Artigo - Open Access.

Idioma principal

OS RISCOS DA PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS EM LOCAIS ABERTOS NA CIDADE DE SÃO PAULO

COELHO JUNIOR, Eueliton Marcelino; BOAS, Kimberlin Rocha Villas; QUINTINO, Luís Fernando; PIAZZA, Cesar Augusto Della; ANDRADE, Alexandre Acácio de;

Artigo:

O presente artigo tem como objetivo demonstrar os riscos da realização, em locais abertos, da prática de atividades físicas na cidade de São Paulo bem como apontar possíveis soluções a curto prazo. Evidenciamos, com muita amplitude, os benefícios físicos, psicológicos e cognitivos conseguidos através da prática regular de atividades físicas para a saúde das pessoas. Analisamos os índices de poluentes atmosféricos presentes no ar do município de São Paulo, abrangendo diversos bairros da capital, e verificamos que se encontram acima do estabelecido por padrões internacionais de qualidade do ar. Elencamos os malefícios trazidos por conta da exposição de pessoas às altas taxas de agentes poluidores atmosféricos, presentes na maioria das grandes cidades do mundo. Através do confronto entre as informações obtidas durante o presente trabalho, conseguimos comprovar que a prática de atividades físicas em ambientes abertos na capital paulista não permite que o praticante usufrua das benesses advindas, mas possibilita que seja assolado por alguma consequência negativa em sua saúde física ou mental proveniente da poluição elevada. A única solução identificada para os adeptos da prática de atividades físicas ao ar livre foi a utilização de máscara com filtro sub-mícrons para impedir a respiração dos poluentes nocivos à saúde humana.

Artigo:

Palavras-chave: Ar, Poluição atmosférica, Atividades físicas, São Paulo, Saúde,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-eneeamb2016-qa-005-5049

Referências bibliográficas
  • [1] BAIRD, C.; CANN, M. Environmental chemistry. 4. ed. New York: W. H. Freeman and Company, 2008.
  • [2] BIGAZZI, A. Y.; FIGLIOZZI, M. A. Review of Urban Bicyclists’ Intake and Uptake of Traffic-Related Air Pollution. Transport Reviews, v. 34, n. 2, p. 221–245, 2014. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1080/01441647.2014.897772>. Acessado em: 15 abr. 2016.
  • [3] BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
  • [4] BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente - Conama. Resolução CONAMA n. 3 de 28 de junho de 1990. Diário Oficial da União, 22/08/1990. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res90/res0390.html>. Acessado em: 10 mar. 2016.
  • [5] COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL (CETESB). Relatório da qualidade do ar no Estado de São Paulo 201 CETESB, São Paulo: 201 Disponível em: < http://ar.cetesb.sp.gov.br/wp-content/uploads/sites/37/2013/12/ar-201pdf>. Acessado em: 30 mar. 2016.
  • [6] COELHO JUNIOR, E. M. et al. Impactos positivos das implementações de ciclovias, ciclofaixas e faixas compartilhadas no município de São Paulo. In Encontro Internacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 17, São Paulo. Anais XVII ENGEMA, São Paulo: USP, 2015.
  • [7] ERICKSON, K. I.; HILLMAN, C. H.; KRAMER, A. F. Physical activity, brain, and cognition. Behavioral Sciences, 4, p. 27–32. 2015. Disponível em: <. http://www.pitt.edu/~bachlab/LabSite/Home.html/Publications.html/erickson2015b.pdf>. Acesssado em: 7 abr. 2016.
  • [8] GOMES, R.; MINAYO, M. C. S. Atividade física como parte importante da saúde em todas as idades. Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, n. 4, p. 998, 2016.
  • [9] GOULART, J. C., et al. Influência das condições meteorológicas sobre as concentrações de MP10 na região metropolitana da Grande Vitória (RMGV). In: Simpósio Brasileiro de Engenharia Ambiental, 8, Curitiba. Anais VIII SBEA, Curitiba: PUCPR, 2015, p. 278-27
  • [10] LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório publicações e trabalhos científicos. 7. ed. São Paulo: Atlas, 20
  • [11] NASCIMENTO, A. S., et. al. Inventário de emissões de gases de efeito estufa do município Verde / Paragominas (PA). In: Simpósio Brasileiro de Engenharia Ambiental, 8, Curitiba. Anais VIII SBEA, Curitiba: PUCPR, 2015, p. 276-277.
  • [12] ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). 7 million deaths annually linked to air pollution, 2014. Disponível em: . Acessado em: 15 mar. 2016.
  • [13] OREGON HEALTH AUTORITHY. Transportation Research Briefs, Oregon Public Health Division. OHA 8246. Oregon, USA: março, 2015. Disponivel em: . Acessado em: 25 mar. 2016.
  • [14] POPE, C. A. et al. Relationships between fine particulate air pollution, cardiometabolic disorders, and cardiovascular mortality. Circulation research, v. 116, n. 1, p. 108-115, 2015. Disponível em: . Acessado em: 3 abr. 2016.
  • [15] PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C.; Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico, 2. ed., Novo Hamburgo, 2013.
  • [16] RESPRO. Pollution Maks – Sporsta Mask. Reino Unido. Disponível em: < http://respro.com/store/product/sportsta-mask>. Acessado em: 5 mar. 20
  • [17] RICKLEFS, R. E. A economia da natureza. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010.
  • [18] ROSS, E. Anti-pollution cycling masks tested. The Guardian, Londres, 7 out. 2015, Cycling, Bike Blog. Disponível em: . Acessado em: 10 mar. 2016.
  • [19] SÃO PAULO. Decreto Nº 59.113, de 23 de abril de 2013. Diário Oficial do Estado de São Paulo, 24 abr. 2013. Disponível em: < http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/2013/decreto-59113-23.04.2013.html>. Acessado em: 4 abr. 2016.
  • [20] SCHOENFELD, T. J. et al. Physical Exercise Prevents Stress-Induced Activation of Granule Neurons and Enhances Local Inhibitory Mechanisms in the Dentate Gyrus. Journal of Neuroscience, 33 (18). p. 7770–7777, maio. 2013.Disponível em: < http://www.jneurosci.org/content/33/18/7770>. Acessado em: 22 fev. 2016.
  • [21] TEIXEIRA, L. C. M. Exercício físico, neurogênese e memória. 2013. 107f. Teste (Doutorado) – Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo,2013.
  • [22] VICENTINI, P. C. et al. Influência dos combustíveis automotivos no material particulado atmosférico de São Paulo e Rio de Janeiro. In: Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva, 23, Anais XXIII SIEA, set. 2015, n. 1, v. 2.
  • [23] WEINMAYR, G. et al. Long-term exposure to fine particulate matter and incidence of type 2 diabetes mellitus in a cohort study: effects of total and traffic-specific air pollution. Environmental Health, v. 14, n. 1, p. 53, 2015. Disponível em: . Acessado em: 6 abr. 2016.
  • [24] WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). WHO Air quality guidelines for particulate matter, ozone, nitrogen dioxide and sulfur dioxide: Summary of risk assessment. Global update 2005. Genebra: WHO Air quality guidelines, 2005. Disponível em: . Acessado em: 1 abr. 2016.
  • [25] ZÚÑIGA, J. et al. Assessment of the Possible Association of Air Pollutants PM10, O3, NO2 With an Increase in Cardiovascular, Respiratory, and Diabetes Mortality in Panama City: A 2003 to 2013 Data Analysis. Medicine, v. 95, n. 2, p. e2464, 2016. Disponível em: . Acessado em: 4 abr. 2016.
  • [26] WILKER, E. H. et al. Long-Term Exposure to Fine Particulate Matter, Residential Proximity to Major Roads and Measures of Brain Structure. The Framingham Heart Study: past, present and future. International Journal of Epidemiology, n. 44, p. 1763-1766, 2015.
Como citar:

COELHO JUNIOR, Eueliton Marcelino; BOAS, Kimberlin Rocha Villas; QUINTINO, Luís Fernando; PIAZZA, Cesar Augusto Della; ANDRADE, Alexandre Acácio de; "OS RISCOS DA PRÁTICA DE ATIVIDADES FÍSICAS EM LOCAIS ABERTOS NA CIDADE DE SÃO PAULO", p. 584-594 . In: Anais do XIV Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Ambiental [= Blucher Engineering Proceedings v.3 n.2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-eneeamb2016-qa-005-5049

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações