Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA NO BRASIL

Ferreira Júnior, Hamilton de Moura; Amorim, Inara Rosa de; Cavalcanti, Ivanessa Thaiane do Nascimento; Fraga, Joana Azevêdo;

Artigo completo:

Este artigo busca analisar o panorama da indústria farmacêutica brasileira pensando a implementação do novo padrão tecnológico. A hipótese considerada é que as dificuldades na implantação da indústria avançada no Brasil podem fragilizar o setor farmacêutico nacional, abrindo espaço para o desenvolvimento de novos estudos. Através de levantamento bibliográfico descritivo serão apresentadas uma breve discussão da trajetória inovativa do setor farmacêutico, e a manufatura avançada, para que possa ser feita uma relação entre ambas. É estabelecido um paralelo entre as principais estratégias mundiais e as ações promovidas pelo Brasil para a implementação da indústria 4.0, com enfoque nas medidas direcionadas ao Setor Saúde e consequente levantamento de discussões pertinentes. Será mostrado porque o Brasil não dispõe de uma estratégia nacional de inovação de longo prazo e o consequente prejuízo para enfrentar os desafios impostos pelas inovações disruptivas.

Artigo completo:

Palavras-chave: Indústria 4.0. Políticas Industriais. Indústria farmacêutica,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-5.7-052

Referências bibliográficas
  • [1] ALCANTARA, T.; NEVES, C. Indústria 4.0: como a tecnologia fez surgir a Quarta Revolução Industrial. Revista Inovação/Unicamp, ago, 2016.
  • [2] ACHILLADELIS, B. The dynamics of technological innovation: The sector of antibacterial medicines. Research Policy, n. 22, p. 279-308, 1993.
  • [3] ACHILLADELIS, B. Innovation in the Pharmaceutical Industry. In: LANDAU R. et al. Pharmaceutical Innovation: Revolutionizing Human Health. Philadelphia, PA: Chemical Heritage Press, 1-147, 1999.
  • [4] ACHILLADELIS, B.; ANTONAKIS, N. The Dynamics of Technological Innovation: the case of the pharmaceutical industry. Research Policy, 30, p. 535-588, 2001.
  • [5] ANVISA. Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico 2017. Brasília, 2018.
  • [6] ARBIX, G.; MIRANDA, Z.; TOLEDO, D.; & ZANCUL, E. Made in China 2025 e Industrie 4.0: a difícil transição chinesa do catching up à economia puxada pela inovação. Tempo Social, v. 30 n. 3, p. 143-170, 2018.
  • [7] Associação da indústria farmacêutica de pesquisa – INTERFARMA. Guia Interfarma 201 São Paulo, 2018.
  • [8] BASTOS, V.D. Inovação Farmacêutica: padrão setorial e perspectivas para o caso brasileiro. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 22, p. 271-296, set. 2005.
  • [9] CASSIOLATO, J.E.; LASTRES, H. M. M. Sistemas de inovação e desenvolvimento as implicações de políticas. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34-45, jan./mar. 2005.
  • [10] CHERIF, R.; HASANOV, F. The return of the policy that shall not be named: principles of industrial policy. IMF Working Paper, 2019.
  • [11] CIMOLI, M.; DOSI, G.; NELSON, R.; STIGLITZ, J. Instituições e políticas moldando o desenvolvimento industrial: uma nota introdutória. Revista Brasileira de Inovação, v. 6, n. 1, p. 55-85, jan./jun. 2007.
  • [12] CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI. Mapa estratégico da indústria 2018 – 2022. Brasília, 2018.
  • [13] COHEN, W., M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive Capacity: A New Perspective on Learning and Innovation, ASQ, v. 35, p. 128-152, 1990.
  • [14] FIESP. Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil, 2013. Disponível em: www.fiesp.com.br/arquivo-download/?id=139236 . Acesso em: 08 fev. 2019.
  • [15] FREEMAN, C. Technological infrastructure and international competitiveness. Paris: OECD, aug. 1982.
  • [16] GALINDO-RUEDA, F.; VERGER, F. Verger. OECD Taxonomy of Economic Activities Based on R&D Intensity. Paris. OECD Science, Technology and Industry, 20 Working Papers.
  • [17] GOMES, R. et al. O novo cenário de concorrência na indústria farmacêutica brasileira. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 39, p. 97-134, abr. 2014.
  • [18] HASENCLEVER, L. et al. O Mercado de Medicamentos Genéricos no brasil. In: Simpósio franco-brasileiro o novo direito da propriedade intelectual no domínio da saúde e dos seres vivos. Brasília, 2004. Anais. Brasília: TPI, 2004.
  • [19] HATZICHRONOGLOU, T. Revision of the high-technology sector and product classification. Paris: OECD Science, Technology and Industry, 1997. Working paper n. 1997/02).
  • [20] Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial - IEDI. Indústria e o Brasil do futuro. Disponível em: https://iedi.org.br/media/site/artigos/20180918_industria_e_o_brasil_do_futuro.pdf. Acesso em: 08 dez. 2018.
  • [21] ________. A caminho do passado: A balança comercial da indústria em 2018. Edição 905. Disponível em: iedi.org.br/cartas/carta_iedi_n_905.html. Acesso em: 09 dez. 2018.
  • [22] KORNIS, G. E. M.; BRAGA, M. H.; DE PAULA, P. A. B. Transformações recentes na indústria farmacêutica: um exame da experiência mundial e brasileira no século XXI. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 885-908, 2014.
  • [23] LABRUNIE, M. L. Políticas industriais na era da manufatura avançada: uma comparação internacional. 2018. Dissertação retirada em Economia – UFRJ, Rio de Janeiro, 2018.
  • [24] LANDAU, R. et al, Pharmaceutical innovation: Revolutionizing Human Health. San Francisco: Chemical Heritage Press, 1999.
  • [25] LAZONICK, W.; O’SULLIVAN, M. Maximizin shareholder value: a new ideology for corporate governance. Economy and Society, v. 29, n. 1, 2000.
  • [26] LOBO, L.C. Inteligência artificial e medicina artificial. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 41, n.2, p.185-193, 2017.
  • [27] O’SULLIVAN, E. et al. What is new in the new industrial policy? A manufacturing systems perspective. Oxford Review of Economic Policy, v. 9, n 2, p. 432-462, 2013.
  • [28] PARANHOS, J.; HASENCLEVER, L. O sistema farmacêutico de inovação e o relacionamento empresa-universidade no setor farmacêutico do Estado do Rio de Janeiro. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n. 2, jul. 2013.
  • [29] PAVITT, Keith. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v. 13, n. 6, p. 343-373, 1984.
  • [30] PONTES, C.E.C. Patentes de medicamentos e a indústria farmacêutica nacional: estudos dos depósitos feitos no Brasil. Revista Produção e Desenvolvimento, v.3, n.2, p.38-51, ago, 2017.
  • [31] RADAELLI, V. Trajetórias inovativas do setor farmacêutico no Brasil: tendências recentes e desafios futuros. 2012. Tese de doutorado em Geociência – Unicamp, Campinas, 2012.
  • [32] REIS, Carla; PIMENTEL, Vitor; PIERONI, João Paulo; MITIDIERI, Thiago. Indústria Farmacêutica. Panoramas Setoriais 2030. 2016.
  • [33] SANTOS, M. E. Política de incentivo â inovação no âmbito do Complexo Econômico Industrial da Saúde: avaliação do mecanismo CT-Saúde e Profarma – BNDES no período de 2002 – 2012. 2014. Tese de doutorado em Saúde Pública - Fiocruz, Rio de Janeiro, 2014.
  • [34] SARTI, F.; HIRATUKA, C. Indústria mundial: mudanças e tendências recentes. Campinas: UNICAMP, dez. 2010. Texto para discussão, n. 186.
  • [35] SCHWAB, Klaus. The Fourth Industrial Revolution: what it means, how to respond. Disponível em: https://www.weforum.org/agenda/2016/01/the-fourth-industrial-revolution-what-it-means-and-how-to-respond/. 2016. Acesso em: fev. 2019.
  • [36] SCHWAB, K.; DAVIS, N. Aplicando a quarta revolução industrial. São Paulo: Edipro, 2018.
  • [37] SHINZATO, K. Y.; POLLI, M.; PORTO, G. S.. Tendências recentes do setor farmacêutico no Brasil: desempenho financeiro e operacional, fluxos de comércio exterior e atividades desempenhadas em inovação tecnológica. RACEF – Revista de Administração, Contabilidade e Economia da Fundace, v. 6, n. 1, p. 29-128, 2015.
  • [38] SINDUSFARMA. Perfil da indústria farmacêutica 2018 e aspectos relevantes do setor. Disponível em: http://sindusfarma.org.br/arquivos/Perfil-IF2018.pdf. Acesso em: jan. 2019.
  • [39] TEIXEIRA, A. A indústria farmacêutica no Brasil: um estudo do impacto socioeconômico dos medicamentos genéricos. Monografia apresentada a FCL/Unesp. Araraquara, 2014.
  • [40] TESSERIN, M., S.; SUZIGAN, W. GUILHOTO, J.J.M. Inovação no Brasil por intensidade tecnológica: cooperação e origem do capital. São Paulo: USP, 2019. (Working Paper).
  • [41] TESSARINI, G. ; SALTORATO P. Impactos da indústria 4.0 na organização do trabalho: uma revisão sistemática da literatura. Revista Produção Online, Florianópolis, SC, v. 18, n. 2, p. 743-769, 2018.
  • [42] TORRES-FREIRE, C.; GOLGHER, D.; CALLIL, V. Biotecnologia em saúde humana no Brasil: produção científica e pesquisa e desenvolvimento. Novos Estudos - CEBRAP, n. 98, p. 69-93, 2014.
  • [43] TURCHI, L. M. MORAIS, J. M. Políticas de Apoio à Inovação Tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 2017.
  • [44] URIAS, E. M P. A indústria farmacêutica brasileira: um processo de co-evolução de instituições, organizações industriais, ciência e tecnologia,2009. Dissertação de Mestrado em Política Científica e Tecnológica - Unicamp, Campinas, 2009.
  • [45] VARGAS, M; GADELHA, C. A. G.; COSTA, L.; MALDONADO, J. Inovação na indústria química e biotecnológica em saúde: em busca de uma agenda virtuosa, 2012.
  • [46] VARGAS, M. A.; GADELHA, C. A G..; MALDONATO, J. M.; BARBOSA, P.R. Reestruturação na indústria farmacêutica mundial e seus impactos na dinâmica produtiva e inovativas do setor farmacêutico brasileiro. In: XV Encontro Nacional de Economia Política, São Luís, 2010.
Como citar:

Ferreira Júnior, Hamilton de Moura; Amorim, Inara Rosa de; Cavalcanti, Ivanessa Thaiane do Nascimento; Fraga, Joana Azevêdo; "OS DESAFIOS DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA NO BRASIL", p. 969-980 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-5.7-052

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações