Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Progresso técnico, crescimento da firma e dinâmica industrial: notas para uma síntese steindliana-neoschumpeteriana

Technical progress, firm growth and industrial dynamics: notes on a Steindlian-neo-Schumpeterian synthesis

Rubinsztajn, Igor Kippe;

Artigo:

A finalidade deste trabalho é de, seguindo as intenções e os passos de Steindl, propor um quadro conceitual que cumpra a função de articular o processo de crescimento da firma e a evolução das estruturas industriais, sem incorrer em suas deficiências de análise, embora mantendo a robustez e o alcance de sua teoria. Acreditamos que tais falhas são decorrentes da ausência de uma endogeneização adequada do progresso técnico e que o referido problema pode ser satisfatoriamente solucionado com a incorporação de alguns componentes analíticos da microeconomia neoschumpeteriana, quais sejam: (i) a caracterização da empresa como uma entidade que opera com base em rotinas operacionais e desenvolve capacitações, e (ii) os determinantes das decisões de inovar com base em regularidades da evolução tecnológica.

Artigo:

The purpose of this paper is, by following Steindl's intentions and steps, to propose a conceptual framework that fulfills the purpose of articulating the growth process of the firm and the evolution of industrial structures, without making the same analytical oversights, yet still maintaining the robustness and impact of Steindl’s theory. We argue that such failures are due to the lack of an adequate endogenisation of technical progress and that the aforementioned problem can be satisfactorily tackled through the incorporation of some analytical elements of the neo-Schumpeterian framework, namely: (i) the characterisation of the company as an entity that operates based on operational routines and develops capabilities, and (ii) the determinants of the decisions to innovate based on technological evolution regularities.

Palavras-chave: Josef Steindl; economia neoschumpeteriana; progresso técnico; crescimento da firma; evolução industrial,

Palavras-chave: Josef Steindl; neo-Schumpeterian economics; technical progress; the growth of the firm; industrial evolution,

DOI: 10.5151/vi-enei-811

Referências bibliográficas
  • [1] AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC nº 55, de 16 de dezembro de 2010. Disponível em:
  • [2] . Acesso em: 20 ago. 2020.
  • [3] AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Resolução RDC nº 200, de 26 de dezembro de 2017. Diário Oficial da União. Publicado em: 29/01/2018, Edição: 20, Seção: 1, Página: 63-64-65-66-71. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2021.
  • [4] AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico - 2018. 20 dez. 2019. Disponível em: http://antigo.anvisa.gov.br/medicamentos/publicacoes?tagsName=cmed. Acesso em: 15 jul. 2020.
  • [5] ALMEIDA, Águida Cristina Santos. Análise dos efeitos das parcerias para o desenvolvimento produtivo nos laboratórios farmacêuticos oficiais. 2018. Tese (Doutorado em Economia) - Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.
  • [6] BANCO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. BNDES. 2019. Disponível em http://www.bndes.gov.br/acesso-a-informacao/transparencia. Acesso em: 07 jun. 2019.
  • [7] BORRÁS, Susana; EDQUIST, Charles. The choice of innovation policy instruments. Technological Forecasting and Social Change, v. 80, n. 8, p. 1513-1522, 2013.
  • [8] BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. 1996. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2020.
  • [9] BRASIL. Lei nº 782, de 26 de janeiro de 199 Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, e dá outras providências. 1999a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9782.htm. Acesso em: 10 fev. 2021.
  • [10] BRASIL. Lei nº 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei no 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. 1999b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9787.htm. Acesso em: 10 fev. 2021.
  • [11] BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Fórum de competitividade da cadeia produtiva farmacêutica 2003-2006: o desafio de prosseguir. Brasília, 2007. 142 p. Disponível em: < https://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/552/1/Forum_competitividade_cadeia_produtiva_2003a2006_1ed.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2021.
  • [12] BRASIL Ministério da Saúde. Portaria nº 918, de 6 de julho de 2015. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.
  • [13] BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de ciência, tecnologia e inovação em saúde. 2008a. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.
  • [14] BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 374, de 28 de fevereiro de 2008. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, o Programa Nacional de Fomento à Produção Pública e Inovação no Complexo Industrial da Saúde. 2008b. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt0374_28_02_2008.html>. Acesso em: 02 mar. 2020.
  • [15] BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 978, de 16 de maio de 2008. 2008c. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2020.
  • [16] BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Mais saúde: direito de todos: 2008 – 2011. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008d. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2020.
  • [17] BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; Ministério da Saúde; Ministério da Ciência e Tecnologia; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior). Portaria Interministerial nº 128, de 29 de maio de 2008. 2008e. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2020.
  • [18] BRASIL. Lei nº 12.349, de 15 de dezembro de 2010. 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2020.
  • [19] BRASIL. Lei nº 12.715, de 17 de setembro de 2012. 2012. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2020.
  • [20] BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.531, de 12 de novembro de 2014. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 20
  • [21] BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria de Consolidação nº 5, de 28 de setembro de 2017. 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2020.
  • [22] BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação – 2019. 2019a. Brasília. Disponível em: < http://antigo.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/indicadores/arquivos/Indicadores_CTI_2019.pdf>. Acesso em: 27 out. 2020.
  • [23] BRASIL. Ministério da Saúde. Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP). 2019b. Disponível em . Acesso em: 03 jul. 2019.
  • [24] CASSIOLATO, José Eduardo; LASTRES, Helena Maria Martins. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo Perspec., São Paulo, v.19, n. 1, p. 34-45, 2005.
  • [25] CMED. Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos. Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico, 2019. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2020.
  • [26] COSTA, Ana Czeresnia. Política de Inovação Brasileira: Análise dos Novos Instrumentos Operados pela FINEP. 2013. Tese (Doutorado em Economia) - Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.
  • [27] CUNNINGHAM, Paul; EDLER, Jakob; FLANAGAN, Kieron; LAREDO, Philippe. Innovation policy mix and instrument interaction: a review. Manchester: University of Manchester, 2013.
  • [28] EDQUIST, Charles; CHAMINADE, Cristina. Industrial policy from a systems-of-innovation perspective. EIB papers, v. 11, n. 1, p. 108-132, 2006.
  • [29] EVALUATEPHARMA. Evaluatepharma World Preview 2020, Outlook to 2026. 2020. Disponível em: < https://www.evaluate.com/thought-leadership/pharma/evaluatepharma-world-preview-2020-outlook-2026>. Acesso em 17 jul. 2020.
  • [30] FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS (Finep). 2019. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2019.
  • [31] FLANAGAN, Kieron; UYARRA, Elvira; LARANJA, Manuel. Reconceptualising the ‘policy mix’ for innovation. Research policy, v. 40, n. 5, p. 702-713, 2011.
  • [32] FORAY, Dominique; GODDARD, John; BELDARRAIN, Xabier Goenaga. Guide to research and innovation strategies for smart specialisation (RIS 3). Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2012. Disponível em: < https://ec.europa.eu/regional_policy/sources/docgener/presenta/smart_specialisation/smart_ris3_2012.pdf>. Acesso em 11 maio 2020.
  • [33] FREEMAN, Christopher. The economics of industrial innovation. London/New York: Pinter Publishers, 1982.
  • [34] FREEMAN, Christopher. Technology, policy, and economic performance: lessons from Japan. London: Pinter Pub Ltd, 1987.
  • [35] GADELHA, Carlos Augusto Grabois. O complexo industrial da saúde e a necessidade de um enfoque dinâmico na economia da saúde. Ciência & saúde coletiva, v. 8, p. 521-535, 2003.
  • [36] GADELHA, Carlos Augusto Grabois. Perspectiva do investimento no Brasil: sistema produtivo do complexo econômico-industrial da saúde. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.
  • [37] GADELHA, Carlos Augusto Grabois; COSTA, Laís Silveira; MALDONADO, José. O complexo econômico-industrial da saúde e a dimensão social e econômica do desenvolvimento. Rev. Saúde Pública, v. 46, suppl.1, p.21-28, 2012. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rsp/a/TNDr87DMdXMScyLr9XmmSFz/abstract/?lang=pt>. Acesso em 17 jul. 2020.
  • [38] GADELHA, Carlos Augusto Grabois; TEMPORÃO, José Gomes. Desenvolvimento, Inovação e Saúde: a perspectiva teórica e política do Complexo Econômico-Industrial da Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, p. 1891-1902, 2018. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/csc/a/vBqrtdjpbqDjh9ZBTycxyrj/abstract/?lang=pt>. Acesso em 28 abr. 2020.
  • [39] GUNNINGHAM, Neil; SINCLAIR, Darren. Regulatory pluralism: designing policy mixes for environmental protection. Law & Policy, v. 21, n. 1, p. 49-76, 1999.
  • [40] GUY, K. et al. Designing Policy Mixes: enhancing innovation system performance and R&D Investment Levels. Final Report. Brussels: European Comission, 2008.
  • [41] HOTTENROTT, Hanna; RICHSTEIN, Robert. Start-up subsidies: Does the policy instrument matter? Research Policy, v. 49, n. 1, 2020.
  • [42] HOWLETT, Michael; DEL RIO, Pablo. The parameters of policy portfolios: verticality and horizontality in design spaces and their consequences for policy mix formulation. Environment and Planning C: Government and Policy, v. 33, n. 5, p. 1233-1245, 2015.
  • [43] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica: Pintec 2008 a 2017. 2017. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/ciencia-tecnologia-e-inovacao/9141-pesquisa-de-inovacao.html?=&t=resultados>. Acesso em: 9 fev. 2020.
  • [44] KERN, Florian; KIVIMAA, Paula; MARTISKAINEN, Mari. Policy packaging or policy patching? The development of complex energy efficiency policy mixes. Energy Research & Social Science, v. 23, p. 11-25, 2017.
  • [45] KERR, William R.; NANDA, Ramana. Financing innovation. Annual Review of Financial Economics, v. 7, p. 445-462, 2015.
  • [46] KIVIMAA, Paula; KERN, Florian. Creative destruction or mere niche support? Innovation policy mixes for sustainability transitions. Research Policy, v. 45, n. 1, p. 205-217, 2016.
  • [47] KLINE, Stephen J.; ROSENBERG, Nathan. An overview of innovation. In: LANDAU, Ralph; ROSENBERG, Nathan. The positive sum strategy: harnessing technology for economic growth. Washington DC: The National Academic Press, 1986. p. 275-305.
  • [48] KOELLER, Priscila; ZUCOLOTO, Graziela Ferrero; SCHMIDT, Flávia de Holanda. Estatais federais com atuação transversal na política de ciência, tecnologia e inovação brasileira: agências federais de fomento à inovação – FINEP E BNDES. In: SILVA, Mauro Santos; SCHMIDT, Flávia de Holanda; KLIASS, Paulo (Eds.). Empresas estatais: políticas públicas, governança e desempenho. Brasília: Ipea, 2019. p. 161-216.
  • [49] LUNDVALL, Bengt-Åke. Product innovation and user-producer interaction. The Learning Economy and the Economics of Hope, v. 19, p. 19-60, 1985.
  • [50] LUNDVALL, Bengt-Åke. Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to national systems of innovation. In: DOSI, G. et al. (eds.). Technical change and economic theory. London: Burns and Oates, 1988.
  • [51] MACHADO, Luciano; MARTINI, Ricardo; PIMENTEL, Vitor. The effects of BNDES on brazilian pharmaceutical firms’ innovation investments: a panel data approach. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 47., 2019, São Paulo. São Paulo: ANPEC, 2019. Disponível em:
  • [52] . Acesso em: 20 fev. 2020.
  • [53] MONITOR, Fiscal. Acting now, acting together/International Monetary Fund. World Economic and Financial Surveys, p. 87-88, abr. 2016.
  • [54] OWEN, Geoffrey; HOPKINS, Michael M. Science, the state and the city: britain's struggle to succeed in biotechnology. Oxford: Oxford University Press, 2016.
  • [55] PIMENTEL, Vitor Paiva. Parcerias para o desenvolvimento produtivo de medicamentos no Brasil sob a ótica das compras públicas para inovação: 2009-2017. Rio de Janeiro, 2018. Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento) -Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.
  • [56] REIS, Carla; PIERONI, João Paulo; SOUZA, José Oswaldo Barros de. Biotecnologia para saúde no Brasil. BNDES Setorial, n. 32, set., p. 193-229, 2010.
  • [57] REZENDE, Kellen Santos. As parcerias para o desenvolvimento produtivo e estímulo à inovação em instituições farmacêuticas públicas e privadas. Rio de Janeiro, 2013. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, 2013.
  • [58] ROGGE, Karoline S.; REICHARDT, Kristin. Policy mixes for sustainability transitions: An extended concept and framework for analysis. Research Policy, v. 45, n. 8, p. 1620-1635, 2016.
  • [59] ROTHWELL, Roy. Government innovation policy: some past problems and recent trends. Technological Forecasting and Social Change, v. 22, n. 1, p. 3-30, 1982.
  • [60] SILVESTROW, Sérgio Pimentel. Licitação e o uso do poder de compra do Estado como instrumento de incentivo a inovação. Brasília, 2015. Monografia (Especialização em Direito). Instituto Brasiliense de Direito Público, 2015.
  • [61] UYARRA, Elvira; FLANAGAN, Kieron. Understanding the innovation impacts of public procurement. European planning studies, v. 18, n. 1, p. 123-143, 2010.
  • [62] VARGAS, Marco Antônio; BRITTO, Jorge Nogueira de Paiva. A systemic innovation policy with an inclusive perspective: the evolution of the Brazilian policy to the pharmaceutical sector. Globelics Working Paper Series, jul. 2015. Disponível em: < https://ideas.repec.org/p/aal/glowps/2015-07.html>. Acesso em: 18 jul. 2020.
  • [63] VARGAS, Marco; ALMEIDA, Águida Cristina Santos; GUIMARÃES, Ana Luiza Coelho. Parcerias para o desenvolvimento produtivo (PDPs/MS): contexto atual, impactos no sistema de saúde e perspectivas para a política industrial e tecnológica na área da saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2017.
  • [64] VARGAS, Marco et al. Incorporação da rota biotecnológica na indústria farmacêutica brasileira: desafios, perspectivas e implicações para políticas. Relatório Final. Iniciativa Brasil Saúde Amanhã. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2020.
  • [65] VARGAS, Marco et al. Inovação na indústria química e biotecnológica em saúde: em busca de uma agenda virtuosa. Revista de Saúde Pública, v. 46, supl. 1, p. 37-41, 2012. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/rsp/a/F9q8t7q49KN3brwzNptkjGf/abstract/?lang=pt>. Acesso em 20 fev. 2020.
  • [66] VARGAS, Marco; BIANCHI, Carlos. Incorporação da rota biotecnológica na indústria farmacêutica brasileira: desafios e oportunidades. Relatório de Acompanhamento Setorial. 2013.
  • [67] VARGAS, M. A. et al. Indústrias de Base Química e Biotecnologia Voltadas para a Saúde no Brasil: Panorama Atual e Perspectiva para 2030. In: FIOCRUZ et al. (Orgs.). A Saúde no Brasil em 2030: prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: desenvolvimento produtivo e complexo da saúde. 22ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013, p. 29-78.
  • [68] VARRICHIO, Pollyana de Carvalho. As parcerias para o desenvolvimento produtivo da saúde. In: RAUEN, André Tortato (Org.). Políticas de inovação pelo lado da demanda no Brasil. Brasil: IPEA, 2017. p. 179-234.
  • [69] YIN, Robert, K. Case Studies. In WRIGHT D. J. International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences (Second Edition). Elsevier, 2015, pp. 194-201.
Como citar:

Rubinsztajn, Igor Kippe; "Progresso técnico, crescimento da firma e dinâmica industrial: notas para uma síntese steindliana-neoschumpeteriana", p. 256-273 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-811

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações