Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ORGANIZAÇÕES EM REDE, ECOSSISTEMAS CRIATIVOS E DESIGN ESTRATÉGICO PARA PRODUZIR INOVAÇÃO

Brunel, Felipe Kanarek;

Artigo Completo:

As organizações em rede surgem como respostas aos desafios e oportunidades da Sociedade em Rede, à medida que o mundo está cada vez mais conectado às redes globais. O Slow Food é um exemplo de organização que se estrutura em rede, voltada a promover o alimento bom, limpo e justo. Nesse caso, a organização emerge da relação entre os objetivos autônomos dos diversos atores em rede. O contexto da Sociedade em Rede também implica transformações às operações de design. De modo que o design estratégico, como processo criativo ecossistêmico de design, torna-se abordagem apropriada para lidar com processos coletivos que se dão em rede. Assim, o objetivo deste artigo é buscar aproximações entre as organizações em rede e os ecossistemas criativos a partir das teorias sobre a complexidade. Visando propor de que forma as operações de design podem tornar-se mais significativas para produzir inovação, quando lidam com o contexto das organizações em rede. Alguns resultados, ainda que parciais, apontam para as operações de design que visam perturbar o ecossistema criativo, afastando-o do equilíbrio para uma zona dialógica entre o caos e a ordem que permite à organização em rede inovar.

Artigo Completo:

Palavras-chave: design estratégico; organização em rede; ecossistema criativo; complexidade; inovação.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0142

Referências bibliográficas
  • [1] ARDOINO, Jacques. A complexidade. In: MORIN, Edgar. A Religação dos Saberes: O desafio do século XXI. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. p. 548-558.
  • [2] BRASSET, J. & MARENKO, B. Deleuze and Design. Edinburgh: Edinburgh Univ. Press, 2015.
  • [3] CAPRA, Fritjof. A Teia da Vida: Uma nova compreensão científica dos seres vivos. São Paulo: Cultrix, 1996.
  • [4] CAPRA, Fritjof; LUISI, Pier Luigi. A visão sistêmica da vida. São Paulo: Cultrix, 201 615 p.
  • [5] CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. 617 p.
  • [6] DELEUZE, G. & GUATTARI, F. Mil platôs Vol. 1. 2. ed. Rio de Janeiro: Edições 34, 2011.
  • [7] FRANZATO, Carlo et al. Inovação cultural e social: design estratégico e ecossistemas criativos. In: FREIRE, Karine (Org.) Design Estratégico para a Inovação Social e Cultural. São Paulo: Kazuá, 2015. p. 157-182.
  • [8] KRIPPENDORFF, Klaus. The semantic turn: a new fundation for design. Boca Raton: Taylor & Francis, 2006.
  • [9] LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator Rede. Salvador: Edufba; Bauru:EDUSC, 2012. 400 p.
  • [10] LÉVY, Pierre. A Inteligência Coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 9. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014. 214 p.
  • [11] MANZINI, Ezio. Strategic Design for Sustainability: instruments for radically oriented innovation. In: JÉGOU, F; MANZINI, E. Sustainably everyday: scenarios of urban life. Milano: Edizioni Ambiente, 2003
  • [12] MAURI, Francesco. Progettare progettando strategia. Milano: Masson S.p.A, 1996
  • [13] MORIN, Edgar. Complexidade e liberdade. In: MORIN, Edgar; PRIGOGINE, Ilya. A Sociedade em Busca de Valores. Lisboa: Instituto Piaget, 1998. p. 239-254.
  • [14] MORIN, Edgar. Os desafios da complexidade. In: MORIN, Edgar. A Religação dos Saberes: O desafio do século XXI. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007. p. 559-567.
  • [15] MORIN, Edgar. Introdução ao Pensamento Complexo. 4. ed. Porto Alegre: Sulina, 2011. 120 p.
  • [16] NORMANN, R.; RAMÍREZ, R. From Value Chain to Value Constellation: Designing Interactive Strategy. Harvard Business Review, n. 71, 1993, p. 65–77.
  • [17] PRIGOGINE, Ilya. O reencantamento do mundo. In: MORIN, Edgar; PRIGOGINE, Ilya. A Sociedade em Busca de Valores.Lisboa: Instituto Piaget, 1998. p. 229-237.
  • [18] SLOW FOOD (Brasil). Sobre Nós. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2015.
  • [19] SLOW FOOD. Rede de Associados. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2016.
  • [20] TANSLEY, A. G.. The Use and Abuse of Vegetational Concepts and Terms. Ecology, Oxford, v. 16, n. 3, p.284-307, jul. 1935. Disponível em: . Acesso em: 26 mar. 2016.
  • [21] VERGANTI, Roberto. Design-Driven Innovation: Boston: Harvard Business Press, 2009. 272 p.
  • [22] ZURLO, Francesco. Design Strategico. In: XXI Secolo, vol. IV, Gli spazi e le arti. Roma: Enciclopedia Treccani. 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2015.
Como citar:

Brunel, Felipe Kanarek; "ORGANIZAÇÕES EM REDE, ECOSSISTEMAS CRIATIVOS E DESIGN ESTRATÉGICO PARA PRODUZIR INOVAÇÃO", p. 1671-1682 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0142

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações