Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

PRODUTIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PERÍODO 1996-2016: DECOMPOSIÇÃO DO CRESCIMENTO E PADRÕES DE CONCENTRAÇÃO EM UMA ABORDAGEM DESAGREGADA

Torezani, Tomás Amaral;

Artigo completo:

O presente trabalho tem como objetivo decompor o crescimento da produtividade do trabalho da indústria brasileira no período 1996-2016 a partir de uma abordagem desagregada para identificar as contribuições da mudança estrutural e da produtividade setorial para o crescimento da produtividade agregada da indústria. Ademais, o trabalho também objetiva avaliar o padrão de concentração setorial do referido crescimento. Com base nas informações de 95 atividades econômicas da PIA-Empresa, o crescimento da produtividade foi decomposto em quatro métodos diferentes de forma anual. Os resultados indicam, de forma geral, contribuições positivas do componente intrassetorial e contribuições negativas do componente mudança estrutural. Em relação ao padrão de concentração setorial do crescimento da produtividade industrial agregada, observou-se uma concentração bastante desigual e localizada.

Artigo completo:

Palavras-chave: produtividade do trabalho; mudança estrutural; contabilidade do crescimento; indústria; Brasil,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-1.3-062

Referências bibliográficas
  • [1] O presente trabalho tem como objetivo decompor o crescimento da produtividade do trabalho da indústria brasileira no período 1996-2016 a partir de uma abordagem desagregada para identificar as contribuições da mudança estrutural e da produtividade setorial para o crescimento da produtividade agregada da indústria. Ademais, o trabalho também objetiva avaliar o padrão de concentração setorial do referido crescimento. Com base nas informações de 95 atividades econômicas da PIA-Empresa, o crescimento da produtividade foi decomposto em quatro métodos diferentes de forma anual. Os resultados indicam, de forma geral, contribuições positivas do componente intrassetorial e contribuições negativas do componente mudança estrutural. Em relação ao padrão de concentração setorial do crescimento da produtividade industrial agregada, observou-se uma concentração bastante desigual e localizada.ALDRIGHI, D.; COLISTETE, R. P. Industrial growth and structural change: Brazil in a long-run perspective. Working Paper Series, n. 10. São Paulo: Department of Economics-FEA/USP, 2013.
  • [2] BAUMOL, W. J. Macroeconomics of unbalanced growth: the anatomy of urban crisis. The American Economic Review, v. 57, n. 3, p. 415-426, 1967.
  • [3] CHENERY, H. B.; ROBINSON, S.; SYRQUIN, M. (Eds.) Industrialization and growth: a comparative study. New York: Oxford University Press, 1986.
  • [4] CLARK, C., 1940. The conditions of economic progress. London: McMillan & Co, 1940.
  • [5] DE VRIES, G.; TIMMER, M.; DE VRIES, K. Structural transformation in Africa: static gains, dynamic losses. The Journal of Development Studies, v. 51, n. 6, p. 674-688, 201
  • [6] DUARTE, M.; RESTUCCIA, D. The role of the structural transformation in aggregate productivity. The Quarterly Journal of Economics, v. 125, n. 1, p. 129-173, 2010.
  • [7] FABRICANT, S. Employment in manufacturing, 1899–1939. New York: NBER, 1942.
  • [8] FAGERBERG, J. Technological progress, structural change and productivity growth: a comparative study. Structural Change and Economic Dynamics, v. 11, n. 4, p. 393-411, 2000.
  • [9] FISHER, A. G. Primary, secondary and tertiary production. Economic Record, v. 15, n. 1, p. 24–38, 193
  • [10] FERRAZ, J. C.; KUPFER, D.; HAGUENAUER, L. Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria brasileira, Rio de Janeiro: Campus, 1996.
  • [11] HALTIWANGER, J., C. Aggregate growth: what have we learned from microeconomic evidence? Economics Department Working Papers, n. 267, OECD, Paris, 2000.
  • [12] HARBERGER, A. C. A vision of the growth process. The American Economic Review, v. 88, n. 1, p. 1-32, 1998.
  • [13] HERRENDORF, B.; ROGERSON, R.; VALENTINYI, A. Growth and structural transformation. In: AGHION, P.; DURLAUF, S. N. (Eds.) Handbook of Economic Growth, volume 2B, p. 855-941, 2014.
  • [14] HIDALGO, C. A.; HAUSMANN, R. The building blocks of economic complexity. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 106, n. 26, p. 10570-10575, 2009.
  • [15] HOLLAND, M.; PORCILE, G. Brecha tecnológica y crecimiento en América Latina. In: CIMOLI, M. (Ed.) Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: Cepal, Naciones Unidas/ BID, p. 40-71, 2005.
  • [16] JACINTO, P. de A.; RIBEIRO, E. P. Crescimento da produtividade no setor de serviços e da indústria no Brasil: dinâmica e heterogeneidade. Economia Aplicada, v. 19, n. 3, p. 401-427, 2015.
  • [17] KALDOR, N. Capital accumulation and economic growth. In: LUTZ, F.; HAGUE, D. D. (eds.), The theory of capital. New York: St. Martin’s Press, p. 177-222, 1961.
  • [18] KRÜGER, J. J. Productivity and structural change: a review of the literature. Journal of Economic Surveys, v. 22, n. 2, p. 330-363, 2008.
  • [19] KUPFER, D. Trajetórias de reestruturação da indústria brasileira após a abertura e a estabilização. Tese de Doutorado. Instituto de Economia. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 185p., 1998.
  • [20] KUPFER, D.; ROCHA, F. Productividad y heterogeneidad estructural en la industria brasileña. In: CIMOLI, M. (Ed.) Heterogeneidad estructural, asimetrías tecnológicas y crecimiento en América Latina. Santiago de Chile: Cepal, Naciones Unidas/ BID, p. 72-100, 2005.
  • [21] KUZNETS, S. Modern economic growth: rate, structure and spread. London: Yale University Press, 1966.
  • [22] LEWIS, W. A. Economic development with unlimited supplies of labour. The Manchester School, v. 22, n. 2, p. 139-191, 1954.
  • [23] MADDISON, A. Productivity in an expanding economy. The Economic Journal, v. 62, n. 247, p. 584-594, 1952.
  • [24] McMILLAN, M.; RODRIK, D. Globalization, structural change and productivity growth. In: BACHETTA, M.; JANSEN, M. (Eds.) Making Globalization Socially Sustainable. Geneva: International Labour Organization, 2011.
  • [25] OCAMPO, J. A.; RADA, C.; TAYLOR, L. Growth and policy in developing countries: a structuralist approach. New York: Columbia University Press, 2009.
  • [26] PASINETTI, L. L. Structural change and economic growth: a theoretical essay on the dynamics of the wealth of nations. Cambridge: Cambridge University Press, 1981.
  • [27] PENEDER, M. Industrial structure and aggregate growth. Structural Change and Economic Dynamics, n. 14, p. 427-448, 2003.
  • [28] PIEPER, U. Deindustrialisation and the social and economic sustainability nexus in developing countries: cross‐country evidence on productivity and employment. The Journal of Development Studies, v. 36, n. 4, p. 66-99, 2000.
  • [29] RANIS, G.; FEI, J. C. H. A theory of economic development. The American Economic Review, v. 51, n. 4, p. 533-565, 1961.
  • [30] ROCHA, F. Produtividade do trabalho e mudança estrutural nas indústrias brasileiras extrativa e de transformação, 1970-2001. Revista de Economia Política, v. 27, n. 2, p. 221-241, abr.-jun., 2007.
  • [31] TIMMER, M. P.; DE VRIES, G. J. Structural change and growth accelerations in Asia and Latin America: a new sectoral data set. Cliometrica, v. 3, n. 2, p. 165-190, 2009.
  • [32] TIMMER, M. P.; SZIRMAI, A. Productivity growth in Asian manufacturing: the structural bonus hypothesis examined. Structural Change and Economic Dynamics, v. 11, n. 4, p. 371-392, 2000.
  • [33] TOREZANI, T. A. Evolução da produtividade brasileira: mudança estrutural e dinâmica tecnológica em uma abordagem multissetorial. 2018. Tese (Doutorado em Economia) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018
  • [34] VAN ARK, B.; INKLAAR, R.; McGUCKIN, R. H. ICT and productivity in Europe and the United States: where do the differences come from? CESifo Economic Studies, v. 49, n. 3, p. 295-318, 2003.
Como citar:

Torezani, Tomás Amaral; "PRODUTIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NO PERÍODO 1996-2016: DECOMPOSIÇÃO DO CRESCIMENTO E PADRÕES DE CONCENTRAÇÃO EM UMA ABORDAGEM DESAGREGADA", p. 224-243 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-1.3-062

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações