Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Prazer de uso e diversão: elementos ignorados ou demasiadamente sofisticados do bom design?

Joy of use and fun: ignored of over sophisticated elements of the good design?

Silva, Adrielly Souza; Souza Júnior, Edvaldo Vieira de; Daguir, Guilherme; Ranoya, Guilherme; Araújo, Janaina;

Artigo completo:

Este artigo discute o papel do prazer de uso, da diversão, e dos aspectos lúdicos na atividade projetual, configuração e/ou aprimoramento dos artefatos projetados. Dentro de abordagens funcionalistas, estes critérios ou perspectivas dificilmente adquiriram relevância como elementos centrais da solução de um projeto, e mesmo em abordagens contemporâneas, continuam tratados de forma secundária. A indagação proposta aqui é um questionamento sobre a relação destes critérios com o projeto de design: tratam-se de aspectos muito sofisticados dentro da variedades de questões que precisam ser equilibradas em um projeto, ou são aspectos que não entram no léxico projetual por não se qualificarem como algo realmente relevante na experiência de um usuário com um artefato? Para tentar responder a esta questão, este trabalho percorreu a revisão bibliográfica, discussão, comparação e aprofundamento dos conceitos de enjoyment, joy of use, playfulness, e de funology (o conhecimento produzido sobre a questão da diversão) como é abordado por diferentes autores do campo do design. Os resultados deste estudo são contribuições teóricas, conceituais e de fundamentos para entender as potencialidades destes aspectos no projeto de design, sobretudo na sua aplicação para configuração daquilo que convencionou-se chamar de "experiência". Concluímos aqui que são elementos evidentemente necessários, e que sua consideração em um projeto de design é condição sine-qua-non para a configuração de um artefato que dialoga e estabelece relações de troca genuínas com seus usuários e usufrutuários.

Artigo completo:

This article discusses the role of pleasure of use, of fun, and of playful aspects in the projective activity, configuration and / or improvement of the designed artefacts. Within functionalist approaches, these criteria or perspectives have never acquired relevance as central elements of a design solution, and even in contemporary approaches, they are still treated secondarily. The inquiry proposed here is a questioning about the relation of these criteria to the design project: are they over-sophisticated aspects within the varieties of questions that need to be balanced in a project, or are aspects that do not enter into the design lexicon because they can't qualify as something really relevant in a user's experience with an artefact? In order to answer this question, this work reviewed the bibliography, discussion, comparison and deepening the concepts of enjoyment, joy of use, playfulness, and funology, the knowledge produced on the issue of fun by the approach of different authors in the field of design on the subject. The results of this study are theoretical, conceptual and foundation contributions to understand the potentialities of these aspects in the design project, especially in its application to configure what is known as "experience". We conclude here that they are clearly necessary elements, and that their consideration in a design project is a sine-qua-non condition for the configuration of an artefact that dialogues and establishes genuine exchange relationships with its users.

Palavras-chave: enjoyment, prazer de uso, experiência, diversão, funology,

Palavras-chave: enjoyment, joy of use, experience, playfulness, funology,

DOI: 10.5151/9cidi-congic-4.0050

Referências bibliográficas
  • [1] Alexander, C. (1979). A timeless way of building. Oxford: Oxford University Press.
  • [2] Cardoso, R. (2012). Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac-Naify, 201
  • [3] Blythe, M., Overbeeke, K., Monk, A., & Wright, P. (2004). Funology - from usability to enjoyment. New York: Kluwer Academic Publishers.
  • [4] Csikszentmihalyi, M. (2008). Flow - the psychology of optimal experience. New York: HarperCollins.
  • [5] Damásio, A. (2005). O mistério da consciência - do corpo e das emoções ao conhecimento de si. São Paulo: Cia das Letras.
  • [6] Hall, S. (1997). A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A.
  • [7] Hassenzahl, M. (2010). Experience design - technology for all the right reasons. London: Morgan & Calypool.
  • [8] Hassenzahl, M. (2011). User experience and experience design in The encyclopedia of human-computer interaction. Copenhagen: Interaction design foundation. Disponível em acesso em 01/05/2019.
  • [9] Hassenzahl, M, Eckoldt, K., Diefenbach, S., Laschke, M., Lenz, E., & Kim, J. (2013). Designing moments of meaning and pleasure - experience design and happiness. International journal of design v. 7 n. 3.
  • [10] Larrosa, J. (2011). Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação, v. 19, n. 2, p. 04-27.
  • [11] Norman, D. (2004). Design emocional. Rio de Janeiro: Rocco, 2004.
  • [12] Sudjic, D. (2010). A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca.
  • [13] Sicart, M. (2014). Play matters. Massachusetts: MIT Press.
Como citar:

Silva, Adrielly Souza; Souza Júnior, Edvaldo Vieira de; Daguir, Guilherme; Ranoya, Guilherme; Araújo, Janaina; "Prazer de uso e diversão: elementos ignorados ou demasiadamente sofisticados do bom design?", p. 1545-1552 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-4.0050

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações