Resumo - Open Access.

Idioma principal

POR UM DESIGN POLÍTICO

Nogueira, Pedro Caetano Eboli; Portinari, Denise Berruezo;

Resumo:

Através do pensamento sobre os “meios de produção” proposto por Walter Benjamin, a análise da sociedade burguesa empreendida por Roland Barthes e o pensamento de materialidade de Bruno Latour, bem como o pensamento sobre o Dissenso, de Jacques Rancière se pretende chegar a uma política da estética para o design. Pressupondo que o modernismo tenha incutido nos modelos epistemológicos do design a ideia de verdade, típica do discurso científico, o presente artigo se propõe a pensar de que forma o design político pode constituir um campo de ficção, capaz de, no avesso das práticas corriqueiras do design, gerar rupturas na ordem do sensível.

Artigo selecionado para publicação na ESTUDOS EM DESIGN (https://www.eed.emnuvens.com.br/design/

Resumo:

Palavras-chave: design; política; estética; dissenso; subjetivação,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0016

Referências bibliográficas
  • [1] BARTHES,land. Mitologias. Rio de Janeiro: Difel, 2003.
  • [2] BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas, Vol. 1 - Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense, 1994.
  • [3] BOMFIM, Gustavo Amarante. Fundamentos de uma Teoria Transdisciplinar do Design: morfologia dos objetos de uso e sistemas de comunicação. In: Estudos em Design, Volume 5, n 2, dez 1997. p. 27-41.
  • [4] CROSS, Nigel. Designerly Ways of Knowing. London: Springer, 2006.
  • [5] DISALVO, Carl. Adversarial design. Cambridge: MIT Press, 2012.
  • [6] DISALVO, Carl. Design and the Construction of Publics. Design Issues. 25, 48-63, 2009.
  • [7] EISENMAN, Peter. “O fim do clássico: o fim do começo, o fim do fim”. In: Peter. “O pós-funcionalismo”. In: NESBITT, K (Org.). Uma nova agenda para a arquitetura - antologia teórica (1965-1995). São ULT, Michel & MACHADO, Roberto (org). Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1989.
  • [8] GREENBERG, Clement – Pintura Modernista. In: Glória Ferreira e Cecília Cotrim (orgs) - Clement Greenberg e o Debate Crítico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997
  • [9] HALDRUP, Michael et. al., Remix Utopia: Eleven Propositions in Design and Social Fantasy. Nordes 2015: Design Ecologies. Nordic Design Research, n.6, 2015.
  • [10] LATOUR, Bruno. Um Prometeu cauteloso? alguns passos rumo a uma filosofia do design (com especial atenção a Peter Slotedijk). Agitprop: revista brasileira de design, São Paulo, v. 6, n. 58, jul./ago. 2014.
  • [11] LATOUR, Bruno. What Is the Style of Matters of Concern? Two Lectures in Empirical Philosophy. Assen: Koninklijke Van Gorcum, 2008.
  • [12] RANCIÈRE, Jacques. O dissenso. In: A crise da razão. Adauto Novaes (Org.). São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
  • [13] RANCIÈRE, Jacques. O Destino das Imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.
  • [14] SUDJIC, Deyan. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.
  • [15] THORPE, Anne. Defining Design as Activism. Artigo submetido ao Journal of Architectural Education, 2011.
Como citar:

Nogueira, Pedro Caetano Eboli; Portinari, Denise Berruezo; "POR UM DESIGN POLÍTICO", p. 182-192 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0016

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações