Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

PRÁTICAS COLABORATIVAS NA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ALTERNATIVAS AOS ‘MISTÉRIOS’ DO LETRAMENTO ACADÊMICO

VALSECHI, Marília Curado;

Artigo Completo:

Este trabalho apresenta resultados de uma pesquisa de doutorado sobre o estágio supervisionado na formação inicial do professor de língua portuguesa de uma universidade pública paulista. Ancorada na abordagem sociocultural dos Estudos de Letramento e na teoria socioenunciativa do Círculo de Bakhtin, a pesquisa teve por objetivo analisar os modos de inserção dos estagiários nas práticas situadas relativas ao estágio supervisionado. O paradigma teórico permite conceber o estágio enquanto prática acadêmica-profissional, cuja interface entre ambas as esferas – acadêmica e profissional – potencializa a configuração do estágio como entrelugar socioprofissional (REICHMANN, 2012; 2015). Partindo da metodologia qualitativo-interpretativista, de cunho etnográfico, uma variedade de dados foi utilizada, como o planejamento da disciplina, diários de campo, aulas áudio-gravadas, textos produzidos pelos estagiários (ex. relatórios de estágio), documentos da universidade e entrevistas semiestruturadas com professores formados (outrora estagiários). O estudo aponta que há práticas formativas de estágio mais colaborativas e compreensíveis quanto aos objetivos e modos de realização, as quais favorecem a negociação entre letramentos acadêmico e profissional, além do fortalecimento da identidade profissional docente, e outras que, assim como as práticas acadêmicas dominantes, constituem-se práticas institucionais de mistério (LILLIS, 2001). Os resultados apresentados neste artigo mostram que a construção do estágio como entrelugar socioprofissional depende da negociação entre as práticas de letramento acadêmico e profissionais e também do engajamento do estagiário na participação e valoração de suas práticas. Por isso, é importante a adoção de abordagem de ensino culturalmente sensível aos sujeitos na formação universitária.

Artigo Completo:

Palavras-chave: estágio supervisionado; entrelugar socioprofissional; práticas institucionais de mistério,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-043

Referências bibliográficas
  • [1] BAKHTIN, M. [1979] Estética da Criação verbal. Tradução Paulo Bezerra 4a. ed. Martins Fontes, 2003.
  • [2] BARTON, D.; HAMILTON, M. Literacy practices. In: BARTON, D; HAMILTON, M.; IVANIC, R. Situated Literacies: reading and writing in context. London and New York: Routledge, 2000.
  • [3] DE GRANDE, P. B. Formação continuada no local de trabalho do professor: possibilidades de agência e construção de sentidos para a docência. 2015. 263 p. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2015.
  • [4] ERICKSON, F. D. Qualitative methods in research on teaching. In: M. C. Wittrock (Ed.), Handbook of research on teaching. 3 ed. New York, NY: MacMillan, 1986, p. 119-161.
  • [5] GUEDES-PINTO, A. L.; GOMES, G. G.; SILVA, L. C. B. Memórias de leitura e formação de professores. Campinas: Mercado de Letras, 2008.
  • [6] HEATH, S. B. What no bedtime story means: narrative skills at home and school. Language in Society, v.11, n.1, p.49-76, april 1982.
  • [7] KLEIMAN, A. Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: ___. (Org.) Os significados do Letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, p. 15-61, 1995.
  • [8] KLEIMAN, A. B.; SILVA, S. B. B. Letramento no local de trabalho: o professor e seus conhecimentos. OLIVEIRA, M. S.; KLEIMAN, A. B. (Org.). Letramentos múltiplos: agentes, práticas, representações. Natal: EDUFRN, 2008, p.17-40.
  • [9] LEA, M.R.; STREET, B. Student writing in higher education: an academic literacies approach. Studies in Higher Education, Jun 98, Vol. 23, Issue 2, 1998, p. 157-171.
  • [10] ______. The "Academic Literacies" Model: Theory and Applications. Theory Into Practice, 45(4), 2006, p. 368-377.
  • [11] LILLIS, T. M. Student Writing: access, regulation, desire. Londres: Routledge, 2001.
  • [12] MOITA LOPES, L. P. Afinal o que é lingüística aplicada? In: Oficina de lingüística aplicada. Campinas – SP: Mercado de Letras, 1996, p. 17-25.
  • [13] PIETRI, E. O estágio supervisionado em ensino de línguas: a formação do professor entre a escola e a academia. Mesa-redonda “Práticas de estágio e aprendizagem de línguas”. In: VI CLAFPL (Congresso Latino-Americano de Formação de Professores de Línguas), Londrina, 2016.
  • [14] PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
  • [15] REICHMANN, C. L. Tecendo o gênero profissional: o estágio como prática de letramento docente e formação identitária. In: REICHMANN, C. L.; MEDRADO, B. P. (Org.). Projetos e práticas na formação de professores de língua inglesa. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012, p.101-124.
  • [16] ______. Letras e letramentos: escrita situada, identidade e trabalho docente no estágio supervisionado. Campinas: Mercado de Letras, 2015.
  • [17] ROJO, R. H. R. Gêneros discursivos do Círculo de Bakhtin e multiletramentos. In: ____ (org.). [email protected] [email protected]@: os multiletramentos e as TICs: São Paulo: Parábola, 2013, p. 13-36.
  • [18] SCRIBNER, S; COLE, M. The psychology of literacy. Cambridge, Mass., Harvard University Press, 1981.
  • [19] STREET, B. Literacy in theory and practice. Londres: Cambridge University Press, 1984.
  • [20] ______. Dimensões “escondidas” na escrita de artigos acadêmicos. Perspectiva. Florianópolis, v.28, n. 2, 541-567, jul./dez. 2010.
  • [21] ______. Eventos de letramento e práticas de letramento: teoria e prática nos Novos Estudos do Letramento. In: MAGALHÃES, I. (Org.). Discursos e práticas de letramento: pesquisa etnográfica e formação de professores. Campinas: Mercado de Letras, 2012, p. 69-89.
  • [22] VALSECHI, 2016. Afinal, o que é o estágio supervisionado? De labirinto a entrelugar: o estágio proposto pela universidade na visão dos estagiários. 2016. 298 p. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2016.
  • [23] VOLOCHINOV, V. [1929] Marxismo e filosofia da linguagem.11.ed. Tradução Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2004.
Como citar:

VALSECHI, Marília Curado; "PRÁTICAS COLABORATIVAS NA DISCIPLINA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO: ALTERNATIVAS AOS ‘MISTÉRIOS’ DO LETRAMENTO ACADÊMICO", p. 546-560 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-043

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações