Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

PROGRAMAS DE ACELERAÇÃO DE STARTUPS NO BRASIL: CARACTERÍSTICAS CENTRAIS E QUESTÕES ABERTAS

Rocha, Stéfany Dayana de Sá ([email protected]); Bagno, Raoni Barros ([email protected]);

Artigo Completo:

Atualmente o Brasil possui um número considerável de programas de aceleração de startups distribuídos em seu território. Contudo, são escassos os estudos e pesquisas acadêmicas sobre o assunto. O presente trabalho identifica as principais características que definem e qualificam os programas de aceleração de startups no país através de consultas às bibliografias clássicas e editais e/ou informações públicas sobre tais programas. Foram analisados 49 programas no país e suas principais características e parâmetros foram agrupados em nove categorias: (i) geral e status; (ii) foco de atuação; (iii) governança; (iv) internacionalização; (v) etapas; (vi) atividades; (vii) natureza processo seletivo; (viii) investimento e remuneração; e (ix) finalização do programa. Após uma revisão descritiva dos programas, é realizada uma discussão dos perfis, características e parâmetros qualificadores dos programas de aceleração de startups no Brasil. Por meio de uma reflexão sobre as características convergentes e divergentes entre os programas analisados, o texto oferece uma análise das iniciativas no país e levanta novas questões a serem consideradas por gestores no projeto e condução de programas de aceleração de startups e aprofundadas por novos esforços de pesquisa. Esta publicação contou com o apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Artigo Completo:

Palavras-chave: Programas de aceleração de Startups, Startup, Empreendedorismo de Base Tecnológica, Inovação,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/cbgdp2017-087

Referências bibliográficas
  • [1] ABREU, P., R., M.; CAMPOS, N., M.. O Panorama Das Aceleradoras De Startups No Brasil. Create Space Independent Publishing Plataform. USA. FGV/EAESP: Julho, 2016.
  • [2] AGUILHAR, L.. Aceleradoras de startups ganham força no Brasil, mas precisam provar eficiência. Estado de São Paulo, São Paulo, 09 mar. 2014. Disponível em:. Acesso em: 17 Mai. 2017.
  • [3] ANDRADE, R., F.. Contexto do empreendedorismo no Brasil. In: GRANDO, N. (ORG). Empreendedorismo inovador como criar Startups de Tecnologia no Brasil. São Paulo, Editora Évora, cap.1, p.1-20, 2012.
  • [4] ARRUDA, C.; NOGUEIRA, V.;COZZI, C.; COSTA, V.. Causa da Mortalidade de Startups Brasileiras: O que fazer para aumentar as chances de sobrevivência no mercado?. Fundação Dom Cabral, Belo Horizonte, 2013.
  • [5] AVENI, A.. Empreendedorismo Contemporâneo: Teorias e Tipologias. .1. ed. São Paulo: Atlas, 2014.
  • [6] BLANK, S.; DORF, B.. The Startup Owner's Manual: The Step-by-Step Guide for Building a Great Company. K&S Ranch, California, 2012.
  • [7] COHEN, S.. What Do Accelerators Do? Insights from Incubators and Angels. Innovations: Technology, Governance, Globalization, Vol. 8 (3-4): p. 19–25, 2013.
  • [8] COHEN, S.; HOCHBERG, Y. V. Accelerating startups: The seed accelerator phenomenon. SSRN Scholarly Paper ID 2418000. Rochester, NY: Social Science Research Network, 2014.
  • [9] Confederação Nacional da Indústria (CNI). Pequenas e médias empresas inovadoras e startups / Confederação Nacional da Indústria, Instituto Euvaldo Lodi. – Brasília : CNI, 2016.
  • [10] DEE, N.; GILL, D.; WEINBERG, C.; MCTAVISH, S.. Startup Support Programmes: What’s The Difference?. Nesta. London, 2015.
  • [11] DEMPWOLF, C. S.; AUER, J.; D’IPPOLITO, M.. Innovation accelerators: Defining characteristics among startup assistance organizations. Published online at www.sba.gov/advocacy: Small Business Administration, 2014.
  • [12] DOLABELA, F.. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.
  • [13] DUARTE, F.; GOMES, L. A.V.; FRENKEL, J.; CLEMENTE, R.. Empreendedorismo e inovação em startups. In: PROENÇA, Adriano, LACERDA, Daniel Pacheco, ANTUNES JÚNIOR, J. V., TÁVORA JÚNIOR L. Gestão da Inovação e Competitividade no Brasil: Da Teoria para a Prática. Bookman, 2015.
  • [14] FARIA, A. F.; ALMEIDA, A., F.; LAGE, A., C., A.;SEDIYANA, J., A., S.; SERPA, C., V. (Coordenadores). Estudo dos ambientes de inovação de Minas Gerais : empresas, incubadoras de empresas e parques tecnológicos. Viçosa, MG, NTG/UFV, 2017.
  • [15] FEHDER, D. C.; HOCHBERG, Y. V. Accelerators and the Regional Supply of Venture Capital Investment. doi:http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.2518668. 2014.
  • [16] HOFFMAN, D. L., RADOJEVICH-KELLEY, N.. Analysis of Accelerator Companies: An Exploratory Case Study of Their Programs, Processes, and Early Results. Small Business Institute Journal, 8(2), 54–70, 2012.
  • [17] LEITE, E.. O Fenômeno do Empreendedorismo - 1ª edição. Saraiva, 2008.
  • [18] MARTINS, C.. O papel das incubadoras de empresas do polo tecnológico de Florianópolis no desenvolvimento do processo de empreendedorismo inovador. 2013.269 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.
  • [19] MILLER, P., BOUND, K. (2011). The startup factories. Nesta. Disponível em: . Acesso em 29 Jan. 2017.
  • [20] OLIVEIRA, D. de P. R.. Empreendedorismo: vocação, capacitação e atuação direcionadas para o plano de negócios. Atlas, 2014.
  • [21] PAUWELS, C.; CLARYSSE, B.; WRIGHT, M.; HOVE, J. V.. Understanding a new generation incubation model: The accelerator. 2014.
  • [22] PERIN, B.. A Revolução das Startups: O Novo Mundo do Empreendedorismo de Alto Impacto. Alta Books; 1ª Edição, 2015.
  • [23] RIES, E.. The Lean Startup: How Today's Entrepreneurs Use Continuous Innovation to Create Radically Successful Businesses. Hardcover, 2011.
  • [24] RODRIGUEZ, J. A. H.. Start-up Development in Latin America: The Role of Venture Accelerators. Massachusetts Institute of Technology. Sloan School of Management, 2015.
  • [25] ROMAN, V. B.. Estruturação Do Sistema De Desenvolvimento De Startups Em Uma Aceleradora Por Intermédio De Gestão De Portfólio. Dissertação (Mestrado Mestrado Profissional em Inovação Tecnológica e Propriedade Intelectual) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.
  • [26] SALIDO, E.; SABÁS, M.; FREIXAS, P. The accelerator and incubator ecosystem in Europe. Telefónica Europe, 2013.
  • [27] SARKAR, S.. O empreendedor Inovador: Faça diferente e conquiste seu espaço no mercado. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
  • [28] SMITH, W. S., & HANNIGAN, T. J. (2015). Swinging for the fences: How do top accelerators impact the trajectories of new ventures? Paper to be presented at DRUID15, Rome, June 15-17, 2015.
  • [29] STARTUP COMONS. Cornerstone Organizations. Disponível em: . Acessado em 27.01.2017
  • [30] TASIC, I.; MONTORO-SÁNCHEZ, A.; CANO, M.D.. Startup accelerators: an overview of the current state of the acceleration phenomenon. XVIII Congresso AECA. Cartagena, 2015.
  • [31] TAURION, C.. Mercado de empresas de alta tecnologia no país: riscos e oportunidades. In: GRANDO, N. (ORG). Empreendedorismo inovador como criar Startups de Tecnologia no Brasil. São Paulo, Editora Évora, 2012.
  • [32] THIEL, P.; MASTERS, B.. De zero a um: O que aprender sobre empreendedorismo com o Vale do Silício. Editora Objetiva Ltda. Rio de Janeiro, 2014.
Como citar:

Rocha, Stéfany Dayana de Sá ([email protected]); Bagno, Raoni Barros ([email protected]); "PROGRAMAS DE ACELERAÇÃO DE STARTUPS NO BRASIL: CARACTERÍSTICAS CENTRAIS E QUESTÕES ABERTAS", p. 838-847 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/cbgdp2017-087

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações