Artigo - Open Access.

Idioma principal

POLÍTICAS PÚBLICAS E COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA: OS CASOS DO BRASIL E DA ÍNDIA

FRANCULINO, Kleber Alves da Silva; GOMES, Rogério;

Artigo:

Este trabalho procura avaliar de que forma as políticas públicas adotadas pelo Brasil e pela Índia ao longo da história influenciaram o desenvolvimento da indústria farmacêutica nesses países. Para isso, realizamos uma breve revisão histórica da indústria e das medidas adotadas por ambos os países. Além disso, verificamos por meio de indicadores de comércio internacional o desempenho demonstrado ao longo de um período que visa captar os efeitos da adoção do acordo TRIPS (Trade Related Aspects of Intellectual Property Rights) sobre a estrutura produtiva de medicamentos. A hipótese assumida é a de que os fluxos de comércio internacional podem revelar aspectos da competitividade da indústria. Após a análise dos indicadores, verifica-se que a continuidade das políticas adotadas é de fundamental importância para que seja possível promover o desenvolvimento da indústria farmacêutica nos países em desenvolvimento.

Artigo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-1enei-065

Referências bibliográficas
  • [1] AMENDOLA, G.; DOSI, G.; PAPAGNI, E. The Dynamics of International Competitiveness. p. 451 – 471, 199
  • [2] BELL, M.; PAVITT, K. The development of technological capabilities. Technology and International Competitiveness. In: HAQUE, I. U. (Ed.). . Trade, technology and international competitiveness. Washington: The World Bank, 1995. p. 69 – 101.
  • [3] BERMUDEZ, J. Medicamentos Genéricos: Uma Alternativa para o Mercado Brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 10(3): 368-379, 1994.
  • [4] CHAUDURY, S.; FELKER, G; GYORGY, K. The pharmaceutical industry in India and Hungary. World Bank Technical Paper, nº 392, 1997.
  • [5] DOSI, G.; SOETE, L. Technical change and international trade. In: Technical Change and Economic Theory. 1. ed. Londres: Pinter Publishers Limited, 1988. p. 401–431.
  • [6] Economic Times. Disponível em: http://articles.economictimes.indiatimes.com/2004-12-17/news/27367599_1_drl-tentative-approval-laboratories, acesso em 17/07/2014.
  • [7] FRANÇOSO, M.S. A indústria farmacêutica nos países emergentes: um estudo comparativo sobre a trajetória de desenvolvimento do setor na Índia e no Brasil. Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Unesp. 2011.
  • [8] FILHO, P. L. P.; PAN, S. S. K. Cadeia farmacêutica no Brasil: avaliação preliminar e perspectivas. BNDES Setorial, p. 3-22, 2003.
  • [9] GUENNIF, S.; RAMANI, S. V. Explaining divergence in catching-up in pharma between India and Brazil using the NSI framework. Research Policy, v. 41, n. 2, p. 430–441, 2012.
  • [10] IETTO-GILLIES, G. Transnational Corporations and International Production: Concepts, theories and effects. Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited, 2005.
  • [11] MALERBA, F.; ORSENIGO, L. Technological Regimes and Sectoral Patterns of Innovative Activities. Industrial and Corporate Change, v. 6, n. 1, p. 83–118, 1997.
  • [12] O ESTADO DE SÃO PAULO, 2014. Disponível em: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,generico-brasileiro-tipo-exportacao-imp-,1136728, acesso em 22/12/2014.
  • [13] PARANHOS, J. Interação entre empresas e instituições de ciência e tecnologia no sistema farmacêutico de inovação brasileiro: estrutura, conteúdo e dinâmica. Tese de doutorado – Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2010.
  • [14] PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. 8a edição ed. Rio de Janeiro: Campus, 1989.
  • [15] SUZIGAN, W.; FURTADO, J. Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, v. 26, n. 2(102), p. 163–185, 2006.
  • [16] RADAELLI, V. Os investimentos diretos estrangeiros no Brasil e a questão tecnológica na indústria farmacêutica. Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, UNESP. 2003.
  • [17] Ramani, S.; Guennif, S. Explaining divergence in catching-up in pharma between India and Brazil using the NSI framework. Research Policy, volume 41, p. 430 – 441, 2011.
  • [18] RAY, A.S. Aprendizagem e inovação na indústria farmacêutica indiana: o papel da IFI e outras intervenções políticas. RECIIS – Revista Eletrônicade Comunicação, Informação & Inovação em Saúde. Rio de Janeiro, v.2, n.2, p. 74 – 80, jul. - dez., 2008.
  • [19] URIAS, E.M.P. A indústria farmacêutica brasileira: um processo de co-evolução entre tecnologia, instituições e organizações industriais. Tese de mestrado – Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2009.
  • [20] VIANNA, C. N. D. M. Indústria Farmacêutica: uma análise da estrutura e evolução. Estudo em saúde coletiva / UERJ, v. 130, p. 48, 1995.
  • [21] VIDAL, J.W.B. Indústria farmacêutica: tecnologia, patentes e autonomia nacional. 7º Seminário Temático Permanente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), 30 de maio de 2001.
  • [22] VIEIRA, M.M.V.; OHAYON, P. Inovação em fármacos e medicamentos: estado-da-arte no Brasil e políticas de P&D. Revista economia & gestão da PUC Minas. Belo Horizonte. 2006.
  • [23] VALOR, 2001. Disponível: http://www.valor.com.br/arquivo/1000036525/novo-nordisk-ficacom-o-controle-da-biobras#ixzz314DslIHb, acesso em 04/03/2014.
Como citar:

FRANCULINO, Kleber Alves da Silva; GOMES, Rogério; "POLÍTICAS PÚBLICAS E COMPETITIVIDADE NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA: OS CASOS DO BRASIL E DA ÍNDIA", p. 1159-1175 . In: Anais do 1º Encontro da Nacional de Economia Industrial e Inovação [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.4]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-1enei-065

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações