Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

PREVALÊNCIA DE QUEIXAS MUSCULOESQUELÉTICAS ENTRE OS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO: ESTUDO REALIZADO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

SILVA, Ana Cláudia Colaço Lira e; SOARES, Marcelo M.; MARÇAL, Marcio Alves;

Artigo Completo:

Este artigo apresenta um recorte de uma pesquisa realizada a partir da análise ergonômica das atividades laborais de servidores Técnico-Administrativos em Educação (TAE´s) que atuam em secretarias de graduação do Centro de Artes e Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, com o objetivo de identificar a prevalência de queixas musculoesqueléticas entre os profissionais. Para tanto, aplicou-se o Método Sistema Humano Tarefa Máquina (SHTM), proposto por Moraes e Mont’Alvão (2012); o Questionário Nórdico e a Termografia digital. Os resultados confirmaram a existência de queixas desta natureza que podem esta relacionadas com fatores físicos envolvidos na realização da tarefa entre os profissionais envolvidos.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-conaerg2016-6797

Referências bibliográficas
  • [1] ALMEIDA, A. J. C.; MARTINS, R. M. L. Perturbações musculoesqueléticas no adolescente. 2013. Dissertação (Mestrado em Enfer. e Reabilitação) - Escola Superior de Saúde de Viseu, IPV. 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.19/2055.
  • [2] COUTO, H. Ergonomia Aplicada ao Trabalho – Conteúdo Básico – Guia Prático. Belo Horizonte: Ergo, 2007.
  • [3] KROEMER, K. H. E, GRANDJEAN, Etienne; Manual de Ergonomia – Adaptando o trabalho ao homem. Trad. Lia Buarque de Macedo Guimarães. 5. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.
  • [4] HISTÓRIA da Universidade Federal de Pernambuco. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 201
  • [5] IIDA, Itiro. Ergonomia: Projeto e Produção. São Paulo: Edgard Blucher, 200
  • [6] ABERNATHY, M.; BRANDT, M. M.; ROBINSON, C. Noninvasive testing of the carotid system. Am Fam Phys, North American, v. 29, p. 157-71, 1984.
  • [7] ALMEIDA, A. J. C.;MARTINS, R. M. L. Perturbações musculoesqueléticas no adolescente. 2013. Dissertação (Mestrado em Enfermagem e Reabilitação) - Escola Sup.de Saúde de Viseu, IPV. 2013. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.19/2055.
  • [8] ALVES, M. G. M.; CHOR, D.; FAERSTEIN, E.; LOPES, C. S.; WERNECK.G. L. Versão resumida da "job stress scale": adaptação para o português. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 38, n. 2, p. 164-71,2004.
  • [9] AMMER,K.;RING,E. F.Repeatability ofthes tandardviewofboth handsdorsal. Results froma trainingcourse onmedical infrared imaging.Thermology International, Nova York. v. 14, n. 3, p. 100-103, 2014.
  • [10] BRANDT, M. et al. Association between neck/shoulder pain and trapezius muscle tenderness in office workers. Pain Researchandtreatment. New York, 2014.
  • [11] BRIGGS, A. M.;SMITH, A. J.;STRAKER, L. M.;BRAGGE, P. Thoracic spine pain in general population: prevalence, incidence and associated factors in children, adolescents and adults: a
  • [12] systematic review. BMC MusculoskeletalDisorders, London, v.10, n. 77, 2009. Disp. em:http://www.biomedcentral.com/content/pdf/1471-2474-10-77.pdf
  • [13] COMPER, M. L.; MACEDO; F.; PADULA,R.S. Musculoskeletalsymptoms, postural dissorders and occupational riskfactors: correlationanalyis. Work. USA. v.41(suppl), n. 1, p. 2445-8, 2012.
  • [14] CORLETT, E. N.; MANENICA, I. The effects and measurement of working postures. Applied Ergonomics. Vol. 2, No. 1, p. 7-16, 1980.
  • [15] COUTO, H. Ergonomia Aplicada ao Trabalho – Conteúdo Básico – Guia Prático.Belo Horizonte: Ergo, 2007.
  • [16] CUNHA, J.B.;BLANK, V. L. G.; BOING, A. F. Time trends of leave in Brazilian civil servants (1995 – 2005). Rev. Bras. Epidemiol. , São Paulo, v.12, nº 2, p. 226-236. Jun. 2009.
  • [17] DUL, Jan; WEERDMEESTER, Bernard. Ergonomia Prática. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 2004.
  • [18] FILHO, J. M. J. Desenho do trabalho e patologia organizacional: um estudo de caso no serviço público. Revista Produção, Santa Catarina, v. 14, n. 3, p. 058-066, 2004.
  • [19] GRANDJEAN, Etienne; KROEMER, K. H. E. Manual de Ergonomia – Adaptando o trabalho ao homem. Trad. Lia Buarque de Macedo Guimarães. 5.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.
  • [20] HANVOLD, T.;VEIERSTED, K. B.;WAERSTED, M. A prospective study of neck, shoulder, and upper back pain among technical school students entering working life. J Adolesc Health., Portugal, v. 46,n. 5, p. 488-494, 2010.
  • [21] IIDA, Itiro. Ergonomia: Projeto e Produção. São Paulo: Edgard Blucher, 2005.
  • [22] JONES, B. F. A reappraisal of the use of infrared thermal image analysis in medicine. IEEE Trans. Med. Imaging, USAv. 17, p. 1019-1027,1998.
  • [23] MARQUES et al. Características biomecânicas, ergonômicas e clínicas da postura sentada: uma revisão biomecânica. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.17, n.3, p. 270-6, jul/set. 2010.
  • [24] MESQUITA, Cristina Carvalho; RIBEIRO, José Carlos; MOREIRA, Pedro. Portuguese version of the standardized nordic musculoskeletal questionnaire: cross cultural and reliability. J Public Health, North American, v. 18, p. 461-466, 2010.
  • [25] MORAES, Ana Maria de; MONT’ALVÃO, Claudia. Ergonomia: conceitos e aplicações. 4.ed. Ver. Atualizada e ampliada. Teresópolis, RJ: 2AB, 2012.
  • [26] OHA, K.; ANIMAGI, L.; PAASUKE M.; GOGGON.D.; MERISALU, E. Individual and work-related risk factors for Musculoskeletal pain: cross-sectional study among Estarian Computer users. BMC Musculoskeletal Disorders, London,v. 15, 2014.
  • [27] PAIVA, F. M. M. C.; MARQUES, A. A. G.; PAIVA, L. A. R. Prevalência as perturbações musculoesqueléticas vertebrais na adolescência. Revista Referência, Teresina, v. 2, n. 11, p. 93-104, 2009.
  • [28] PERRY, M.; STRAKER, L.; O'SULLIVAN, P.; SMITH, A.; HANDS, B. Fitness, motor competence, and body composition are weakly associated with adolescent back pain. J Orthop Sports Phys Ther, North American, v. 39, n. 6, p. 439-449, 2009. Disponível em: http://www.jospt.org/doi/pdfplus/10.2519/jospt.2009.3011
  • [29] RIBEIRO, C. V. S.; MANCEBO, D. O Servidor Público no Mundo do Trabalho do Século XXI. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília,v.33, n.1, p. 192-207, 2013.
  • [30] SERRANHEIRA, Florentino; PEREIRA, Mário; SANTOS, Carlos Silva; CABRITA, Manuela. Auto-referência de sintomas de lesões musculoesqueléticas ligadas ao trabalho (LMELT) numa grande empresa em Portugal. Rev.Saúde Ocupacional, São Paulo, p.37-47, 2003.
  • [31] SERRANHEIRA, Florentino; UVA, A.; LOPES, F. Lesões músculo-esqueléticas e trabalho: alguns métodos de avaliação do risco. Sociedade Portuguesa de Medicina do Trabalho.Cadernos Avulsos 5, Portugal,2008.
  • [32] SKAGGS, D. L.;EARLY, S. D.;D'AMBRA, P.;TOLO, V. T.;KAY, R. M. Back painand backpacks in school children‖. J Pediatr Orthop, North American, v. 26, n. 3, p. 358-363, 2006. TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais – a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1995.
  • [33] TROTTA, J.; ULBRICHT, L. Termografia no Diagnóstico Complementar de Doenças musculoesqueléticas. Pan American Journal of Medical Thermology. Curitiba, v. 2,n.1, p. 7-13, 2013.
  • [34] TURCI, Aline Mendonça. Adaptação transcultural para o português do Maastrich Upper Extremity Questionare (MUEQ) para trabalhadores de escritório usuários de computador. 2013. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação Reabilitação e Desempenho Funcional. Faculdade de Ribeirão Preto, USP, 2013.
  • [35] ZAPROUDINA, N.; VARMAVUO, V.; AIRAKSINEN, O.; NARHI, M. Reproducibility of infrared thermography measurements in healthy individuals, Physiol.Meas. Great Britain, 29 p. 515–524, 2008.
Como citar:

SILVA, Ana Cláudia Colaço Lira e; SOARES, Marcelo M.; MARÇAL, Marcio Alves; "PREVALÊNCIA DE QUEIXAS MUSCULOESQUELÉTICAS ENTRE OS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO: ESTUDO REALIZADO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO", p. 920-932 . In: 1º Congresso Internacional de Ergonomia Aplicada [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.3]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-conaerg2016-6797

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações