Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Redescobrindo Bajado: artista reconhecido, designer esquecido

Rediscovering Bajado: recognized artist, forgotten designer

Santana, Rafael; Miranda, Eva Rolim;

Artigo completo:

Este trabalho é uma tentativa de resgate do legado gráfico deixado pelo pintor naïf, letrista, cartazista, caricaturista, quadrinista, linotipista, Euclides Francisco Amâncio, popularmente conhecido como Bajado, ‘um artista de Olinda’. Ao trata-lo como designer por vias da nova historiografia, nossa investigação se desenvolveu tangencialmente ao discurso oficial. Nosso procedimento seguiu as seguintes etapas (1) Revisão bibliográfica sobre os métodos da nova história; (2) Revisão bibliográfica sobre a arte em Olinda e a art naïf; (3) Tratamento das informações coletadas nos acervos; (4) Observações sobre a proximidade do trabalho de Bajado com o design. A emersão na história de Bajado enquanto profissional do design apontou sua aderência ao que conhecemos por design vernacular.

Artigo completo:

This work is an attempt to rescue the graphic legacy left by the naïve painter, lyricist, posterist, caricaturist, comic artist, linotyper, Euclides Francisco Amâncio, popularly known as Bajado 'an artist from Olinda'. By treating him as a designer, our research develops tangentially to the artist genius myth by the means of the new historiography. Our procedure followed the following steps (1) Bibliographic review on the methods of the new history; (2) Bibliographic review of art in Olinda and art naïf; (3) Treatment of the information collected in the collections; (4) Notes on the approximation of the work of Bajado with design. Finally, the study in Bajado's history as a design professional pointed a closeness to the vernacular design.

Palavras-chave: Bajado, história do design, memória gráfica,

Palavras-chave: Bajado, design history, graphic memory,

DOI: 10.5151/9cidi-congic-5.0224

Referências bibliográficas
  • [1] Bajado. (2016). Direção de Marcelo Pinheiro. Recife: Opara Filmes (20:19 min), son., color. Vimeo. Disponível em: .
  • [2] Bajado. (1985). Entrevista sobre vida e obra. In. Bajado, um artista de Olinda. – Olinda: Fundação centro de preservação dos sítios históricos de Olinda.
  • [3] Bajado. 1980. Entrevista sobre vida e obra. In. Revista trimestral vidas secas: realidade, cultura e o escambau. N°2, Set-Out-Nov. – Recife: Editora Universitária.
  • [4] Baptista, M. N. (1974). Bajado. Diário de Pernambuco, Recife, 1 set. Notas, p. 11.
  • [5] Burke, P. (1992). A escrita da história: novas perspectivas; - São Paulo: Editora da Universidade estadual paulista.
  • [6] Cardoso, F. A. (2005). As dimensões do design gráfico vernacular - uma introdução ao universo dos letreiros pintados à mão. Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares (Impresso), v. 2, pp. 7-2
  • [7] Carvalho, A. (1985). Pintor do Povo. In CUENTRO, Juliana, Org. Bajado, um artista de Olinda. – Olinda: Fundação centro de preservação dos sítios históricos de Olinda.
  • [8] Córdula, R. (2009). Memórias do Olhar. João Pessoa: Edições Linha D’Água.
  • [9] ___________. (2013). Olinda: Utopia do olhar. Recife: Fundarpe.
  • [10] Cuentro, J. Org. (1985). Bajado, um artista de Olinda. – Olinda: Fundação centro de preservação dos sítios históricos de Olinda.
  • [11] DIÁRIO DA MANHÃ. (1982). Recife, 6 jan. Caderno Local, p.6.
  • [12] DIÁRIO DE PERNAMBUCO. (1980). Recife, 14 mar. Caderno Local, p.8.
  • [13] Fausto, B. (2015). História concisa do Brasil. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.
  • [14] Finizola, F. (2010). Tipografia vernacular urbana: uma análise dos letreiramentos populares. São Paulo: Blucher.
  • [15] FCPSHO (Fundação Centro de Preservação de Sitios Historicos de Olinda). 1981. Jornal Foral de Olinda, n.02, Ago, p. 1.
  • [16] Gombrich, E.H. (2012). A história da arte. – Rio de Janeiro: LTC.
  • [17] Guimarães, J.A. B. (1950). Bajado. Diário de Pernambuco, Recife, 8 fev. Caderno fatos diversos, p.5.
  • [18] Le Goff, J. (1979). História: Novos Problemas. Direção de Jacques le Goff e Pierre Nora; Tradução Theo Santiago. Rio de Janeiro, F. alves.
  • [19] Le Monde. (1973). Art naïf du Brésil. In. Le Monde: home: recherche.
  • [20] < https://www.lemonde.fr/archives/article/1973/04/04/art-naif dubresil_2545116_1819218.html?xtmc=bajado&xtcr=>, 08/11/2018.
  • [21] Luca, T. R. de. (2008). Fontes impressas. In: Fontes Históricas/ Carla Bassanezi Pinsky, (organizadora). - 2.ed., 1ª reimpressão. - São Paulo: Contexto.
  • [22] Micheli, M. de. (2009). As vanguardas artísticas. – São Paulo: Martins Fontes.
  • [23] Melo, J. A. de. (1992). Olinda, carnaval e povo. - Olinda, Fundação centro de Preservação dos sítios históricos de Olinda.
  • [24] Prado, G. (1997). Bajado. – Recife: Cepe.
  • [25] Pinheiro, A. (2009). Manifesto da Ribeira, 1965, pp. 110-111. In. CÓRDULA, Raul. Memórias do Olhar. João Pessoa: Edições Linha D’Água.
Como citar:

Santana, Rafael; Miranda, Eva Rolim; "Redescobrindo Bajado: artista reconhecido, designer esquecido", p. 2347-2360 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-5.0224

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações