Oral:

A acne é um distúrbio dos folículos pilossebáceos no qual as glândulas sebáceas ficam entupidas e inflamadas em decorrência da produção excessiva de secreção. A acne vulgar é um dos tipos dessa foliculose e corresponde a uma das condições dermatológicas mais comuns, afetando até 85% da população adolescente e 40% daadulta. As lesões costumam surgir na puberdade em ambos os sexos. Podem ser mínimas, quase imperceptíveis e assim permanecerem durante toda a adolescência. Contudo, em alguns jovens as lesões desenvolvem-se de forma mais evidente e com características polimorfas, de intensidade variável, perturbando a qualidade de vida e desencadeando ou agravando problemas emocionais que podem tornar-se extremamente graves.

Palavras-chave: “S.AUREUS”; “RESISTANCE”; “ACNE VULGARIS’,

Palavras-chave: “S.AUREUS”; “RESISTANCE”; “ACNE VULGARIS’,

DOI: 10.5151/comusc2018-08

Referências bibliográficas
  • [1] Adetutu AA, Oritsewehi B, Ikhiwili OM, Moradeke AO, Odochi AS, Adeola OE. Studies on Staphylococcus aureus Isolated from Pimples. Pak J Biol Sci. 15 de junho de 2017;20(7):350–4.
  • [2] Dermatologia. Sampaio &Rivitti, 3ª Ed., 2008. Ed. Artes Médicas.
  • [3] Budhiraja A, Dhingra G. Development and characterization of a novel antiacneniosomal gel of rosmarinic acid. Drug Deliv. 18 de agosto de 2015;22(6):723–30.
  • [4] DUNCAN, B. B. et al. (Org.). Medicina Ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.
  • [5] GRABER, M. D. Treatmentof acne vulgaris. Waltham (MA): UpToDate, 2017. Disponível em: . Acesso em: 18 maio 2017.
  • [6] Ozuguz P, Callioglu EE, Tulaci KG, Kacar SD, Balta I, Asik G, et al. Evaluation of nasal and oropharyngeal flora in patients with acne vulgaris according to treatment options. Int J Dermatol. novembro de 2014;53(11):1404–8.
  • [7] Tripathi SV, Gustafson CJ, Huang KE, Feldman SR. Side effects of common acne treatments. Expert OpinDrugSaf. janeiro de 2013;12(1):39–51.
  • [8] Zhanel GG, Rosso JQD. Activity of Dapsone versus Community and Hospital Pathogens from the CANWARD Study. 2016;9(3):6.
  • [9] Delost GR, Delost ME, Armile J, Lloyd J. Staphylococcus aureus carriage rates and antibiotic resistance patterns in patients with acne vulgaris. J AmAcadDermatol. abril de 2016;74(4):673–8.
Como citar:

Bottura, H.R.; Molina, C.A.; Gomes, I.P.; Raia, D.A.; "RISCOS DA ANTIBIOTICOTERAPIA NO TRATAMENTO DA ACNE VULGAR: A RESISTÊNCIA DO S.AUREUS PODE SER UM DELES?", p. 92-99 . In: Centro Universitário São Camilo. São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7282, DOI 10.5151/comusc2018-08

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações