Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

QUADRINHOS EM SALA DE AULA: CONTRIBUIÇÕES DE DESIGN NO LETRAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

Fernandes, Cristiana de Almeida; Nojima, Vera Lúcia dos Santos; Malfacini, Ana Cristina dos Santos; Varea, Jesús Jiménez;

Artigo Completo:

Este artigo traz alguns questionamentos e considerações presentes numa pesquisa centrada na tecitura de contribuições do Design que permitam a docentes do ensino básico utilizar o gênero literário quadrinizado (histórias em quadrinhos) na busca do letramento de seus alunos. São muitas as finalidades pelas quais as HQs, em conjunto com jogos e brincadeiras, têm sido reconhecidas como facilitadoras da assimilação e do dinamismo do conteúdo de mensagens intrínsecas, como também ferramenta lúdica para trabalhar diversos assuntos, entre eles, os temas transversais. Para Elydio Neto (2015, p.11) as histórias em quadrinhos são narrativas constituídas por escrita e desenho, que exigem de seus leitores interpretações visuais e verbais e, como dispositivos culturais, buscam construir uma reflexão que se torna um campo favorável à criatividade. A revista em quadrinhos - o gibi, por passar por um processo criativo e por meios de produção em série é produto do design, além de ser meio de comunicação com uma linguagem própria. Cada história e seus personagens são criados e desenvolvidos num projeto global que se constitui por passar por roteiro, desenho, arte-final, colorização, entre outros (BARI, 2008, p.56), podendo estar classificados em diversos subgêneros quadrinísticos, os quais os educadores muitas vezes desconhecem. A oferta de informações, conhecimentos e capacitação acerca do uso de histórias em quadrinhos, nos processos metodológicos calcados no Design, oportuniza ao docente conceber mecanismos didáticos que melhor aproveitem os recursos oferecidos por esse meio na alfabetização visual dos alunos.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Ensino; Design; quadrinhos.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0229

Referências bibliográficas
  • [1] BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
  • [2] ___________. Marxismo e filosofia da linguagem. Rio de Janeiro: Annablume Editora, 1999.
  • [3] BARBOSA, Alexandre; RAMOS, Paulo; VILELA, Túlio; RAMA, ANGELA; VERGUEIRO Waldomiro. Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2014.
  • [4] BARI, Valéria Aparecida. O potencial das histórias em quadrinhos na formação de leitores: busca de um contraponto entre os panoramas culturais brasileiro e europeu. São Paulo: Escola de Comunicação e Artes – ECA/USP, 2008.
  • [5] BONINO, Rachel; VERGUEIRO, Waldomiro. Onomatopeia, imagem e ação. São Paulo: Revista Educação, 2011. Disponível na internet por http em: . Acesso em 15 mai. 2014.
  • [6] BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica / Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.
  • [7] CALAZANS, Flávio. Histórias em quadrinhos na escola. 3 ed. São Paulo: Paulus, 2008.
  • [8] CIRNE, Moacy; MOYA, Álvaro de; D’ASSUNÇÃO, Otacílio; AIZEN, Naumim. (org.) Literatura em quadrinhos no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira / Fundação Biblioteca Nacional, 2002.
  • [9] CIRNE, Moacy. Quadrinhos: sedução e paixão. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.
  • [10] DELEUSE, Gilles. Cinema: a imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1983.
  • [11] DONDIS, Donis A. Sintaxe da linguagem visual. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
  • [12] EISNER, Will. Quadrinhos e arte sequencial. Tradução Luis Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
  • [13] _________. Produção textual, análise de genros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
  • [14] MCCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: Makron, 2005.
  • [15] NAVEGA, Telio; SILVA, Jane Cristina. Quadrinhos no PNBE: o Ministério da Educação responde. São Paulo: O Globo Blog, 2011. Disponível na internet por http em: < HYPERLINK "http://oglobo.globo.com/blogs/gibizada/posts/2011/10/10/quadrinhos-no-pnbe-ministerio-da-educacao-responde-410331.asp" http://oglobo.globo.com/blogs/gibizada/posts/2011/10/10/quadrinhos-no-pnbe-ministerio-da-educacao-responde-410331.asp>. Acesso em 23 abr. 2014
  • [16] NETO, José Elydio dos Santos et. Al. Histórias em quadrinhos e práticas educativas, volume II: os gibis estão na escola, e agora? São Paulo: Criativo, 2015.
  • [17] PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2003.
  • [18] RAMOS, Paulo. O negócio dos quadrinhos. Disponível na internet por http em: . São Paulo: Carta na Escola, n. 79, 2013. Acesso em 11 mai 2014.
  • [19] SANTOS, Roberto Elísio; VERGUEIRO, Waldomiro. Histórias em quadrinhos no processo de aprendizado: da teoria à prática. Comunicação & Educação, São Paulo, ECA-USP, n.27, p.81-95, jan/abr, 2012.
  • [20] _________ . A revista Gibi e a consolidação do mercado editorial de quadrinhos no Brasil. Matrizes, São Paulo, ECA-USP, n.2, vol.8, p. 175-190, jan/jun, 2014.
  • [21] VERGUEIRO, Waldomiro; RAMOS, Paulo. Quadrinhos na educação: da rejeição à prática. São Paulo: Contexto, 2013.
  • [22] VYGOTSKI, Lev Semenovich. Pensamento e linguagem. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003a.
  • [23] _________ . A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994.
Como citar:

Fernandes, Cristiana de Almeida; Nojima, Vera Lúcia dos Santos; Malfacini, Ana Cristina dos Santos; Varea, Jesús Jiménez; "QUADRINHOS EM SALA DE AULA: CONTRIBUIÇÕES DE DESIGN NO LETRAMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA", p. 2677-2688 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0229

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações