Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Prospecção no uso de aplicativos acessíveis Inteligentes: Estudo de dispositivos móveis no serviço de carros compartilhados para pessoas cegas

Prospection of accessible application use Intelligent: Mobile device in car sharing service for blind people.

Poletto, Fernanda;

Artigo completo:

Este artigo como fator de motivação discute sobre a temática abordada por grandes empresas automobilísticas da atualidade como Tesla, Google, Renault, Nissan, Volvo, e Toyota, a respeito do desenvolvimento de transportes e carros autônomos compartilhados nas cidades inteligentes. Na busca por diferenciação, recorre-se como abordagem um estudo sobre plataformas e aplicativos com base no sistema de compartilhamento de veículos ou sistema de car sharing, a fim de tornar acessível este tipo de serviço para pessoas com deficiência, exclusivamente as com deficiência visual. Para conter essa lacuna, levanta-se a seguinte problemática: como o uso de smartphones podem auxiliar no serviço de carros compartilhados para pessoas com deficiência visual? Portanto, o objetivo proposto deste artigo visa identificar o uso eficaz e eficiente na prospecção de aplicativos acessíveis inteligentes, com base no design centrado no usuário (DCU), os quais podem guiar o percurso do deficiência visual em sua rotina diária. Em relação ao método abordado, o artigo apresenta, inicialmente, uma breve revisão da literatura, seguido de uma análise da tarefa (AT) com um relato de um deficiente visual, apontando para a importância desses recursos na vida dos respondentes. Como resultado é apresentada uma breve reflexão sobre as Tecnologias Assistivas (TAs) podem contribuir como guia e orientação no deslocamento de pessoas com deficiência visual. Finalmente, para concluir esse estudo foi revelado que grande parte das soluções desejadas pelos usuários já existem, sendo porém, não adaptadas de maneira adequada ou inacessíveis para esse tipo de público. Além disso, evidenciou-se também que as melhores soluções resultam no trabalho de cooperação entre pesquisadores, empresas automobilísticas, incentivos governamentais e o processo de recursos acessíveis na adaptação de carros compartilhados.

Artigo completo:

This motivating article discusses the issue approached by today's major auto companies like Tesla, Google, Renault, Nissan, Volvo, and Toyota about the development of shared autonomous cars and transport in smart cities. In the search for differentiation, the approach is a study on platforms and applications based on the vehicle sharing system or car sharing system, in order to make this type of service accessible to people with disabilities, exclusively the visually impaired. To close this gap, the following problem arises: How can smartphone use assist in the service of shared cars for the visually impaired? Therefore, the purpose of this article is to identify the effective and efficient use of prospecting for smart accessible apps, based on user experience (UX), which can guide the path of the visually impaired in their daily routine. Regarding the method approached, the article initially presents a brief review of the literature, followed by a task analysis (TA) with a report of a visually impaired person, pointing to the importance of these resources in the respondents' lives. As a result, a brief reflection on Assistive Technologies (ATs) can contribute as a guide and guidance in the displacement of people with visual impairment. Finally, to conclude this study was revealed most of the solutions desired by users already exist, but are not properly adapted or inaccessible to this type of audience. Moreover, it was also evidenced that the best solutions result in cooperative work between researchers, automobile companies, government incentives and the process of accessible resources in adapting share cars.

Palavras-chave: tecnologias assistivas (TAs), aplicativos acessíveis, deficiente visual, aistema de carros compartilhados,

Palavras-chave: assistive technologies (TAs), accessible applications, visual impairment, car sharing system,

DOI: 10.5151/9cidi-congic-4.0308

Referências bibliográficas
  • [1] Alvez, H. (2010). Navegação e controlo de um veículo móvel. Dissertação Mestrado integrado em engenharia electrotécnica e de computadores. FEUP. Porto, PT.
  • [2] Ambrose, G. et al. (2010) Basics Design: Design Thinking. Bookman.
  • [3] AWAD, E. et al. (2018) The moral Machine Experiment. Springer Nature Limited. Vol. 56 MIT. Novembro.
  • [4] Beiker, S. (2012) Legal aspects of autonomous driving. Santa Clara University. Vol. 52. Number Dezembro.
  • [5] Berrada, J. et al. (2017) Modeling Transportation Systems Involving Autonomous Vehicles: A state of the art. Transportation Research Procedia. v.27. pp.215-221.
  • [6] Brown, T. (2010) Design Thinking. Rio de Janeiro. Elsevier.
  • [7] Brunner, R & Emery, S. (2010) Gestão estratégica do Design: Como um ótimo design fará as pessoas amarem sua empresa. São Paulo: M.Books do Brasil.
  • [8] Cross, N. (2011) Design Thinking. Bloomsburry.
  • [9] Demarchi, A. et al. (2011) A gestão de design humanizada pelo design thinking a partir de relações conceituais. Projética Revista Científica de Design. UEL. Vol.2. No.1. Junho.
  • [10] Design Councul. Disponível em: < https://www.designcouncil.org.uk/ > acessado em: 16/01/19
  • [11] Fagnant, D., & Kockelman, K. (2018) Dynamic ride sharing and fleet sizing for a system of shared autonomous vehicle in Austin, Texas. Transportation. Vol.45 pp: 143-158.
  • [12] Fialkowski, V. et al. (2018) V. Gestão de design externa como propulsor de inovação. VI Simpósio de gestão de design. UFPR.
  • [13] Fontenelle, A. Metodologia científica: Como definir os tipos de pesquisa? Disponível em https://www.andrefontenelle.com.br/tipos-de-pesquisa/ Acesso em: 09 set 18.
  • [14] Fussy, P. (2017). Compartilhamento de carros cresce e ganha mais opções no Brasil. Auto Esporte, São Paulo. 7 jul.
  • [15] GIiacomini, S. et al. (2009). O conceito de sistemas produto-serviço: um estudo introdutório. III encontro de sustentabilidade em projeto do Vale do Itajaí. ENSUS. Abril.
  • [16] Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas.
  • [17] Giucci, G. (2004). A vida cultural do automóvel. Editora Civilização Brasileira. Rio de Janeiro.
  • [18] Haboucha, C. et al. (2017). User preferences regarding autonomous vehicles. Transportation Research part C: Emerging Technologies. v. 78. pp:37-49.
  • [19] Jayme, M. E. (2009). Tendências: Recomendações para seu uso na gestão do design das MPEs produtoras de louça de mesa de Campo Largo - Pr. Dissertação (mestrado em design) – PPGD, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.
  • [20] IBGE. Disponível em: https: < //cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/curitiba/panorama > Acesso em: 15 mai 2018
  • [21] Have, S. et al. (2003) Modelos de gestão: o que são e quando devem ser usados. São Paulo. Pearson Education.
  • [22] Hamel, G. et al. (1995). Competindo pelo Futuro. Harvard Business School press. Editora Campus.
  • [23] Hoffman, K. (2003). Príncipios de marketing de serviços. São Paulo. THOMSON.
  • [24] IDEO. Tools. Disponível em: < https://www.ideo.com/ > Acessado em: 16/01/19
  • [25] IPPUC. Análise Trânsito, 2010. Disponível em: Acesso em: 16 maio 2018
  • [26] ITDP. Disponível em: < https://www.itdp.org/>. Acesso em: 18 maio. 2018
  • [27] JEN, N. Design thinking is bullshit. Disponíel em: < https://99u.adobe.com/videos/55967/natasha-jen-design-thinking-is-bullshit > Acesso em: 21 dezembro 2018
  • [28] Kistmann, V. (2014) Interdisciplinaridade: questões quanto à pesquisa e à inovação em design. Estudos em design. Vol.22. No.3. Rio de Janeiro.
  • [29] Koler, P. (1996) Administração de Marketing. São Paulo. ATLAS.
  • [30] KPMG. Autonomous vehicles readiness index. 2018
  • [31] Kostopoulos, G. et al. (2012). Service blueprinting effectiveness. Managing Service Quality: An international Journal. Gounaris. Vol. 22.
  • [32] Lane, C. et al. (2015) Carsharing: a vehicle for sustainable mobility in emerging markets?. EMBARQ.
  • [33] Lauro, A. et al. (2013) A gestão de design em serviços de consumo colaborativo: ações estratégicas, táticas e operacionais. Estudos em design. Vol. 21. No.2. Rio de Janeiro.
  • [34] Manzini, E. (2017). Design: quando todos fazem design. São Leopoldo. UNISINOS.
  • [35] MARTIN, E. et al. (2016). Impacts of car2go on vehicle ownership, modal shift, vehicle miles traveled and greenhouse gas emissions. Working paper.
  • [36] Martins, R., & Merino (2008), E. Gestão de design como estratégia organizacional. Londrina. EDUEL.
  • [37] Moreira, D. (2016) O que é uma startup?. Revista Exame. 3 de fevereiro.
  • [38] Motor 1. Presidente Michel Temer regulamenta o Rota 2030, novo regime automotivo. Disponível em: < https://motor1.uol.com.br/news/275487/rota-2030-regime-automotivo-temer/ > Acessado em: Novembro 2018
  • [39] Mozota, B. (2011) Gestão de design: usando o design para construir calor de marca e inovação corporativa. Porto Alegre. BOOKMAN.
  • [40] Nascimento, A. J. et al. (2016) O conceito de smart cities aliado à mobilidade urbana. HumanÆ. Questões controversas do mundo contemporâneo, v. 10, n. 1.
  • [41] Norman, D. (2007). Design of the Future Things. Rio de Janeiro. ROCCO.
  • [42] Oliveira, R. (2014). Técnica de priorização Moscow. Prince. Management Plaza International.
  • [43] ONU. Rio+20. Disponível em: Acesso em: 15 mai 2018.
  • [44] Ostrom, A. (2010). Moving Foward and making a difference: Research priorities for the Science of service. Jornal of service research. SAGE.
  • [45] Padovani, S. et al. (2018). Compreendendo o processo colaborativo de produção de representações gráficas de síntese (RGS): Uma abordagem de coleta de dados mediada. Educação gráfica. Vol.22 No.2. Agosto 2018.
  • [46] Padovani, S. et al. (2016) Representações gráficas de síntese (RGS) como artefatos cognitivos para aprendizagem colaborativa. Estudos em design. Vol.24. No.1. Rio de Janeiro.
  • [47] Paganelli, L. (2012). Integração entre o sistema de carro compartilhado e políticas públicas de planejamento urbano. IPPUC. Curitiba.
  • [48] Pinheiro, I. et al. (2015). Os 4 vetores da inovação: Um quadro de referência para a gestão estratégica do design. Estudos em design. Vol.23. No.2. Rio de Janeiro.
  • [49] Prates, M. As cidades do país com tanto carro que deixam EUA no chinelo. Revista Exame. Disponível em: www.exame.abril.com.br/brasil/as-cidades-do-pais-com-tanto-carro-que-deixam-eua-no-chinelo/ Acesso em 15 fev 2018.
  • [50] Quatro Rodas. CES 2019: Como a internet 5g fará carro autônomo andar sozinho até no Brasil. Disponível em: < https://quatrorodas.abril.com.br/noticias/ces-2019-como-a-internet-5g-ajudara-um-carro-autonomo-a-andar-sozinho/ > Acessado em: 12 janeiro 2019
  • [51] Robehmed, N. (2013) What is a startup?. FORBES. 16 de Dezembro.
  • [52] Santos, A. (1996?) et al. Benchmarking na construção civil. Instrumentos para a gestão de operações em construtoras.
  • [53] Santos (2014), A. Diálogo entre pós-graduação e graduação: a introdução do ensino do design de sistemas de produto+serviço na UFPR. Ensino de design. Londrina. Projética.
  • [54] Scaletsky, C. Et al. (2016). Design estratégico em ação. São Leopoldo. UNISINOS.
  • [55] Sciamana, J. (2018) Ativos intangíveis do capital humano da gestão de design: elementos para agregação de valor organizacional. Dissertação de Mestrado em Design. UFPR, Curitiba.
  • [56] SEBRAE. Como incubadoras de empresas podem ajudar no seu negócio?. Disponível em: : < http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/as-incubadoras-de-empresas-podem-ajudar-no-seu-negocio,f240ebb38b5f2410VgnVCM100000b272010aRCRD > Acesso em 12 de janeiro de 2019
  • [57] Shaheen,S. et al. (2015). Definitions, industry developments, and early understanding. Shared Mobility. University of California, Berkeley.
  • [58] Sibashis, P. et al. (2018) Autonomous driving cars: Future prospects, obstacles, user acceptance and public opinion. Advances in human aspects of transportation. Orlando. Springer.
  • [59] Sparke, P. (2002) A century of car design. Octpus. GB.
  • [60] Stickdorn, M. et al. (2014) This is service design thinking. Porto Alegre, RS. Bookman.
  • [61] Tukker, A. (2004) Eight types of product-service system: Eight ways to sustainability. Business strategy and enviromment. Interscience.
  • [62] Vejlgaard, H. (2007) Anatomy of a trend. Confetti.
  • [63] Verganti, R. (2009) Design-driven innovation. Boston, Harvard Business School Publishing.
  • [64] Vianna. M. (2014). Et al. Design thinking: Inovação em negócios. MJV.
  • [65] b.World Economic Forum. Solar powered robot taxis could change the face of travel. Disponível em: < https://www.weforum.org/agenda/2018/01/robot-taxis-mobility-electric-cars/ > Acessado em: 12 janeiro 2019
  • [66] World Resources Institute. Disponível em < https://www.wri.org/ > Acessado em: 12 janeiro 2019
  • [67] Zeithammer, C. et al. (2009). Revisão de projetos de “carona solidária”. 2nd Simpósio Brasileiro de Design Sustentável. RBDS. São Paulo.
Como citar:

Poletto, Fernanda; "Prospecção no uso de aplicativos acessíveis Inteligentes: Estudo de dispositivos móveis no serviço de carros compartilhados para pessoas cegas", p. 1870-1881 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-4.0308

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações