Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

PERCEPÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE PELOS AGENTES PENITENCIÁRIOS DO PRESIDIO MASCULINO DE FLORIANÓPOLIS/SC

REINERT, Fabíola; VERGARA, Lizandra Garcia Lupi; GONTIJO, Leila Amaral;

Artigo Completo:

Partindo-se das hipóteses de que a saúde do trabalhador é amplamente influenciada pela sua condição de trabalho e que o trabalho em presídios contribui para a incidência de problemas de saúde, este estudo de caso investiga a real percepção dos agentes penitenciários do Presídio Masculino de Florianópolis/SC sobre seu trabalho e saúde, a partir da técnica de análise do conteúdo. O estudo desenvolvido enfatiza que o tipo de trabalho e seu conteúdo elevam o nível de stress dos trabalhadores analisados, sendo que a falta de segurança gera medo e desconfiança, revelando problemas na organização e no processo de trabalho.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-conaerg2016-4635

Referências bibliográficas
  • [1] ANSON, R. H.; JOHNSON, B.; ANSON, N. W. Magnitude and source of general and occupation-specific stress among police and correctional officers. Journal of Offender Rehabilitation, v.25, p.103 – 113, 1997. ARMSTRONG, G. S.; GRIFFIN, M. Does the job matter? Comparing correlates of stress among treatment and correctional staff in prisons. Journal of Criminal Justice, v.32, p.577–592, 2004. BABAZONO, A; MINO, Y; NAGANO, J; TSUDA, T; ARAKI, T. A prospective study on the influences of workplace stress on mental health. Journal of Occupational Health, v.47, p.490-495, 2005. BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, LDA, 2009. BOURBONNAIS, R.; JAUVIN, N.; DUSSAULT, J.; VÉZINA, M. Psychosocial work environment, interpersonal violence at work and mental health among correctional officers. International Journal of Law and Psychiatry, v.30, p.355–368, 2007. BRASIL - CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE. Resolução No 196, de 10 de outubro de 1996. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/docs/Resolucoes/Reso196.doc. Acesso em: 20 set. 2014. CAMP, S.; LAMBERT, E. The influence of organizational incetives on absenteeism: sick-leave use among correctional workers. Criminal Justice Policy Review, v.17, p.144-172, 2006. CASSITO, M; FATTORINI, E; GILIOLO, R; RENGO, C. Raising awareness to psychological harassment at work- Protecting Workers’ Health series. Milano: World Health Organization, 2003, p.16-23. CHEEK, F. E. Stress management for correctional officers and their families. College Park, MD: American Correctional Association, 1984. CHENG, Y; KAWACHI, I; COAKLEY, E; SCHWARTS, J; COLDITZ, G. Association between psychosocial work characteristics and health functioning in American women: prospective study. British Medical Journal, v.320, p.1432-1436, 2000. DAMAS, F. B. Assistência e condições de saúde nas prisões de Santa Catarina, Brasil. Revista de Saúde Pública de Santa Catarina, n. 5, v. 3, p. 6-22, 2012. DIUANA, V.; LHUILIER, D.; SÁNCHEZ, A. R.; AMADO, G.; ARAÚJO, L.; DUARTE, A. Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, n. 24, v.8, p. 1887-1896, 2008. DE CARLO, D. T.; GRUENFELD, D. H. Stress in the American workplace: Alternatives for the working wounded. Fort Washington, PA7 LRP Publications, 1989. DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez Oboré, 1992. FERNANDES, R.; SILVANY NETO, A.; SENA, G.; LEAL, A. CARNEIRO, C; COSTA, F. Trabalho e cárcere: um estudo com agentes penitenciários da Região Metropolitana de Salvador, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v.18, p.807-816, 2002. FINN, P. Correctional officer stress: A cause for concern and additional help. Federal Probation, v.62, p.65–74, 1998. GHADDAR, A.; MATEO, I.; SANCHEZ, P. Occupational stress nad mental health among officers: a cross-sectional study. Journal of Occupational Health, v.50, p.92-98, 2008. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1996.
  • [2] GOLDBERG, P.; DAVID, S.; LANDRE, M.; GOLDBERG, M.; DASSA, S.; FUHRER, R. Work conditions and mental health among prison staff in France. Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, v.22, n.1, p. 45–54, 1996. GOMES, S. M. Sofrimento mental e satisfação no trabalho em professores de unidades prisionais em Porto Velho. Brasília, 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) - Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, 2009. HIGASHIGUCHI K, NAKAGAWA H, MORIKAWA, Y; ISHIZAKI, M; MIURA, K; NARUSE, Y; KIDO, T. The association between job demand, control and depression in workplaces in Japan. Journal of Occupational Health, v.44, p.427-428, 200 HUCKABEE, R. G. Stress in corrections: An over- view of the issues. Journal of Criminal Justice, v.20, p.479 – 486, 199 ISHIZAKI, M; KAWAKAMI, N; HONDA, R; NAKAGAWA, H; MORIKAWA, Y; YAMADA Y. The Japan work stress and health cohort study group: psychosocial Word characteristics and sickness absence in Japanese employees. International Archives of Occupational and Environmental Health, v.7, p.640-646, 2006. JOHNSON, S.; COOPER, C.; CARTWRIGHT, S.; DONALD, I.; TAYLOR, P.; MILLET, C. The experience of work relates stress across occupations. Journal of Managerial Psychology, v.20, p.1-2, 2005. LIU, L.; HU, S.; WANG, L.; SUI, L.; MA, L. positive resources for combating depressive symptoms among Chinese male correctional officers: perceived organizational support and psychological capital. BMC Psychiatry, v.13, p.89, 2013. OBIDOA, C.; REEVES, D.; WARREN, N.; REISINE, S.; CHERNIACK, M. Depression and work family conflict among corrections officers. Journal of Occupational and Environmental Medicine, v.53, n.11, p.1294–1301, 2011. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Relatório Global do Seguimento da Declaração da OIT relativa a Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho. Disponível em: http://www.oit.org.br/sites/all/forced_labour/oit/relatorio/relat_global.pdf. Acesso em: 30 abr. 2014. REINERT, F.; MERINO, E.C.D.; GONTIJO, L.A. Análise das condições de trabalho do assistente social no Presídio Feminino de Florianópolis/SC. Ação Ergonomica, v.9, n.2, p.97-106, 2014.a RUMIN, C. Sofrimento e vigilância prisional: o trabalho e a atenção em saúde mental. Psicologia: ciência e profissão, v.26, n.4, p.570-581, 2006. SANTOS, D.; DIAS, J.; PEREIRA, M.; MOREIRA, T.; BARROS, D.; SERAFIM, A. Prevalência de transtornos mentais comuns em agentes penitenciários. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho, v.8, n.1, p.33-38, 2010. SANTOS, M. Agente penitenciário: trabalho no cárcere. Natal, 2010. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2010. SCHAUFELI, W. B.; PEETERS, M. C. W. Job stress and burnout among correctional officers: A literature review. International Journal of Stress Management, v.7, p.19–48, 2000. SENOL-DURAK, E.; DURAK, M.; GENCOZ, T. Development of work stress scale for correctional officers. Journal of Occupational Rehabilitation, v.16, n.1, p.157–168, 2006. STANSFELD, S; CANDY, B. Psychological work environment and mental health - a meta-analysis review. Scandinavian Journal of Work, Environment & Health, v.32, p.443-462, 2006.
  • [3] SUI, G.; HU, S.; SUN, W.; WANG, Y.; LIU, L.; YANG, X.; WANG, L. Prevalence and associated factors of depressive symptoms among Chinese male correctional officers. International Archives of Occupational and Environmental Health, v.87, p.387-395, 2014. TARTAGLINI, A.; SAFRAN, D. A topography of psychiatric disorders among correction officers. Journal of Occupational and Environmental Medicine, v. 39, p. 569-573, 1997. TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2006. TSUTSUMI, A.; KAYABA, K.; NAGAMI, M.; MIKI, A.; KAWANO, Y.; OHYA, Y.; ODAGIRI, Y.; SHIMOMITSU. The effort-reward imbalance model: experience in Japaes working population. Journal of Occupational Health, v.44, p.398-407, 2002. VASCONCELOS, A. A saúde sob custódia: um estudo sobre agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2000. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Centro de estudos da saúde do trabalhador e ecologia humana, Escola Nacional de Saúde, 2000. WOODRUFF, L. Occupational stress for correctional personnel. American Jails, v. 7, p. 15-20, 199
Como citar:

REINERT, Fabíola; VERGARA, Lizandra Garcia Lupi; GONTIJO, Leila Amaral; "PERCEPÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE PELOS AGENTES PENITENCIÁRIOS DO PRESIDIO MASCULINO DE FLORIANÓPOLIS/SC", p. 1040-1051 . In: 1º Congresso Internacional de Ergonomia Aplicada [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.3]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-conaerg2016-4635

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações