Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

Padrões de inserção externa nas cadeias globais de valor: uma análise de Brasil e China a partir da sofisticação tecnológica do valor adicionado nas exportações

Araújo, Caroline Giusti; Diegues, Antônio Carlos;

Artigo completo:

A literatura a respeito do comércio internacional tem mostrado os benefícios da fragmentação internacional da produção aos países em desenvolvimento à medida em que pode representar uma “janela de oportunidade” para o desenvolvimento de etapas produtivas industriais. No entanto, há ponderações advindas da hierarquização e comando nestas redes que não permitem uma distribuição homogênea do conhecimento. Nessa perspectiva, este trabalho objetiva avaliar de forma comparada a inserção internacional brasileira e chinesa reparametrizando o indicador apresentado por Hermida (2016). Desta forma, apresenta-se a integração dos países nas cadeias globais de valor em termos de padrões setoriais de agrupamento tecnológico, isto é, agrupamentos industriais intensivos em trabalho, escala, diferenciado e recursos naturais, utilizando dados do valor adicionado doméstico no período de 1995 a 2011. Os resultados apontam que o acoplamento às cadeias globais de valor e a sofisticação tecnológica têm sido direcionados a agrupamentos tecnológicos que o Brasil possui vantagens comparativas reveladas estáticas ao passo que a China apresentou resultados relevantes naqueles com vantagens comparativas dinâmicas.

Artigo completo:

Palavras-chave: Cadeias Globais de Valor; Inserção Internacional; Brasil; China,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-2.2-055

Referências bibliográficas
  • [1] ABRAMOVITZ, M. A. Catching Up, Forging Ahead and Falling Behind', Journal of Economic History, 46, 385-406.1986.
  • [2] AREND, M. A industrialização do Brasil ante a nova divisão internacional do trabalho. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2015.
  • [3] BALASSA, B. Trade liberalization and revealed comparative advantage. Manchester School of Economics and Social Studies, v.33, n. 2, p. 99- 123, maio.1965.
  • [4] BALDWIN, R. E. Global supply chains: why they emerged, why they matter, and where they are going. 2012.
  • [5] BELLUZZO, L. G. A internacionalização recente do regime do capital. Campinas: CESIT/IE/UNICAMP – Carta Social e do Trabalho 27 – julho/setembro de 2014.
  • [6] CHINA MANUFACTURING 2025. European Union Chamber of Commerce in China. 2017.
  • [7] CONTI, B.; BLIKSTAD, N. Impactos da economia chinesa sobre a brasileira no início do século XXI: o que querem que sejamos e o que queremos ser. Texto para discussão 292. Instituto de Economia. UNICAMP. Campinas, 201
  • [8] DE NEGRI, F. Política de apoio à inovação tecnológica no Brasil: Avanços recentes, limitações e propostas de ações. Instituo de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília, 2017.
  • [9] GEREFFI, G., & FERNANDEZ-STARK, K. Global value chain analysis: a primer. Social Science Research Institute. Duke University. 2016.
  • [10] HERMIDA, C. C. Padrão de especialização comercial e crescimento econômico: uma análise sobre o Brasil no contexto da fragmentação da produção e das cadeias globais de valor. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Economia do Instituto de Economia da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 2016.
  • [11] KOOPMAN. R. et al. Give credit where credit is due: tracing value added in global production chains. NBER Working Paper, no 16426. Cambridge, MA: [s.n.], 2010.
  • [12] KOOPMAN, R.; WANG, Z. The Value-added Structure of Gross Exports and Global Production Network. Final WIOD Conference “Causes and Consequences of Globalization” April 24-26, 2012 p. 1–43, 20
  • [13] LALL, S. Globalização e desenvolvimento: perspectivas para as nações emergentes. A nova agenda mundial. Desenvolvimento em debate, 2002.
  • [14] MARCATO, M. B. Trade integration in a vertically fragmented production structure: Theory, metrics, and effects. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Econômicas, área de concentração: Teoria Econômica do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, 2018.
  • [15] MASIERO, G.; COELHO, D. B. A política industrial chinesa como determinante de sua estratégia going global. Revista de Economia Política, vol. 34, nº 1 (134), pp. 139-157, 2014.
  • [16] MEDEIROS, C. A. Política Industrial e Divisão Internacional de Trabalho. Brazilian Journal of Political Economy. São Paulo, 2019.
  • [17] NASSIF, A. Há evidências de desindustrialização no Brasil? Brazilian Journal of Political Economy, vol. 28, nº 1 (109), pp. 72-96. 2008.
  • [18] NONNEMBERG, M. J. B. Participação em cadeias globais de valor e desenvolvimento econômico. Boletim de Economia e Política Internacional. BEP. n. 17. 2014.
  • [19] OECD. Structural Adjustment and Economic Performance. Paris: Organization for Economic Cooperation and Development. 1987.
  • [20] OECD. Trade in Value Added. Disponível em:< http://stats.oecd.org/index.aspx?r=59951&erroCode=403&lastaction=login_submit#>. Acesso em: 04 abr. 2018.
  • [21] OECD. Trade in Value Added indicators. Guide to country notes. The information included in the country notes is based on the May 2013 release of the Trade in Value-Added (TiVA) database. 2013.
  • [22] OECD. Trade in Value Added indicators - definitions. Version 1.1. 2016.
  • [23] ORTUSO, A. C. O Brasil e as cadeias globais de produção. Campinas: CESIT/IE/UNICAMP – Carta Social e do Trabalho 27 – julho/setembro de 2014.
  • [24] PINTO, E. C.; FIANI, R.; CORRA, L. M. Dimensões da Abordagem da Cadeia Global de Valor: upgrading, governança, políticas governamentais e propriedade intelectual. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2015.
  • [25] REIS, C. F. B.; ALMEIDA, J. S. G. A inserção do Brasil nas cadeias globais de valor comparativamente aos BRIICS. Texto para discussão. Campinas, 2014.
  • [26] SARTI, F.; HIRATUKA, C. Indústria mundial: mudanças e tendências recentes. Campinas: Unicamp. IE, 2010.
  • [27] SARTI, F.; HIRATUKA, C. Desempenho recente da indústria brasileira no contexto de mudanças estruturais domésticas e globais. Campinas: Unicamp. IE, 2017.
  • [28] SCHERER, A. L. F. Cadeias de valor e cadeias globais de valor. In: CONCEIÇÃO, C. S.; FEIX, R. D. (Org.). Elementos conceituais e referências teóricas para o estudo de Aglomerações Produtivas Locais. Porto Alegre: FEE, 2014.
  • [29] STURGEON, T.; GEREFFI, G.; GUINN, A.; ZYLBERBERG, E. O Brasil nas cadeias globais de valor: implicações para a política industrial e de comércio. 2013. Disponível em:. Acesso em: 05 jun. 2018.
  • [30] TAGLIONI, D.; WINKLER, D. Making global value chain work for development. Economic Premise. Word Bank. Number 143. 2014. Disponível em:< www.worldbank.org/economicpremise.>. Acesso em: 01 abr 2018.
  • [31] TANG, M., & HUSSLER, C. Betting on indigenous innovation or relying on FDI: the Chinese strategy for catching-up. Technology in Society, 33, 23–35, 2013.
  • [32] UNCTAD, World Investment Report. Global Value Chains: investment and trade for development. Capítulo IV, 2013.
  • [33] VERSPAGEN, B. A new empirical approach to catching up or falling behind. Structural Change and Economic Dynamics, vol. 2, no. 2. Oxford University Press. 1991.
  • [34] WORD BANK. Measuring and analyzing the impact of GVCs on economic development. Global value chain development report, 2017.
Como citar:

Araújo, Caroline Giusti; Diegues, Antônio Carlos; "Padrões de inserção externa nas cadeias globais de valor: uma análise de Brasil e China a partir da sofisticação tecnológica do valor adicionado nas exportações", p. 424-429 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-2.2-055

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações