Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

Os esforços inovativos das grandes empresas farmacêuticas no Brasil: o que mudou na última década?

Paranhos, Julia; Mercadante, Eduardo; Hasenclever, Lia;

Artigo completo:

Este artigo analisa os esforços inovativos das grandes empresas farmacêuticas nacionais (GEFNs) e transnacionais (GEFTs) atuantes no Brasil. A metodologia descritiva parte da análise das últimas três edições da Pesquisa de Inovação (Pintec): 2008, 2011 e 2014. Em seguida, são recuperados trabalhos da literatura sobre inovação na indústria farmacêutica que buscam, a partir de fontes primárias, explicar seus esforços e resultados inovativos até 2018. Os resultados mostram a evolução positiva das GEFNs em termos de esforços de capacitação tecnológica e capacidade de absorção. Na última Pintec, destaca-se a manutenção da tendência de maiores investimentos em atividades de criação de conhecimento do que nas atividades de aquisição de conhecimento incorporado. Conclui-se que as GEFNs – diferentemente da média das GEFTs, da indústria farmacêutica e da indústria de transformação brasileiras – vêm criando conhecimento e construindo acumulação tecnológica, essencial para o processo inovativo de maior complexidade e sustentabilidade.

Artigo completo:

Palavras-chave: Brasil, indústria farmacêutica, grandes empresas, inovação,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-5.7-053

Referências bibliográficas
  • [1] ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2018). Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico. Brasília: Anvisa.
  • [2] BELL, M; PAVITT, K. (1993) Technological accumulation and industrial growth: contrasts between developed and developing countries. Industrial and Corporate Change, v. 2, n.
  • [3] BUENO, I. (2017). Como estabilizar o financiamento para a subvenção economia para empresas inovadoras? In: 11º Enifarmed – Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos, Rio de Janeiro, 4 e 5 dezembro.
  • [4] CGEE – Centro de Gestão de Estudos Estratégicos (2017). Competências para inovar na indústria farmacêutica brasileira. Brasília, DF: CGEE.
  • [5] COHEN, W.; LEVINTHAL, D. (1989). Innovation and learning: the two faces of R&D. The Economic Journal, 99, p. 569-596, Sep.
  • [6] CUNHA, G. (2019). As capacidades tecnológicas das grandes empresas farmacêuticas nacionais: avanços e desafios, Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • [7] HASENCLEVER, L.; FIALHO, B.; KLEIN, H.; ZAIRE, C. (2010). Economia Industrial de Empresas Farmacêuticas. Rio de janeiro: E-papers.
  • [8] HASENCLEVER, L., PARANHOS, J., CHAVES, G., DAMASCENO, C. (2016). Uma análise das políticas industriais e tecnológicas entre 2003-2014 e suas implicações para o Complexo Industrial da Saúde. In: HASENCLEVER, L.; OLIVEIRA, M. A.; PARANHOS, J.; CHAVES, G. (Org.). Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde. Rio de Janeiro: E-Papers.
  • [9] IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica 2014. Rio de Janeiro: IBGE.
  • [10] KATZ, J. (1984). Domestic technological innovation and dynamic comparative advantage: Further reflections on a comparative case-study program. Journal of Development Economics, v. 16, n. 1-2, pp. 13-37.
  • [11] KLEVORICK, A., LEVIN, R., NELSON, R. e WINTER, S. (1995). On the sources and significance of inter-industry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, pp. 185-205.
  • [12] MANSFIELD, E. (1998). Academic research and industrial innovation: an update of empirical findings. Research Policy, v. 26, pp. 773-776.
  • [13] MTE – Ministério do Trabalho e Emprego. Relação Anual de Estatísticas Sociais 1995-2015. Disponível em: bi.mte.gov.br/bgcaged. Acessado em: 05, jul., 2017.
  • [14] PARANHOS, J.; MERCADANTE, E.; HASENCLEVER, L. (2016). Alteração do Padrão de Esforços de Inovação das Grandes Empresas Farmacêuticas no Brasil. In: HASENCLEVER, L.; OLIVEIRA, M. A.; PARANHOS, J.; CHAVES, G. (Org.). Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde. Rio de Janeiro: E-Papers.
  • [15] PARANHOS, J.; PERIN, F.; MERCADANTE, E.; SOARES, C. (2018). Estratégias das grandes empresas farmacêuticas nacionais na interação empresa-ICT. In: Anais do 3º Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação [=Blucher Engineering Proceedings, v. 5 n. 1]. São Paulo: Blucher, agosto.
  • [16] PERIN, F (2019). A internacionalização das empresas farmacêuticas nacionais brasileiras. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • [17] PIMENTEL, V (2018). Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo de medicamentos no Brasil sob a ótica das compras públicas para inovação: 2009-20 Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
  • [18] PRÓGENÉRICOS — Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos. Dados do setor. Disponível em: www.progenericos.org.br/dados-do-setor. Recuperado em: 21 dez, 2015.
  • [19] RADAELLI, V. (2012). Trajetórias inovativas do setor farmacêutico no Brasil: tendências recentes e desafios futuros. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.
  • [20] SINDUSFARMA — Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo. Indicadores econômicos. Disponível em: www.sindusfarmacomunica.org.br. Recuperado em: 05 jul, 2017.
  • [21] TORRES, R. (2015) Capacitação tecnológica na indústria farmacêutica brasileira. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
Como citar:

Paranhos, Julia; Mercadante, Eduardo; Hasenclever, Lia; "Os esforços inovativos das grandes empresas farmacêuticas no Brasil: o que mudou na última década?", p. 981-996 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-5.7-053

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações