Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS TRANSNACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO BRASIL E DA CHINA

PEREZ, Camila Behrends; TATSCH, Ana Lúcia;

Artigo Completo:

Nas últimas décadas, o movimento de globalização pelo qual a economia mundial tem passado impôs às firmas a necessidade de constante inovação nos produtos e serviços oferecidos. Nesse contexto, os investimentos em pesquisa e desenvolvimento (P&D) passaram a receber maior atenção e incentivos, chegando a apresentar um crescimento anual de 6,7% nos últimos dez anos. A participação das empresas transnacionais (ETNs) no gasto mundial com P&D é muito significativa, mas a distribuição entre países desenvolvidos e em desenvolvimento é bastante desigual. O objetivo do presente trabalho é discutir a participação dessas empresas no desenvolvimento tecnológico do Brasil e da China, procurando entender as motivações e impactos desses investimentos nos países em questão. Para tanto, inicialmente é feita uma revisão das principais teorias relativas à internacionalização de P&D. Com base nessa revisão, são determinados alguns elementos relevantes no processo de decisão de investimento das ENTs, que então são analisados para os casos específicos do Brasil e da China. Em seguida, são analisados dados relativos ao padrão de investimentos das ETNs nesses dois países. A partir de uma comparação da revisão da literatura com as bases de dados consultadas, este trabalho conclui que, apesar de nos últimos anos já ter apresentado um crescimento, a participação das ETNs no desenvolvimento tecnológico do Brasil e da China ainda é pequena, tendo as firmas locais e demais instituições de pesquisa maior relevância nesse processo. Como parte da conclusão são levantados alguns pontos que podem representar entraves ao crescimento dessa participação.

Artigo Completo:

In the last decades, the globalization movement through which the world economy has passed imposed on firms the need for constant innovation in the products and services offered. In this context, investments in research and development (R&D) began to receive greater attention and incentives, reaching an annual growth of 6.7% in the last ten years. The share of transnational corporations (TNCs) in world R&D spending is very significant, but the distribution between developed and developing countries is quite uneven. The objective of the present study is to discuss the participation of these companies in the technological development of Brazil and China, trying to understand the motivations and impacts of these investments in these countries. To do so, initially a review of the main theories regarding the internationalization of R&D is made. Based on this review, some relevant elements are determined in the TNC’s investment decision process, which are then analyzed for the specific cases of Brazil and China. Next, data on the investment pattern of TNCs in these two countries are analyzed. From the comparison of the literature review with the databases consulted, this study concluded that, although in recent years there has already been a growth, the participation of TNCs in the technological development of Brazil and China is still smaller than the local firms and other research institutions. As part of the conclusion, this study discusses some aspects that may be considered an obstacle to the growth of this participation.

Palavras-chave: Empresas Transnacionais, Pesquisa e Desenvolvimento, Sistema Nacional de Inovação, Inovação,

Palavras-chave: Transnational Companies, Research & Development, National System of Innovation, Innovation,

DOI: 10.5151/enei2017-49

Referências bibliográficas
  • [1] ABDI. Relatório de Ações 2011-2014. Brasília: Abdi, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [2] BAPTISTA, Margarida Afonso Costa. A Abordagem Neo-Schumpeteriana: Desdobramentos normativos e implicações para a política industrial. 1997. 145 f. Tese (Doutorado) - Curso de Economia, Unicamp, Campinas, 1997.
  • [3] BAS, Christian Le; SIERRA, Christophe. Location versus Home Country Advantages in R&D Activities: some further results on multinationals locational strategies. Research Policy, Lyon, v. 4, n. 31, p.589-609, maio 2002.
  • [4] CASSIOLATO, José E.; FONTAINE, Patrick. O papel das empresas transnacionais no sistema nacional de inovação brasileiro. In: CASSIOLATO, José E. et al. Sustentabilidade socioambiental em um contexto de crise. Rio de Janeiro: E-papers, 2015. p. 233-262
  • [5] CASSIOLATO, José E.; ZUCOLOTO, Graziela. Transnational Corporations and the Brazilian National System of Innovation. In: IDRC et al (Ed.). Transnational Corporations and Local Innovation. Nova Déli: Routledge, 2014. p. 68-132.
  • [6] CEPAL. Foreign Direct Investment in Latin America and the Caribbean 201 Santiago do Chile: Cepal, 201 164 p. Disponível em: < http://www.cepal.org/en/publications/type/foreign-direct-investment-latin-america-and-caribbean>. Acesso em: 23 outubro 201
  • [7] CHINA, Patent Law, 1984.
  • [8] CNI. Centros de P&D no Brasil: uma agenda para atrair investimentos. Brasília: Cni, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [9] CUNHA, S. F.; XAVIER, C. L. Fluxos de investimento direto externo, competitividade e conteúdo tecnológico do comércio exterior da China no início do século XXI. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 30, n. 3, p.491-510, jun-set. 2010.
  • [10] EDQUIST, C. Systems of Innovation. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C. The Oxford Handbook of Innovation: Perspectives and challenges. Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 181-208.
  • [11] ERNST & YOUNG. Worldwide R&D incentives reference guide. Unknown: Ernst & Young, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [12] FAPESP. Atividades de Patenteamento no Brasil e no Exterior. In: FAPESP. Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo. São Paulo: Fapesp, 2010. p. 5;1-5;54. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [13] FIESP. Impactos da suspensão da Lei do Bem. São Paulo: Fiesp, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [14] FREEMAN, C. The National System of Innovation in historical perspective. Cambridge Journal Of Economics, Cambridge, v. 19, p.5-24, 1995.
  • [15] GALINA, S. V. R. Desenvolvimento global de produtos: o papel das subsidiárias brasileiras de fornecedores de equipamentos do setor de telecomunicações. 2003. Tese (Doutorado) - Curso de Engenharia, Escola Politécnica, USP, São Paulo, 2003.
  • [16] HIRATUKA, C. Internacionalização de atividades de pesquisa e desenvolvimento das empresas transnacionais: análise da inserção das filiais brasileiras. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 1, n. 19, p.105-114, jan. 2005. Semestral.
  • [17] HIRATUKA, C. The role of transnational corporations in the Brazilian national system of innovation. Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia – Instituto de Economia (NEiT – IE), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), 1(03), Campinas, abril 2003.
  • [18] IBGE. Pesquisa de Inovação. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013. 227 p. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2016.
  • [19] KPMG. China Outlook 2015. Pequim: Kpmg, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [20] KPMG. China 360: New frontier for global R&D. Pequim: Kpmg, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [21] KUEMMERLE, W. The drivers of foreign direct investment into research and development: an empirical investigation. Journal of International Business Studies, v. 30, n. 1, p. 1-24, 1999.
  • [22] MCTI. Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação 2012-2015. Brasília: Mcti, 2016. Disponível em: < http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf >. Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [23] MCTI. Estratégia Nacional de Ciência Tecnologia e Inovação 2016-2019. Brasília: Mcti, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [24] MOST. Torch Program. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [25] NARULA, R.; ZANFEI, A. Globalization of Innovation: The Role of Multinational enterprises. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D. C. The Oxford Handbook of Innovation: Perspectives and challenges. Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 318-345.
  • [26] NATIONAL SCIENCE BOARD. Science and Technology Indicators 2014. Arlington: National Science Board, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [27] NATIONAL SCIENCE BOARD. Science and Technology Indicators 2016. Arlington: National Science Board, 2016. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2016.
  • [28] NESTA. China's Absorptive State: Research, innovation and the prospects for China-UK collaboration. Londres: Nesta, 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [29] OCDE R&D Tax Incentives Indicators [Internet]. Geneva. 2000-2013 [citado em 2016]. Disponível em: .
  • [30] OCDE. China in Focus: Lessons and Challenges. Paris: OCDE, 2012. Disponível em: < https://www.oecd.org/china/50011051.pdf >. Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [31] OCDE. OECD Investment Policy Reviews: China 2008. Geneva: OCDE, 2008. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [32] PEARCE, R. The Globalization of R&D: key features and the role of TNCs. In: UNCTAD. Globalization of R&D and Developing countries. Nova York e Geneva: Onu, 2005. p. 29-42. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2016.
  • [33] PICCI, L; SAVORELLI, L. Internationalized R&D activities and technological specialization: an analysis of patent data. Nov. 2012. Mimeo. Disponível em: < https://www.oecd.org/site/stipatents/6-3-Picci-Savorelli.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2017.
  • [34] REDDY, P. R&D-related FDI in developing countries: implications for host countries. In: UNCTAD. Globalization of R&D and Developing countries. Nova York e Geneva: Onu, 2005. p. 89-105. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2016.
  • [35] SUN, Y. Foreign research and development in China: a sectoral approach. International Journal of Technology Management, 51, (2/3/4), 2010.
  • [36] UNCTAD. World Investment Report 2005. Nova York e Geneva: ONU, 2005. 366 p. Disponível em: . Acesso em: 12 maio 2016.
  • [37] UNCTAD. World Investment Report 2016. Nova York e Geneva: ONU, 2016. 332 p. Disponível em: . Acesso em: 31 outubro 2016.
  • [38] UNESCO. UIS Statistics. 2016. Disponível em: < http://data.uis.unesco.org/>. Acesso em: 02 outubro 2016.
  • [39] WIPO. Country Profiles. 2016. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [40] WIPO. Program and Budget. Geneva: Wipo, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2016.
  • [41] YUAN, Z. Features and impacts of the internationalization of R&D by transnational corporations: China’s case. In: UNCTAD. Globalization of R&D and Developing countries. Nova York e Geneva: Onu, 2005. p. 109-115. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2016.
  • [42] ZUCOLOTO, G. F. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO POR ORIGEM DE CAPITAL NO BRASIL: P&D, PATENTES E INCENTIVOS PÚBLICOS. 2009. 211 f. Tese (Doutorado) - Curso de Economia, Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.
Como citar:

PEREZ, Camila Behrends; TATSCH, Ana Lúcia; "PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS TRANSNACIONAIS NO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO BRASIL E DA CHINA", p. 889-909 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-49

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações